O jogo como técnica de avaliação e diagnóstico

26 Setembro, 2020
O jogo é uma parte intrínseca das crianças, por isso nos oferece a oportunidade ideal para conhecer seu estado interior em um ambiente que faz com que se sintam seguras.

Existem muitos problemas que podem levar uma criança a necessitar de ajuda psicológica. Porém, diante dessa situação, muitos pais se perguntam o que podem esperar da visita do seu filho a um consultório. Devemos lembrar que a mente infantil funciona e se expressa de maneira diferente da mente de um adulto. E, por isso, o jogo como técnica de avaliação ainda é uma das práticas mais utilizadas.

Muito além das entrevistas, testes e questionários, o jogo nos oferece uma oportunidade única. É uma atividade intrínseca dos pequenos e, portanto, fornece um espaço no qual eles se sentem seguros e confortáveis ​​para se expressarem livremente. Em suma, constitui a ocasião para que a personalidade da criança, seu mundo interno, seus medos e seus desejos configurem o jogo diagnóstico.

O jogo como técnica de avaliação e tratamento

Durante a consulta, o jogo pode ser utilizado tanto para a avaliação quanto para o tratamento da criança. Em cada caso, haverá características distintas, uma vez que estará sendo usado para finalidades diferentes.

Por exemplo, quando o jogo é utilizado como técnica de tratamento, o psicólogo participa da dinâmica intervindo, fazendo modificações e oferecendo interpretações e comentários à criança.

O jogo como técnica de avaliação e diagnóstico

Porém, quando usado como elemento de avaliação, é a criança que dirige o jogo e atribui os papéis. O terapeuta se dedica apenas a seguir as instruções da criança. Além disso, ele também observa todo o processo e registra os comportamentos da criança, sem intervir.

A sala de jogos é pensada para que a criança possa se mover livremente dentro dela e selecionar os materiais que mais chamarem a sua atenção. Os brinquedos que poderão ser encontrados dependerão da abordagem de cada profissional.

Alguns usam itens mais estruturados (mais óbvios), tais como telefones de brinquedo ou famílias de bonecos. Enquanto isso, outros optam por elementos mais ambíguos, tais como bolas, tecidos, elásticos ou folhas em branco, para não sugestionar a criança de forma alguma durante o seu uso.

Quais informações são fornecidas pelo jogo como técnica de avaliação?

O jogo é uma das formas mais diretas e eficazes de acessar o inconsciente das crianças. Ao observar seu comportamento, podemos aprender sobre sua personalidade e seus conflitos internos. Mas para o que exatamente devemos olhar?

Como a criança aborda os brinquedos?

A forma como a criança age desde o momento em que entra na sala nos proporciona informações. Assim, temos que observar como ela se aproxima dos brinquedos disponíveis. Se os aborda de forma direta e decidida ou se, pelo contrário, hesita e mantém distância. Ou, ainda, se ela espera pela nossa indicação ou permissão ou se pega os brinquedos de forma abrupta e descuidada.

Esses elementos vão nos ajudar a entender, por exemplo, se a criança tem uma personalidade dependente ou evitativa, ou se, pelo contrário, ela tem grande autoconfiança. A escolha do primeiro brinquedo selecionado também é relevante. Observa-se se é um item apropriado para a sua idade e o que a motivou a pegar esse brinquedo em primeiro lugar.

Como é o jogo?

Em seguida, podemos ver como o pequeno brinca com os materiais. Ele muda de elementos para representar situações diferentes ou continua brincando repetidamente com o mesmo brinquedo?

O jogo como técnica de avaliação e diagnóstico

A criança é capaz de se expressar de forma criativa, usando o jogo simbólico para expressar seus pensamentos e sua concepção de mundo? Ou, pelo contrário, seu jogo é rígido, monótono e estereotipado, pouco imaginativo?

Da mesma forma, será importante registrar se a criança se mostra ativa ou passiva durante o jogo, bem como a sua forma de reagir a imprevistos. A maneira como ela lida com as pequenas dificuldades que possam surgir nos dará uma ideia da sua tolerância à frustração.

Como os papéis são atribuídos?

Por fim, é muito importante atentar para os papéis que a criança assume, bem como quais ela atribui ao terapeuta e aos demais brinquedos. Se ela assume o papel de adulto, como ela se comporta? Isso vai nos mostrar sua concepção das principais figuras adultas ao seu redor.

É importante observar como os diferentes papéis ou personagens se relacionam e interagem entre si sob o comando da criança, pois isso nos dará informações sobre as emoções que caracterizam os vínculos dela com o ambiente ao seu redor. Existe agressividade, culpa, rejeição, violência?

Sobre o jogo como técnica de avaliação

Em suma, o jogo constitui uma técnica de avaliação ideal, pois nos oferece uma janela para olhar para o interior do pequeno e conhecê-lo mais profundamente. Se você tiver alguma dúvida, não deixe de consultar seu pediatra ou psicólogo de confiança.

  • Klein, M. (1955). La técnica psicoanalítica del juego: su historia y significado. Obras completas3, 129-146.
  • Pietramala, K., & Simó, L. B. HORA DE JUEGO DIAGNÓSTICA.