A intolerância ao glúten é hereditária?

31 Janeiro, 2020
A intolerância ao glúten ou doença celíaca é um distúrbio hereditário relacionado à glutenina. Mas esta não é a única doença ligada às proteínas presentes nas sementes das gramíneas.

A intolerância ao glúten é uma doença incurável que afeta 1% da população. Existem diferentes variações da doença: sensibilidade ao glúten não celíaca, alergia ao trigo e doença celíaca. O que as diferencia?

Em todos os casos, o tratamento é o mesmo: retirar o glúten da dieta para evitar os sintomas e reverter os possíveis danos que ele já tenha causado. No entanto, esses sintomas são o que nos indica qual das três doenças é a que temos.

O que é o glúten?

Glúten, gluteninas e prolaminas são um conjunto de proteínas presentes nas sementes das gramíneas e, principalmente, no trigo. A glutenina é a proteína que confere elasticidade para a farinha e é a responsável pela consistência esponjosa dos produtos de panificação. Daí a sua importância para a indústria de alimentos.

No caso particular do trigo, a referida proteína representa 85% do seu total de proteínas. Em outros cereais, como o centeio, por exemplo, essa porcentagem também é bastante alta, mas o seu teor é muito menor na aveia e em outros cereais. Quais são as doenças causadas pelo glúten?

a intolerância ao glúten

Intolerância ao glúten e doenças hereditárias

Sensibilidade ao glúten não celíaca

Compartilha muitos dos sintomas da doença celíaca, o que pode fazer com que elas sejam confundidas. Ambas causam diarreia ou constipação, cólicas, dores nos ossos, articulações e fadiga. Mas a sensibilidade ao glúten é uma doença que não tem um componente genético e, portanto, ao fazer os exames para a doença celíaca autoimune, não são encontrados os biomarcadores.

O fato de a sintomatologia ser semelhante dificultou a sua identificação, embora o tratamento seja o mesmo: retirar o glúten da dieta. Foi apenas em 2012 que ela foi classificada como uma doença diferente da intolerância ao glúten. A reação adversa ao glúten pode aparecer até 48 horas após a ingestão e permanecer durante muito mais tempo.

Doença celíaca ou intolerância ao glúten

Por outro lado, tanto a intolerância ao glúten quanto a alergia ao trigo são doenças com um componente genético, de modo que elas podem ser identificadas através de uma análise de DNA para localizar os biomarcadores presentes em cada doença.

Na intolerância ao glúten, esses genes mutantes, presentes nas pessoas geneticamente ‘alteradas’, produzem uma forte reação no sistema digestivo, com sérias consequências para as crianças. Isso afeta principalmente as vilosidades intestinais, de modo que a absorção de nutrientes nesse nível é praticamente nula nos casos muito avançados.

Assim, isso leva a um atraso no crescimento, raquitismo, anemia e até mesmo mudanças bruscas de humor e comportamento. Tudo isso como resultado da desnutrição grave devido aos danos no intestino delgado, embora às vezes esses sintomas possam levar anos para aparecer.

Alergia ao trigo

A alergia ao trigo é uma doença genética que causa uma forte reação alérgica aos alimentos que contêm trigo. Embora alguns sintomas coincidam com a doença celíaca, tais como diarreia e cólica, após a realização dos exames genéticos apropriados, os biomarcadores não correspondem aos da intolerância ao glúten.

a intolerância ao glúten

Os sintomas específicos da alergia ao trigo estão relacionados, assim como o próprio nome da doença indica, a um processo alérgico. Eles incluem: inchaço ou coceira na boca, anafilaxia, dificuldade para respirar e urticária na pele.

Essa reação alérgica é produzida pelo conjunto de proteínas presentes no trigo e não apenas pela glutenina. E, ao identificar os biomarcadores genéticos, supõe-se que a herança familiar esteja diretamente relacionada ao distúrbio.

Em resumo…

A doença celíaca é, portanto, um distúrbio autoimune que produz a intolerância ao glúten, uma vez que, para a identificação da doença, é feito um exame genético e ela está presente nas famílias, sugerindo que a intolerância ao glúten seja hereditária.

“Devemos nos esquecer do conceito clássico de doença celíaca: ela passou de uma patologia intestinal rara típica da infância para uma doença com múltiplas apresentações e que pode afetar pessoas de todas as idades”.

-Dr. Sergio Farrais (Unidade de Doença Celíaca do H.U. Fundación Jiménez Díaz-

No entanto, essa mutação genética pode aparecer espontaneamente e não se desenvolver, ou então os seus sintomas podem surgir na adolescência ou na idade adulta. Atualmente, os mecanismos por meio dos quais os genes alterados que produzem a doença celíaca operam são desconhecidos.

  • Gluten Intolerance Group. (5 de marzo de 2018). Enfermedad celíaca, sensibilidad al gluten no celíaca o alergia al trigo:¿cuál es la diferencia? [Artículo en web]. Recuperado de: www. gluten.org
  • Mayo Clinic. (20 noviembre 2018). Alergia al trigo [artículo en web]. Recuperado de: www.mayoclinic.org
  • Fernando del Rosario, J. (Septiembre 2012). La enfermedad celíaca [artículo en web]. Recuperado de: www.kidshealth.org