Ensine seu filho a lidar com as provocações

· 11 de setembro de 2017

As crianças podem ser maravilhosas, mas também são muito cruéis. Nem tudo é culpa sua: algumas crianças têm maus exemplos em casa e aprendem com eles. Infelizmente essas atitudes adquiridas dentro de casa provocam danos em outras crianças, que não sabem como enfrentar essas situações. E às vezes não há outra alternativa senão ensinar nossos filhos a lidar com as provocações. 

A primeira coisa que você precisa saber é que as crianças não são más por natureza. A maioria utiliza as provocações como método de defesa porque acredita que é uma forma (mesmo que equivocada) de se relacionar, porque imitam seus pais. Alguns pais despejam suas frustrações e sua baixa autoestima nos seus filhos, outros simplesmente estão acostumados a esse tipo de atitude e as reforçam sem querer.

Como pais, muitas vezes desejamos estar no lugar dos nossos filhos para enfrentar essas situações. Ver nossos pequenos sofrerem e passar por essas situações nos trazem uma angústia e uma raiva que apenas aqueles que vivem sabem descrever. Mas essa não é a forma adequada de lidar: a criança precisa aprender a enfrentar tais situações. 

Como posso ajudar meu filho a lidar com as provocações das outras crianças?

Escute seu filho

Antes de mais nada, escute o que seu filho tem a dizer. Pode ser uma situação recíproca com outra criança ou simplesmente uma brincadeira. Analise a situação e também pergunte aos professores. Estar informado antes de agir é fundamental. Encoraje seu filho a contar o que acontece em sala de aula e mostre que ele pode ser sincero com você.

Não o humilhe

Muitos pais humilham seus filhos em uma tentativa de se mostrar corajosos. Esses pais acreditam que chamando seus filhos de covardes ou chorões vão despertar sua coragem. Não é assim que acontece. Uma criança não responde às provocações como um adulto e, portanto, é preciso demonstrar empatia.

provocações

Ensine seu filho a ignorar as provocações

Um bom método nessas situações é ignorar quem estiver fazendo as provocações. Na maioria das vezes as crianças acabam se cansando pelo fato de suas brincadeiras mal intencionadas não surtirem efeito. Quando isso acontece elas param de insistir, e até mesmo passam a tratar bem a criança que importunavam como se nada tivesse acontecido.

O corajoso tem medo do contrário, o covarde do seu próprio medo

-Francisco de Quevedo-

Utilize a inteligência

A inteligência pode ser uma arma muito poderosa. Ensine seu filho a responder com rapidez e ironia e em pouco tempo você vai notar os resultados. Lembre-se de que essa estratégia não consiste em provocar o outro, pois isso seria entrar no jogo dele. Também não se deve responder com violência nem com insultos. Essa é simplesmente uma forma de fazer com que o provocador saiba que seu filho não se afeta com os comentários dele.

Incentive seu filho a se juntar às outras crianças

As amizades são uma boa forma de evitar que uma criança fique isolada, caso seja vítima de provocações. Ela vai se sentir protegida e valorizada e ou o provocador vai parar de se meter com ela ou vai aprender que a provocação não tem importância. Além disso, pode ser que haja outras crianças nessa mesma situação. Nesse caso, pode ser benéfico para ambos porque geraria uma compreensão mútua.

provocações

Fique atento aos sinais de perigo

Às vezes o que consideramos besteira pode ser algo sério. Algumas vezes, lamentavelmente, as provocações acabam se transformando em perseguição. Nesse caso, a primeira coisa a se fazer é conversar com os professores e os responsáveis pela escola para expor suas dúvidas. A partir desse momento e se a situação ficar mais grave, devemos denunciar. 

E se for meu filho quem provoca as outras crianças?

Se for nosso filho que provoca as outras crianças, devemos refletir seriamente sobre por que ele age assim? Não devemos provocar um drama, mas, como já mencionado antes, escutar seus motivos. Pode ser que ele também seja vítima de provocações e precise de ajuda, ou que esteja imitando determinados comportamentos tóxicos nossos. Se esse for o caso, não é somente ele que vai precisar mudar de atitude…nós também precisaremos.

É preciso explicar que provocar as outras pessoas é errado. Essa atitude machuca as outras pessoas e é provável que, se continuar assim, ninguém vai querer ser seu amigo. Explicar ao seu filho que se ele for amável com as pessoas é mais provável que elas também sejam com ele. E, certamente, é preciso destacar que ajudar os outros sempre vai nos deixar mais felizes que destruí-los.