Como o elogio afeta as crianças

· 28 de julho de 2017

Melhorar a forma de elogiar seu filho tem um impacto importante no desenvolvimento do pequeno, principalmente no âmbito acadêmico. Carol Dweck, uma renomada cientista estadunidense, estudou como o elogio afeta o desenvolvimento das crianças.

As conclusões às quais chegou em seus trabalhos levou muitos profissionais das escolas dos Estados Unidos a apagar do mapa os elogios voltados a exaltar a inteligência das crianças.

Parte das pesquisas feitas pela renomada psicóloga da Universidade de Stanford consistiu em realizar um experimento no qual eram propostas determinadas tarefas a três grupos de crianças.

Um dos grupos era elogiado pela inteligência. Para esse grupo, se dizia frases como: “Como vocês são inteligentes”. Um dos outros grupos era elogiado pelo esforço e ouviram coisas como: “Vocês se esforçaram muito”. E o último grupo não era elogiado, era o grupo de controle.

Os resultados foram surpreendentes. A maioria de nós pensaria que as crianças cuja inteligência foi elogiada se destacariam muito mais que o resto. Mas não foi exatamente assim.  O resultado foi que os integrantes desse grupo preferiram realizar as provas mais simples e, além disso, desistiam muito antes dos outros grupos quando encontravam dificuldades.

Uma atitude totalmente oposta do grupo das crianças que foram elogiadas pelo esforço. Diferentemente dos “mais inteligentes”, essas crianças preferiram realizar as provas mais difíceis e, quando se enganavam, tentavam resolver suas dificuldades durante um tempo maior.   A atitude deles foi muito mais positiva que a do grupo “dos inteligentes”, que em geral apresentaram uma atitude mais derrotista.

Elogiar a inteligência pode levar uma criança à não assumir novos desafios

elogiado

Por que isso acontece? Como uma criança cuja inteligência é elogiada demonstra uma atitude derrotista? Há várias explicações: Uma delas é que esse tipo de elogio convida as crianças a ver a inteligência e o talento como qualidades inatas e não como uma habilidade que pode ser desenvolvida por meio da prática e do esforço.

Outra explicação para esse tipo de pensamento, denominada pela cientista como mentalidade fixa, é apresentada pelo doutor John Medina, autor do best-seller “Brain Rules for Baby”, quem argumenta que quando a criança recebe esse tipo de elogio que só exalta a inteligência, é possível que ela comece a ver seus erros como uma falta de capacidade irremediável, e seus sucessos como produtos de habilidades inatas.

Outra das conclusões desse trabalho científico afirma que as crianças cuja inteligência costuma ser elogiada de maneira constante – sem que seja exaltado seu esforço – tentam manter a imagem que seu interlocutor já fez delas. Por isso, evitam realizar provas mais difíceis e assumir novos desafios. Pois fazer isso aumenta as chances de fracasso e, portanto, de parecerem “burras”.

Talvez o mais grave de tudo isso é que com esse tipo de elogio você pode desencorajar uma criança a assumir desafios no futuro. Isso ocorre porque ao exaltar de maneira vazia a inteligência você reforça na criança a ideia de erro como algo negativo e não como um caminho que pode levar ao sucesso.

O elogio focado no esforço dos seus filhos é muito mais positivo

elogiado

Uma criança que recebe elogios pelo seu esforço aprende a ver o sucesso como resultado do trabalho e do esforço constantes, os quais não são consequência de uma habilidade inata, mas são uma possibilidade de crescimento aberta a todos.

E exaltar esse tipo de pensamento ajuda seu filho a enxergar os erros ou os fracassos como o resultado da falta de prática ou de experiência, o que não é uma circunstância irremediável.

Assim, as crianças que são elogiadas pelo esforço e não pelo resultado de suas ações aprendem a ser mais persistentes e a ver que se se esforçarem ainda mais poderão enfrentar os desafios que aparecerem no caminho, mesmo que precisem enfrentar mil vezes. O caminho vai se encarregar de ensinar que a perseverança leva ao sucesso.

Além disso, as pesquisas de Carol Dweck determinaram que o grupo de crianças que era elogiado pelo esforço tinham causado a impressão de que essas crianças eram muito trabalhadoras, por isso poderiam manter essa imagem se esforçando cada vez mais e escolhendo tarefas cada vez mais difíceis, mesmo que precisassem de muito tempo para resolvê-las.

Que tipo de elogios você deveria fazer aos seus filhos

Os resultados dos estudos realizados por essa psicóloga fizeram com que os profissionais de muitas escolas nos Estados Unidos eliminassem os elogios à inteligência, que foram substituídos por outro tipo de enaltecimento.

O ideal, segundo a doutora Dweck, não é fazer somente elogios ao esforço, mas fazer comentários que provoquem reflexões e que proponham estratégias alternativas. Caso contrário, eles surtirão os mesmos efeitos que os elogios feitos à inteligência.

É muito positivo erradicar o erro tão recorrente entre os pais, de aplaudir o resultado final, o que inclui parabenizar a criança pelas notas que obteve nas provas ou por ter se destacado em alguma prática esportiva.

Tente eliminar essa frase tão comum: “Estou tão orgulhoso. Você é tão inteligente!” Procure substituir esse tipo de frase por outras voltadas às estratégias utilizadas, à melhora obtida ou ao esforço empregado. Nesse caso, você poderia dizer, por exemplo: “Que ótimo trabalho, me conte como você fez isso” ou “Estou muito orgulhosa, você deve ter estudado muito!”. Esse tipo de elogio estimula seu filho a aprender a se esforçar mais e mais.