Meu filho é alérgico a ovo: o que fazer?

01 Julho, 2020
Os ovos estão presentes em diversos alimentos e são uma importante fonte de proteínas e vitaminas na alimentação da criança. Apesar disso, é um dos alimentos que mais causa reações alérgicas durante os primeiros anos de vida.

Você certamente conhece pessoas que são alérgicas a certos alimentos, tais como leite, enlatados ou oleaginosas. Da mesma forma, alguns bebês apresentam reações alérgicas ao ovo. Por isso, é normal se perguntar: como posso saber se meu filho é alérgico a ovo?

Os ovos são um excelente alimento para incluir nas refeições porque são ricos em vitaminas do complexo B. Infelizmente, algumas crianças podem não tolerá-lo,apresentando diversas reações alérgicas.

O lado positivo desses casos é que muitas crianças superam essa alergia por volta dos 5 anos de idade. A partir de então, o pequeno poderá comer ovos sem nenhum problema.

 O que significa ser alérgico a ovo?

O sistema imunológico de uma pessoa reage de forma excessiva às proteínas do ovo, como se fosse uma substância perigosa. Portanto, toda vez que a criança consome essa proteína, seu corpo produz anticorpos específicos para combatê-la. Além disso, também libera substâncias químicas para se proteger, tais como a histamina.

Isso geralmente acontece com crianças menores de 5 anos, porque seu sistema imunológico ainda não está completamente maduro. Por esse motivo, a criança não consegue digerir as proteínas do ovo e as trata como se fossem um invasor prejudicial.

Como posso reconhecer se o meu filho é alérgico a ovo?

O quadro alérgico pode ocorrer dentro de alguns minutos ou até mesmo horas após a ingestão do ovo. Essas reações alérgicas geralmente apresentam os seguintes sintomas:

  • Na pele: erupção de espinhas, vermelhidão, eczema e até mesmo inflamação.
  • Reações gastrointestinais: dor abdominal, diarreia, vômito ou náusea, inchaço ou ardência ao redor da boca.
  • No sistema respiratório: coceira nos olhos, espirros, secreção nasal, chiados, dificuldade para respirar, olhos lacrimejantes.
  • No sistema cardiovascular: aceleração da frequência cardíaca, diminuição súbita da pressão arterial e outros problemas associados ao coração.
Meu filho é alérgico ao ovo

Em pouquíssimos casos, os afetados manifestam uma reação alérgica grave chamada de anafilaxia, que requer atenção médica urgente, pois a pessoa apresenta sérias dificuldades para conseguir respirar. Essa reação é acompanhada de inflamação oral e uma queda acentuada da pressão arterial.

Consulte o pediatra para um diagnóstico seguro

A alergia ao ovo é detectada em bebês ou durante as primeiras refeições da criança. Isso acontece quando a mãe percebe que o bebê tem uma erupção cutânea ou fica indisposto depois de comer ovo. Assim, será necessário consultar o pediatra e comunicar as reações observadas na criança após o consumo desse alimento.

Se o pediatra considerar uma possível alergia a ovo, provavelmente vai encaminhar a criança para um alergista. Esse especialista vai realizar diferentes testes. Entre eles, um teste de punção cutânea.

Entretanto, a medida preventiva a ser tomada é a exclusão do alérgeno. Ou seja, evitar o ovo e seus derivados ou qualquer alimento que o contenha até que o sistema imunológico do bebê amadureça. A ingestão também pode ser retomada quando o médico considerar que já é seguro oferecer o alimento novamente.

“Toda vez que a criança consome a proteína do ovo, seu corpo produz anticorpos específicos para combatê-la. Além disso, também libera substâncias químicas para se proteger, tais como a histamina.”

Cuidado com as vacinas

As crianças alérgicas ao ovo devem consultar o médico previamente antes de tomar as vacinas. Isso ocorre porque algumas delas são incubadas em tecidos de embriões de galinha e é muito provável que contenham uma pequena quantidade de proteína do ovo.

Portanto, você deve conversar com o médico para descobrir se existe algum perigo se a vacina for administrada ao seu filho. As vacinas com as quais você deve tomar precauções especiais porque podem conter ovos são a vacina contra a gripe, a vacina tríplice viral (caxumba, rubéola, sarampo) e a vacina de febre amarela.

Medidas preventivas

Por tudo isso, se seu filho for alérgico ao ovo, você deve tomar certas precauções. Os ovos estão presentes em vários tipos de alimentos. No entanto, às vezes pode ser difícil determinar se um alimento contém ovos ou não.

A seguir, vamos mostrar algumas sugestões que você pode seguir para evitar complicações:

  • Consulte um nutricionista para criar um plano alimentar personalizado: a dieta deve fornecer todos os nutrientes necessários para a criança, ao mesmo tempo que exclui os alimentos preparados com ovos ou qualquer um de seus derivados.
  • Verifique os ingredientes usados no preparo dos alimentos que serão consumidos ao comer fora de casa.
Meu filho é alérgico ao ovo

  • Imprima uma lista de derivados dos ovos que podem estar presentes nos alimentos e a mantenha com você para consultá-la em caso de dúvida.
  • Faça com que o seu filho sempre tenha um anti-histamínico.
  • Caso a alergia seja grave, é aconselhável ter um injetor de epinefrina. Se, por acidente, a criança ingerir algo que contenha ovo ou qualquer um de seus componentes e sofrer um choque anafilático, a injeção poderá ser aplicada instantaneamente.

Em resumo, não é tão difícil levar uma vida normal se seu filho for alérgico a ovo. Portanto, basta conscientizar a criança e as pessoas ao seu redor. Não comer ovos não é algo que vai impedir seu filho de apreciar a comida!

  • Rosas, M. R. (2006). Alergia e intolerancia alimentaria. Ámbito farmacéutico, 25(7).
  • Sánchez, J., Restrepo, M. N., Mopan, J., Chinchilla, C., & Cardona, R. (2014). Alergia a la leche y al huevo: diagnóstico, manejo e implicaciones en América Latina. Biomédica, 34(1), 143-156. http://www.scielo.org.co/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0120-41572014000100017
  • Torres Borrego, J., & Guzmán, E. G. (2006). Seguridad de la vacunación triple vírica en pacientes con alergia al huevo. In Anales de Pediatría (Vol. 64, No. 5, pp. 464-467). https://medes.com/publication/22293
  • Young, S. H. (2005). Alergias. Ediciones Granica SA.