Hipotireoidismo em crianças: o que você deve saber

O hipotireoidismo é uma das doenças endocrinológicas mais frequentes da infância. Neste artigo, contamos tudo o que você precisa saber sobre isso. Não perca!
Hipotireoidismo em crianças: o que você deve saber

Última atualização: 24 junho, 2022

O hipotireoidismo é uma patologia que resulta de uma alteração da glândula tireoide que gera uma menor produção de seus respectivos hormônios. Essas substâncias são essenciais para o bom funcionamento e metabolismo do corpo.

Nas crianças, a causa dessa doença pode variar, assim como o impacto no desenvolvimento do seu organismo. Por isso, o diagnóstico e o tratamento precoces podem melhorar o seu prognóstico.

Você quer saber mais sobre o que se trata? Então não deixe de ler.

Hipotireoidismo em crianças

A glândula tireoide está localizada no meio do pescoço e produz os principais hormônios para a saúde: triiodotironina (T3) e tiroxina (T4). Esse órgão é controlado pela hipófise ou glândula pituitária, localizada na base do cérebro, por meio do hormônio estimulante da tireoide (TSH).

Os hormônios tireoidianos desempenham funções muito importantes para o corpo, dentre as quais se destacam:

Quando falamos de hipotireoidismo nos referimos a uma condição que resulta da diminuição da atividade biológica dos hormônios tireoidianos nos tecidos do corpo. Isso pode ser gerado por uma baixa produção da glândula ou por uma alta resistência à ação hormonal pelas células do resto do corpo.

Em crianças, a maioria dos casos de hipotireoidismo ocorre devido à baixa produção de hormônios tireoidianos e se manifesta precocemente na vida. Portanto, pode causar alterações cerebrais, problemas no crescimento do corpo e no desenvolvimento de diferentes órgãos.

Essa condição é bastante comum na infância e sua prevalência varia de acordo com a área geográfica (1 em 800 a 10.000 crianças).

Em alguns casos o hipotireoidismo é transitório, mas em outros torna-se uma condição crônica e incurável. Mas, felizmente, com a terapia de reposição hormonal adequada e check-ups regulares com um endocrinologista pediátrico, as crianças afetadas podem levar uma vida normal.

Médica endocrinologista segurando a glândula tireóide na mão
A glândula tireoide está localizada na frente do pescoço, a meio caminho entre a mandíbula e o esterno. Seu aumento ou diminuição de tamanho pode sugerir um mau funcionamento.

Tipos de hipotireoidismo em crianças

Existem diferentes critérios para classificar a doença, seja com base na localização do problema ou na sua causa.

Em relação ao primeiro critério, o objetivo é definir qual é o órgão afetado que gera um baixo nível de hormônios tireoidianos no sangue. O hipotireoidismo mais comum na infância é o tipo primário, que envolve um mau funcionamento da glândula tireoide. Por sua vez, o hipotireoidismo secundário refere-se ao mau funcionamento da glândula pituitária.

Dependendo da causa do dano à glândula tireoide, o hipotireoidismo é classificado em dois tipos: congênito (de nascimento) ou adquirido (pós-natal). Vejamos cada um deles em detalhes.

Hipotireoidismo congênito

Quando falamos de hipotireoidismo congênito, queremos dizer que o bebê nasce com um problema na glândula tireoide, seja um desenvolvimento anormal ou a completa ausência dela. Embora mais raramente possa ocorrer devido a danos na glândula pituitária, é muito pouco frequente que esteja associado aos hábitos alimentares da mãe (por exemplo, a ingestão de dietas carentes de iodo).

Estima-se que esse tipo de patologia ocorra em 1 em 3.000 – 3.500 nascimentos e seja uma das principais causas evitáveis de deficiência intelectual (anteriormente chamada de retardo mental).

Hipotireoidismo adquirido

Se a doença aparecer após o nascimento (mais especificamente, após 6 meses), já estamos falando de hipotireoidismo adquirido. Nesse caso, a glândula tireoide produz muito pouca ou nenhuma quantidade de hormônio tireoidiano e as causas desse fenômeno são diversas:

  1. Tireoidite de Hashimoto: é uma doença autoimune, onde o próprio sistema imunológico ataca a glândula tireoide e a impede de realizar suas funções. É a principal causa de hipotireoidismo em crianças e mulheres.
  2. Infecções virais.
  3. Alterações por medicação (pelo consumo de lítio, amiodarona e oxcarbazepina).
  4. Histórico familiar de hipotireoidismo.
  5. Remoção cirúrgica da glândula tireoide por outras causas.
  6. Ingestão inadequada de iodo, seja para mais ou para menos.
  7. Doenças da glândula pituitária (como pan-hipopituitarismo).
A glândula pituitária (ou hipófise) é uma pequena estrutura localizada no tronco cerebral, dentro do crânio. Produz diversos hormônios essenciais para o funcionamento do organismo.

