Displasia do quadril em bebês: o que é e como se corrige?

A displasia do quadril é uma das condições mais comuns no recém-nascido. Contamos suas características, quais estudos requer e como tratar.
Displasia do quadril em bebês: o que é e como se corrige?

Última atualização: 24 Setembro, 2021

A displasia do quadril afeta um grande número de bebês em todo o mundo. No entanto, sua causa exata ainda não é conhecida. Atualmente também é chamada de displasia do desenvolvimento do quadril, pois ocorre na fase intrauterina ou nos momentos próximos ao nascimento.

É fundamental que o diagnóstico seja precoce, para favorecer o prognóstico da criança. Nos casos em que o tratamento não é aplicado, o quadro pode se complicar para uma luxação ou subluxação do quadril do recém-nascido.

O que é displasia do desenvolvimento do quadril?

A displasia do desenvolvimento do quadril (CDD) é uma das patologias mais comuns em recém-nascidos e pode ocorrer entre a 11ª semana de gestação e os dois anos de idade. 

As crianças que a apresentam apresentam uma desproporção entre o tamanho da cabeça femoral e o acetábulo. Essa é a superfície na qual o fêmur se articula com o quadril. Assim, a alteração que leva à CDD pode estar localizada na cabeça femoral, na cavidade acetabular ou em ambas.

Essa condição é mais comum em gestações múltiplas, especialmente na primeira gravidez. Geralmente ocorre no lado esquerdo e sua intensidade é variável: desde leve instabilidade articular até luxação completa do quadril. 

ultrassonografia abdominal gravidez ecografia fetal gêmeos dois bebês

Embora não se saiba exatamente o que a causa, alguns de seus fatores de risco foram identificados.

Apresentação pélvica

A posição pélvica do bebê durante o terceiro trimestre da gravidez é um fator de risco para displasia do quadril. Além disso, presume-se que essa apresentação do bebê condicione o mecanismo de parto, o que agrega outro fator predisponente.

Oligoidrâmnio

As condições que causam perda parcial de líquido amniótico podem estar relacionadas à displasia do quadril em bebês. Da mesma forma, alguns fatores hormonais maternos e hereditários podem favorecer ambas as condições.

Miomas uterinos maternos

Por ocupar um espaço dentro do útero, os miomas limitam a mobilidade fetal no final da gravidez, e isso tem efeitos prejudiciais no desenvolvimento do quadril. 

Fetos femininos

As meninas são mais propensas a ter displasia do quadril do que os meninos. Especialmente meninas de etnia caucasiana e principalmente se outro membro da família já sofreu da doença. 

Anatomia materna

A pelve estreita pode condicionar o aparecimento dessa alteração no feto, pois limita sua mobilidade dentro do útero.

Manuseio impróprio do bebê

Tanto as técnicas de vestimentas inadequadas, como o uso de mochilas não ergonômicas para carregar o bebê, podem causar displasia de quadril no bebê. 

Como a displasia do desenvolvimento do quadril é diagnosticada?

O diagnóstico de CDD é feito por meio de um exame clínico e é complementado por alguns exames de imagem.

Por meio da observação, o pediatra avalia se há limitação na abertura das pernas do bebê. Além disso, pode identificar qualquer assimetria no comprimento ou na aparência das coxas e nas pregas glúteas de ambos os membros inferiores.

A articulação do quadril é estável quando a cabeça femoral e o acetábulo estão corretamente formados e alinhados fisiologicamente.

Em seguida, complementa-se as informações com a palpação e a realização de duas manobras fundamentais:

  • A Manobra de Barlow é usada para verificar a localização da cabeça femoral.
  • A Manobra de Ortolani é aplicada para detectar possíveis luxações do quadril.

Estudos complementares são solicitados quando há suspeita clínica dessa condição. Sua indicação rotineira, como parte das estratégias de rastreamento, é controversa e se limita aos casos em que há diversos fatores de risco.

  • A ultrassonografia do quadril é a técnica mais utilizada nas primeiras 6 semanas de vida, pois não emite radiação e é um método não invasivo para o bebê.
  • Após os 4 meses de idade, a radiografia convencional do quadril torna-se a técnica de escolha.
  • A tomografia computadorizada é utilizada nos casos mais graves ou quando há dúvidas após aplicar os métodos anteriores.

Como a displasia do quadril em bebês é corrigida?

A detecção precoce da CDD é essencial para o prognóstico da doença, uma vez que o tratamento conservador só é eficaz se realizado nos primeiros 6 meses de vida.

