As emoções na sala de aula

06 Outubro, 2020
As pessoas são construídas por sentimentos e emoções. Por isso, vamos falar sobre a importância de trabalhar as emoções na sala de aula e como isso deve ser feito.

Muito já foi dito e escrito, e ainda será falado e escrito, sobre a necessidade de trabalhar as emoções na sala de aula. Isso ocorre porque é fundamental, em todas as idades e níveis de ensino, que as emoções e os sentimentos façam parte dos conteúdos curriculares, para que os alunos desenvolvam uma forte inteligência emocional.

O que sabemos sobre as emoções e os sentimentos?

As emoções são respostas ou reações psicofisiológicas que o corpo gera diante de situações, pessoas ou objetos em nosso meio. Assim, uma emoção representa um modo de adaptação que uma pessoa possui, o qual organiza, fisiologicamente, diferentes respostas dos diferentes sistemas biológicos (expressões faciais, músculos, sistema endócrino, etc.).

Por sua vez, os sentimentos se referem tanto a um estado de espírito quanto a uma emoção conceituada. Ou seja, os sentimentos são o resultado das emoções, já que eles têm maior duração no tempo e podem ser verbalizados. Assim, a diferença entre emoção e sentimento tem a ver com a intensidade e a duração. Uma emoção é mais curta e mais intensa.

Então, tristeza, alegria, raiva, ira, medo ou nostalgia são reações e, portanto, emoções que uma pessoa pode sentir. São respostas quase automáticas diante de uma mudança, uma situação, uma pessoa ou um objeto. E, por sua vez, se essas emoções persistirem ao longo do tempo, podem se tornar sentimentos.

As emoções na sala de aula

Por que trabalhar as emoções na sala de aula?

Trabalhar as emoções na sala de aula é fundamental para o correto desenvolvimento e a conformação da personalidade de crianças e adolescentes. É necessário que as crianças e os jovens aprendam a reconhecer suas emoções e as dos outros, aprendam a falar sobre elas e a controlá-las a cada momento.

Ser capaz de controlar a ansiedade, o estresse, a depressão e a frustração é possível se a criança, desde cedo, aprender a controlar suas emoções. Melhorar a autoestima, o relacionamento com os outros e alcançar objetivos pessoais está intimamente relacionado ao controle emocional. Ou seja, com a capacidade que uma pessoa possui de regular suas emoções e de se autorregular quando necessário.

Assim, o cumprimento dos objetivos de uma educação emocional são os motivos pelos quais as emoções devem ser trabalhadas em sala de aula. E esses objetivos são que as crianças e jovens sejam capazes de:

  • Conhecer, reconhecer, compreender e descrever as próprias emoções e as dos outros.
  • Aprender estratégias e desenvolver habilidades para controlar as emoções negativas e gerar outras positivas.
  • Evitar e prevenir consequências negativas ou prejudiciais das emoções negativas.
  • Desenvolver atitudes positivas e otimistas em relação à vida.
  • Ter consciência dos benefícios e do bem-estar trazidos pelas emoções positivas.

“Quando eu digo controlar emoções, me refiro às emoções realmente estressantes e incapacitantes. Sentir as emoções é o que torna a nossa vida rica”.

-Daniel Goleman-

Como trabalhar as emoções na sala de aula?

Os educadores devem ser capazes de planejar ações educativas para trabalhar as emoções na sala de aula, com o objetivo de gerar estratégias para o controle das emoções por crianças e adolescentes. Assim, para alcançar um desenvolvimento progressivo da inteligência emocional dos alunos, é essencial trabalhar a empatia, desenvolvendo atitudes proativas ou de proatividade e a assertividade.

Além disso, é importante que as emoções possam ser trabalhadas na sala de aula como um conteúdo em si, mas também como um conteúdo transversal. Por suas próprias características, as emoções representam processos adaptativos a diferentes ambientes e atividades. Por isso, elas sempre estarão presentes em cada momento de ensino-aprendizagem, de qualquer disciplina escolar.

As emoções na sala de aula

Atividades para trabalhar as emoções na sala de aula e em casa

Para finalizar, vamos apresentar algumas opções para que tanto educadores quanto pais trabalhem as emoções com seus alunos e filhos:

  • Assembleia escolar. Por causa da sua particularidade, partilha e diálogo, a assembleia escolar é um bom momento para os educadores trabalharem as emoções com as crianças. Por exemplo, perguntando sobre o que fizeram no dia anterior em casa. Falar com os pequenos sobre como se sentiram, como se sentem e o porquê é o primeiro passo para eles começarem a conhecer suas emoções.
  • Leitura. A narração ou a leitura de histórias e contos é uma estratégia ideal para trabalhar as emoções, uma vez que, através das personagens, do que sentem e vivenciam, é possível reconhecer e identificar as diferentes emoções.
  • Situações problemáticas. Essa é uma atividade mais adequada para adolescentes. Trata-se de, a partir do levantamento uma situação problemática, discutir as emoções que estão em jogo, compreendendo os porquês e analisando as opções e estratégias para modificar, aceitar ou controlar as emoções. Podem ser situações como uma briga com os pais, a perda de um ente querido ou o não cumprimento de algum objetivo pessoal, por exemplo.
  • Desenhar. Desenhar emoções é uma boa estratégia para as crianças expressarem, definirem e externarem suas emoções. As cores e a pintura são uma excelente estratégia educacional para mergulhar no assunto e falar sobre o que sentimos, além de permitir aprender mais sobre as emoções que pintamos.