Distúrbios paroxísticos não epiléticos em crianças

18 de novembro de 2019
Os distúrbios paroxísticos frequentemente são confundidos com crises epilépticas, mas são muito mais frequentes que elas.

Os distúrbios paroxísticos não epiléticos ou crises não epiléticas (CNE) são um grupo de distúrbios recorrentes de início súbito e de curta duração que frequentemente aparecem em crianças.

São distúrbios muito mais frequentes do que a epilepsia, embora não sejam tão conhecidos popularmente. Têm prevalência de 5 a 20% na população infantil. Aproximadamente, 10 de cada 100 crianças e adolescentes sofrem algum tipo de CNE durante as suas vidas.

É importante saber o que elas são para diferenciá-las de outros distúrbios, tais como crises epilépticas ou convulsões febris. Se forem diagnosticadas precocemente, a sua causa pode ser descoberta, evitando, assim, os tratamentos desnecessários. Saiba mais sobre elas neste artigo.

Como são classificados os distúrbios paroxísticos?

Os distúrbios paroxísticos podem ser epiléticos e não epiléticos. No entanto, hoje vamos nos concentrar apenas nos últimos para estudá-los mais detalhadamente.

Como já dissemos, as CNEs incluem um conjunto de vários distúrbios causados ​​por disfunções no cérebro, com a peculiaridade de que não são causados ​​pela hiperatividade neuronal, como é o caso dos distúrbios epiléticos.

Podem ser classificadas em vários grupos de acordo com as suas manifestações clínicas:

  • Hipóxia cerebral. É a CNE mais frequente e é causada por uma perda temporária de consciência por causa de uma redução no fluxo sanguíneo cerebral.
    • Apneia neonatal.
    • Espasmos de soluço.
    • Síncopes.
Episódios paroxísticos

Muitas vezes, os erros de diagnóstico ocorrem por causa do desconhecimento quanto a esses distúrbios.

  • Distúrbios paroxísticos do sono. São os que geralmente têm um caráter mais benigno.
    • Narcolepsia ou cataplexia.
    • Sonambulismo.
    • Síndrome da apneia obstrutiva do sono (SAOS).
    • Terrores noturnos.
    • Pesadelos.
    • Movimentos rítmicos na transição do sono para a vigília.
  • CNE motoras. São caracterizadas por movimentos involuntários e abruptos.
    • Mioclonia benigna infantil.
    • Torcicolo paroxístico benigno da infância.
    • Desvio ocular paroxístico benigno infantil.
    • Síndrome de Sandifer.
    • Espasmos nutans.
    • Tiques.
    • Tremedeiras.
    • Hiperecplexia.
    • Discinesias iatrogênicas.
    • Tremores do recém-nascido.
    • Estereotipias e ritmos motores.
  • Secundários a doenças sistêmicas.
    • Respiratórios.
    • Cardíacos.
    • Digestivos.
    • Metabólicos.
    • Por medicamentos ou drogas.
  • Psicológicos ou psiquiátricos. Ocorrem principalmente durante a adolescência e são cada vez mais frequentes.
    • Birras.
    • Crises de pânico e ansiedade.
    • Hiperventilação.
    • Pseudocrises.
    • Autoestimulação.
    • Síndrome de Münchhausen por procuração.
  • Outros.
    • Enxaqueca.
    • Vertigem paroxística benigna.
    • Mioclonias velopalatinas.

Como podemos ver, as CNEs são muitas e muito diversas. Frequentemente, ouvimos falar de algumas delas separadamente, mas precisamos saber que elas se encaixam em um grupo para entender melhor as suas causas. Em geral, todas têm um caráter benigno.

Diagnóstico

O diagnóstico é um ponto muito importante no caso das CNEs, pois, como dissemos, podemos evitar muitos tratamentos antiepiléticos desnecessários e muitas angústias familiares que frequentemente surgem a partir do diagnóstico da epilepsia.

Episódios paroxísticos não-epiléticos em crianças

Para fazer um bom diagnóstico desses distúrbios, a história clínica deve ser estudada em detalhes e os eventos paroxísticos observados cuidadosamente. Às vezes, alguns sintomas complicam o diagnóstico diferencial. Alguns deles são, por exemplo:

  • A alteração do nível de consciência.
  • Os movimentos anormais.
  • O aparecimento brusco e repentino, sem aviso prévio.

Muitas vezes, os erros de diagnóstico ocorrem por causa do desconhecimento quanto a esses distúrbios ou à supervalorização de um histórico familiar de epilepsia ou um histórico de convulsões febris, por exemplo.

Um exame físico e neurológico também ajudará a descartar outras doenças. Às vezes, é necessário recorrer a exames complementares, tais como o eletroencefalograma (EEG).

Outros exames que podem ajudar são, por exemplo:

  • Exames cardiológicos.
  • Exames psiquiátricos.
  • Exames de neuroimagem.
  • Estudos do sono.
  • Exames hormonais.

Tratamento

Após um diagnóstico correto, o tratamento dependerá da CNE específica e da causa do seu aparecimento. Na maioria dos casos, nenhum tratamento é necessário.

Em geral, basta saber o que estamos enfrentando para descartar a epilepsia, eliminar o medo e, assim, normalizar as situações.

  • Delgado, F. M., Gimeno, A. M., & Muela, S. H. (2008). Episodios paroxísticos no epilépticos. In Asociación Española de Pediatría. Protocolos diagnósticos de Neurología Pediátrica (pp. 66-70). AEP Madrid.
  • Fernández, J. H. (2011). Trastornos paroxísticos no epilépticos. PediatríaIntegral, 857.
  • Sánchez-García S, García Campos O, Verdú Pérez A, Villaizán Pérez C. (2014). Episodios paroxísticos no epilépticos. Form Act Pediatr Aten Prim, 7, (187-93).