Quais são os sintomas do hipotireoidismo?

As crianças geralmente apresentam quadros clínicos variáveis, tanto na sintomatologia quanto na intensidade. Em geral, a doença tem início lento, ou seja, pode levar alguns anos para se manifestar e muitos sinais podem passar despercebidos.

Entre os sinais mais proeminentes de hipotireoidismo em crianças estão os seguintes:

  • Cansaço e fadiga crônica.
  • Maior sensibilidade ao frio.
  • Aumento de peso. O hipotireoidismo retarda o metabolismo, o que causa ganho de peso moderado, entre 2 e 4,5 kg.
  • Baixo crescimento em altura. É um sinal característico de hipotireoidismo em crianças.
  • Puberdade tardia (em adolescentes).
  • Pele e cabelos secos e quebradiços.
  • Prisão de ventre.
  • Bócio.

Bebês com hipotireoidismo também podem apresentar sintomas como icterícia, choro rouco, língua grande e saliente, dificuldade respiratória e hérnia umbilical.

Se você detectar que seu filho tem vários desses sintomas, deve conversar com o pediatra para que ele possa solicitar exames para confirmar ou descartar esse diagnóstico.

Diagnóstico de hipotireoidismo

O diagnóstico de hipotireoidismo em crianças é simples. Primeiramente, o pediatra fará um exame físico detalhado, onde serão avaliadas a altura e o peso para determinar qualquer alteração nos percentis. Além disso, ele fará a palpação da tireoide para ver se ela está aumentada.

Em seguida, solicitará alguns exames de sangue para avaliar os níveis de hormônios produzidos pela hipófise e pela tireoide:

  • T4 livre: são medidos os níveis de tiroxina livre no sangue, que é aquela que não se liga às proteínas e que pode entrar nos tecidos do corpo.
  • TSH (hormônio estimulante da tireoide): é um teste sensível para detectar hipotireoidismo. Quando a glândula tireoide não está cumprindo suas funções, a glândula pituitária produz mais TSH do que o normal para tentar estimulá-la.
  • Anticorpos antitireoidianos: essa medida é usada para diagnosticar uma possível tireoidite de Hashimoto.

O hipotireoidismo é diagnosticado quando os níveis de TSH estão altos e o nível de T4 livre produzido pela tireoide está baixo.

Se confirmada a alteração dos exames de sangue, outros exames complementares serão indicados, como gamagrafia ou ultrassonografia de tireoide para determinar a localização exata da glândula e seu tamanho.

Como complemento, o endocrinologista provavelmente solicitará uma ressonância magnética do cérebro, para avaliar a hipófise e descartar alterações centrais.

Mão de adulto com luvas segurando tubos sangue.
O diagnóstico do hipotireoidismo é simples e consiste em um exame clínico adequado e na dosagem de hormônios tireoidianos e TSH no sangue.

Tratamento do hipotireoidismo em crianças

O tratamento do hipotireoidismo em crianças é baseado na reposição hormonal através da administração de hormônios tireoidianos sintéticos, como levotiroxina sódica ou LT4.

Esse medicamento é administrado uma vez ao dia e a dose varia de acordo com a idade e o peso da criança. Idealmente, deve ser administrado ao acordar e 30 minutos antes de comer. Além disso, deve ser ingerido longe de outros suplementos, como cálcio, ferro ou vitaminas, para evitar ter seu seu efeito diminuído.

Deve-se notar que é de vital importância ser consistente na administração desse hormônio à criança diariamente.

Muitas vezes o especialista também indica a biotina (vitamina B8) para melhorar a saúde da pele e do cabelo. Além disso, é importante que a criança tenha uma alimentação adequada que evite o ganho excessivo de peso.

Esse tratamento tem muito poucos efeitos colaterais e, se ocorrer algum, a dose do medicamento pode ser ajustada. Por isso, é necessária uma revisão constante pelo endocrinologista.

Embora não haja cura para o hipotireoidismo em crianças, esse tratamento hormonal pode controlar os sintomas e retardar a progressão da doença. E assim, é possível levar uma vida normal e saudável.

Prevenção do hipotireoidismo em crianças

Com certeza não há como prevenir o hipotireoidismo em crianças, mas é importante detectá-lo precocemente quando a criança começa a apresentar alguma sintomatologia sugestiva. Assim, o tratamento pode ser iniciado antes que consequências negativas e irreversíveis para sua saúde sejam desencadeadas.

Pode interessar a você...
Cuidar da tireoide durante a gravidez
Sou Mamãe
Leia em Sou Mamãe
Cuidar da tireoide durante a gravidez

Cuidar da tireoide durante a gravidez é um dos conselhos que mais escutamos. Cuidando integralmente de nós mesmas, protegemos a vida do nosso bebê.