Ser mãe é escolher: O instinto maternal é um mito

· 18 de dezembro de 2016

Ser mãe é considerado como um instinto natural que impulsiona as mulheres a proteger e cuidar dos seus filhos desde que nasceram. No entanto, para algumas mulheres o instinto maternal é um mito.

 Instinto ou escolha?

Uma mãe naturalmente sabe como cuidar e proteger seu filho. Essas palavras resumem o conceito que é conhecido como instinto maternal. Todos os dias observamos centenas de fatos que nos distanciam dessa crença tão sublime, transformando-a em um mito e pensamos que “Ser mãe é escolher ser”.

Culturalmente, a maioria das mulheres tem sido educadas para conseguir um parceiro, casar e procriar. Porém todos os dias observamos um grupo importante de mulheres que vem tomando o controle do seu próprio destino. Por razões diferentes elas não tem a motivação, disposição ou tempo para cumprir com esse importante “papel de amor”.
Para ser mãe é aconselhável ter certa maturidade emocional. Dessa forma, estará preparada para conseguir enfrentar a grande demanda de cuidados e amor que um novo bebê necessita de uma maneira eficiente.

Cada mulher carrega um significado diferente sobre a maternidade. Dependendo da relação com a sua mãe e com o parceiro, esta experiência poderá ser muito prazerosa. Caso contrário pode ser tornar uma grande fonte de conflitos e sacrifícios.

As vivências, as emoções, a educação e o entorno social também serão fatores que eventualmente influenciarão na escolha de ser mãe.

mae-e-bebe

A decisão de ter filhos é uma escolha própria. Se conscientizar daquilo que se sente sobre a maternidade é fundamental para o futuro do seu bebê.

É muito importante ter um projeto ou um planejamento em que se tenha bem claro daquilo que se quer fazer para cumprir as nossas expectativas como mulheres e mães.

Algumas mulheres preferem se realizar profissionalmente para contar com um respaldo econômico antes de assumir a maternidade. Contando com um respaldo financeiro podem procurar ajuda de uma pessoa que a ajude com essa tarefa tão vital de ser mãe, enquanto continuam com uma carreira em ascensão.

Para outro grupo de mulheres ser mãe é uma prioridade. Para elas, o cuidado e proteção do seu filho são assumidos de forma natural desde o momento que o pequeno chega às suas vidas.

O apoio da sua família e do seu parceiro são importantes já que isso pode ser um fator que depende de ferramentas emocionais e econômicas para poder criar com sucesso o seu novo filho.

Aspectos que se devem levar em conta antes de ser mãe

Ser mãe é uma experiência única e gratificante para toda mulher. Não existe o momento perfeito na vida para escolher ser mãe.  No entanto, é bom repassar e considerar uma série de aspectos para tomar uma decisão responsável:

A mulher deve levar em conta se a relação do casal está em um momento bom e está de acordo em trazer um filho ao mundo.

  • A idade recomendada para dar à luz é entre os 18 e 22 anos. Porém, qualquer mulher que se proponha e realmente queira pode ter a capacidade e recursos adequados para manter e cuidar de um filho.
  • Pedir ajuda a um especialista da saúde é um dos passos mais importantes antes de ser mãe.
  • Antes de considerar ter um filho a mulher deve se distanciar de todos os hábitos tóxicos que podem danificar a saúde do bebê. Alguns exemplos são: cigarro, álcool, comidas com alta taxa de gordura e açúcar, etc…

Alguns conselhos

A seguir, você pode ver alguns conselhos adicionais que devemos levar em consideração quando estamos tomando a decisão de se tornar mãe:

  • A mulher deve pensar sobre quantos filhos quer ter e em qual período da vida.
  • A mulher deve consultar o parceiro para saber o que ele pensa sobre isso. Pergunte se ele está preparado, se tem as condições adequadas para colaborar com os cuidados da criança, etc…
casal

 

  • No caso de uma mulher solteira que decide ter um filho por conta própria, deve considerar que é importante ter uma poupança. Ou então, algumas economias que permitirão cobrir o custo de qualquer eventualidade.
  • Uma a mulher acha que não tem habilidades para ser uma boa mãe. Se mesmo assim gostaria de ser, é aconselhável consultar um bom profissional que a oriente em todas as suas dúvidas e medos.

O importante é ser consciente de uma decisão tão importante da vida.  É ter o coração disposto e uma mente aberta para fazer o melhor possível para poder criar os filhos com muito amor e dedicação.