Como lidar com conselhos que você não quer receber?

· 16 de dezembro de 2016
O que devo fazer? Me calar? Explorar? Marcar as diferenças ou ignorar por completo os conselhos que eu não quero receber? Confira este artigo e fique por dentro de quatro formas de lidar com esta situação complexa e não perder acalma e a paciência tentando.

A chegada do primeiro filho costuma ser um ponto de ruptura nas relações familiares e, especialmente, no caráter paciente e calmo, quando começam a chover recomendações que não coincidem com o que é sugerido pelos médicos especialistas. Então, como é possível lidar com queles conselhos que você não quer receber?

Toda mamãe de primeira viagem lidou em algum momento com uma série de conselhos indesejados: “O bebê está com poucas roupas”, “Melhor não deixá-lo engatinhar”, “Deixe ele comer o que quiser e quando quiser”, “Não deixe ele chorar”, “Não ignore ele, tadinho”, “Não dê peito, dê mamadeira para que ele te deixe dormir”… dentre outros.

Estes são alguns dos insistentes e desacertados “conselhos” que toda mamãe de primeira viagem escuta, geralmente de suas sogras, cunhadas, mães, irmãs, amigas e pessoas próximas que, acreditando estar ajudando, atropelam e saturam com experiências e recomendações não solicitadas.

Outro personagem comum que quem ingressa no maravilhoso mundo da maternidade deve enfrentar é a típica “sabe tudo” ou “opinióloga”, que acredita dominar perfeitamente o assunto e conhecer em cada detalhe tudo o que é concernente ao âmbito da criança, e por isso está convencida de que o que é proposto pelos outros não é válido, e sim errado.

Qual é o problema com estes conselhos?

Com a chegada da maternidade, devemos nos adaptar a nova realidade, enfrentando além dos medos, dúvidas e desafios. Se somamos a esse acúmulo de novidades e nervos a catarata de conselhos que não pedimos e nem queremos receber, tais como sugestões que estão distantes de nos ajudar, que nos dominam.

O quadro se complica se comparamos as indicações médicas com os conselhos que chovem por parte dos leigos. E o panorama se escurece ainda mais por não saber como atuar diante deles, seja por medo de ferir seus sentimentos, por medo de se transformar na vilã do filme ou simplesmente para evitar qualquer discussão.

id-10075949

O certo é que existem diferentes saídas capazes de conter a situação e permitir lidar com os conselhos que você não deseja e que, por momentos, esgotam com sua paciência e lhe cansam. Como verá, você conta com quatro opções que podem lhe ajudar a resolver esta situação tão complexa e angustiante.

4 formas de lidar com os conselhos que você não quer receber

Você está procurando a forma adequada de lidar com esses conselhos que não quer e lhe assusta que possa causar contradições ou rejeições? Não perca a calma, fique atenta e anote as seguintes dicas para dar fim a sua inquietação:

  • Se expresse: Anime-se a expor sua opinião ou compartilhar seu conhecimento. Não é ruim manifestar seu desacordo com o ponto de vista ou conselho que lhe dão, ou inclusive esclarecer que não aplicará essas sugestões. Nada ruim pode acontecer se dialogar com respeito e educação, evitando possíveis discórdias.

Uma boa opção é explicar as razões pelas quais você decidiu não seguir os conselhos, com isso demonstra que escuta o que lhe dizem, mas contrasta a informação com a que aprendeu antes, sem gerar os problemas que o fato de você ouvir, mas não fazer, pode causar.

A última variável implica em escutar a recomendação, agradecer por ela e responder também a quem a deu, que na próxima visita ao pediatra do bebê você conversará com ele sobre o assunto para tirar dúvidas que tenha a respeito.

  • Avalie. Apesar de estar incomodada deve considerar que os conselhos que você não pediu às vezes podem ser bons. Assim, aceitar as sugestões úteis, sábias e construtivas de outras pessoas não causa danos e às vezes ensina a resolver dificuldades de forma mais prática.

Por isso, não resista e se oponha a todos os conselhos simplesmente por estar ofuscada diante da sugestão que por momentos parece uma ordem, imposição ou subestimação. É fundamental ter a mente aberta para se permitir escutar um dado que pode servir para a criança e o cuidado do bebê.

  • Sorria. Ainda que esteja incomodada por esse conselhos que não crê precisar é recomendável responder com um “obrigada, vou considerar”, com um sorriso no rosto. Desta maneira, evitará carregar culpas desnecessárias e deixará a conselheira satisfeita.
  • Lembre-se de quem é a mãe. Não importa qual seja o conselho que receber, sempre lembre-se que você é a mãe do pequeno e, por isso pode criá-lo da maneira que considerar mais correta. Sempre escolha o melhor para o seu filho e, para isso, siga o que seu coração lhe diz ser bom e ignore o resto.
shutterstock_91988219-500x393

Receber um conselhos que você não pediu e se sentir aturdida por um excesso de informação que não coincide com o que os médicos recomendaram pode ser incômodo. Porém, é importante refletir sobre a finalidade da pessoa que nos aconselhou: fez isso com bom boa intenção ou só para criticar?

A partir das repostas a estas perguntas você saberá como agir e quais medidas adotar quando suas achegadas decidirem dar conselhos mesmo quando você não pedir. Respire fundo e agradeça, pois há pessoas ao seu redor que se preocupam com seu filho e com você. O bom é que, da porta para dentro, ninguém sabe mais do que você, o que é melhor para a criança.