Sabe-se que quanto mais tempo o quadril permanecer deslocado, maior será o desgaste da articulação. Além disso, as chances de a criança recuperar o estado natural dos ossos serão limitadas.

O principal objetivo do tratamento é garantir o correto alinhamento e a estabilização das articulações. Dessa forma, o desenvolvimento pode continuar seu curso natural sem deixar sequelas.

A posição correta dos ossos e músculos do quadril permite que o sangue alcance corretamente todas as estruturas e tecidos para se desenvolver adequadamente.

Tratamento conservador (não cirúrgico)

Até os 6 meses de idade, é a opção preferida. Consiste no uso de arnês ou tala para manter o quadril na posição correta.

No início, a imobilização é usada permanentemente. Com o passar das semanas, se a evolução da criança for satisfatória, os tempos de uso são reduzidos.

Tratamento cirúrgico

Se nenhuma melhora for registrada após 6 meses de tratamento conservador ou o diagnóstico for feito tardiamente, a opção cirúrgica é a mais adequada.

Até 18 meses o alinhamento cirúrgico pode ser realizado sem corte da pele. Após esse período, será necessário operar o quadril por via aberta.

O papel da fisioterapia pediátrica na displasia do quadril

detecção diagnóstico displasia desenvolvimento quadril bebê recém-nascido bebê congênito médico pediatra

Em todos os tratamentos de displasia de quadril, a fisioterapia pediátrica oferece vários benefícios. Por um lado, busca aprimorar a noção da criança sobre seu próprio corpo. Por outro, ajuda no controle da dor e melhora a funcionalidade geral da criança.

Quando realizada antes e durante o tratamento não cirúrgico, a fisioterapia ajuda a melhorar a mobilidade. O trabalho físico favorece a oxigenação dos tecidos e ajuda a manter o tônus muscular.

Se realizada apenas antes da cirurgia, ajuda a manter o tônus muscular e preservar a mobilidade articular.

Após a cirurgia, o tratamento fisioterapêutico é essencial para recuperar a mobilidade e a força da articulação. Além disso, caso a criança já esteja se movendo, isso a ajuda a restabelecer a maneira correta de caminhar.

Sobre a importância do diagnóstico precoce da doença

Devemos enfatizar a importância do diagnóstico precoce das doenças infantis, por meio dos exames médicos de rotina. Por meio de avaliações simples, diferentes alterações no desenvolvimento motor podem ser detectadas, como a displasia de quadril em bebês.

Pode interessar a você...
Os problemas de saúde dos bebês prematuros
Sou Mamãe
Leia em Sou Mamãe
Os problemas de saúde dos bebês prematuros

Os problemas de saúde dos bebês prematuros são mais comuns em relação as crianças que permanecem no útero durante todo o ciclo de gestação.



  • Martínez Aguilar, Antonio José, et al. Factores de riesgo perinatales y materno fetales predictivos en el diagnóstico de displasia de cadera del recién nacido. Revista de la Sociedad Andaluza de Traumatología y Ortopedia 36.1 (2019): 35-42. Disponible en: https://dialnet.unirioja.es/servlet/articulo?codigo=7390657
  • Villalobos, Laura Torres, Nicolás Padilla Raygoza, and Vicente Beltrán Campos. TRANSMISIÓN DEL SONIDO PARA EL DIAGNÓSTICO DE DISPLASIA DE CADERA: UNA REVISIÓN. JÓVENES EN LA CIENCIA 4.1 (2018): 542-545.
  • Hernández-Campos, Jorge Armando, and Nicolás Padilla-Raygoza. Validez y confiabilidad de sonda electroacústica para el diagnóstico de displasia de cadera en neonatos. Lux Médica12.36 (2017): 19-25.
  • Martínez Cardona, Jorge A. Validación de una nueva maniobra de exploración física para la Displasia de cadera. (2019).
  • García, Carla Escribano, et al. Displasia evolutiva de caderas: más allá del cribado. La exploración, nuestra asignatura pendiente. Anales de Pediatría. Elsevier Doyma, 2020.
  • Loor, Gema Elizabeth Collantes, et al. Riesgos y consecuencias de una displasia de cadera en infantes. RECIMUNDO 4.4 (2020): 317-329.
  • Abril, J. C., et al. Displasia del desarrollo de la cadera y trastornos ortopédicos del recién nacido. Pediatr. Integral 23.4 (2019): 176-86.
  • Hernández, Erika Iliana Arana. Iniciando el tratamiento del paciente con displasia de cadera,¿ el éxito depende de la edad?. Ortho-tips 13.4 (2018): 194-198.