Os sintomas da dermatite atópica na infância

6 de abril de 2017

A dermatite atópica é uma doença que muitas crianças sofrem desde bebês. É uma doença de pele que geralmente aparece no rosto e corpo dos bebês, crianças e adultos. Esta é uma doença muito incômoda que normalmente produz coceira e muito desconforto.

As pessoas que sofrem de dermatite atópica possuem alterações e lesões na pele que produzem uma coceira muito desconfortável. Neste artigo vamos tentar mostrar os sintomas da dermatite atópica que atualmente afeta muitos bebês e crianças.

A origem da dermatite atópica

Embora seja cada vez mais comum, os dermatologistas ainda não encontraram qual a origem da dermatite atópica. No entanto, se sabe que existem certos fatores que podem influenciar na aparição da doença, como por exemplo:

  • Se um dos pais tem asma, dermatite atópica ou febre do feno, as crianças são mais propensas a ter dermatite atópica.
  • Quanto mais velha for a mãe no momento de dar à luz a seu filho, o risco de desenvolver dermatite atópica aumenta.
  • Os ambientes frios e as cidades poluídas também têm maior índice de pacientes com dermatite atópica.
  • Também se relaciona com alergias alimentares, alergias ao tabaco, tecido de lã ou nylon, de poeiras, etc…

Os sintomas da dermatite atópica

A dermatite pode aparecer nos primeiros meses de vida de alguns bebês. Os pais poderão encontrar no corpo de seu filho bolhas, vermelhidão e casquinhas no rosto, couro cabeludo, na área da fralda, nas mãos, nos braços, nos pés ou nas pernas.

Normalmente a dermatite desaparece após os três ou quatro anos de idade, mas pode manifestar-se novamente durante a infância e se desenvolver mais tarde. Às vezes a dermatite atópica também pode desaparecer para sempre e a criança não voltará a sofrer com essa doença tão desconfortável.

Os sintomas são geralmente prurido intenso e prolongado, que aborrece muito aos bebês e às crianças. Também pode-se encontrar diversas lesões que são distribuídas de uma maneira caraterística, invadindo o rosto, pescoço e a parte superior do tronco. Também como podem se desenvolver nas dobras dos cotovelos e joelhos.

 

A dermatite atópica por idade

A dermatite atópica infantil geralmente começa por volta dos cinco meses de idade. As crianças podem apresentar lesões de eczema seborreica que, pouco a pouco, podem evoluir até se converter em uma dermatite. Por outro lado também existe a possibilidade que desapareçam  definitivamente.

A dermatite infantil normalmente está localizada no rosto, exceto na área ao redor dos olhos, boca e nariz. Também pode aparecer nas orelhas, dorso das mãos ou couro cabeludo. A coceira é constante sendo muito incômoda para o bebê, que por causa desta doença fica em um estado de ansiedade constante.

A dermatite atópica na infância em geral, começa em torno dos dois anos e frequentemente dura até os sete anos ou até a puberdade. As lesões são normalmente nos cotovelos e joelhos, mas também podem manifestar-se em outras áreas do corpo. A dermatite atópica infantil, muitas vezes pode desaparecer e pode ser que a criança não volte a sofrer com esta doença.

Mas em muitos casos, as crianças que foram vítimas da dermatite atópica na infância, continuam tendo-a quando são adultas e devem seguir um tratamento médico por toda a vida.

A prevenção da dermatite

Como não são conhecidas as causas até agora é bem difícil prevenir a doença. A única coisa que se pode fazer é mudar alguns hábitos nas crianças, como por exemplo, tentar mantê-los longe do fumo de tabaco sempre que for possível, outro exemplo é ter cuidado com a roupa que a criança utiliza, evitando lã e nylon, tentando que sempre sejam de algodão.

Também pode-se evitar climas úmidos e frios e cidades com maior índice de poluição. No entanto os climas secos e quentes beneficiam os pacientes com dermatite atópica sejam adultos ou crianças.

Se suspeitamos que a criança pode ter esta doença devemos levá-la ao pediatra para que ele indique um especialista o mais breve possível. Existem vários tratamentos médicos para melhorar a qualidade de vida dos pacientes, como tratamentos  com  corticoides e anti-histamínicos orais. Quanto mais cedo iniciarmos com os remédios, menos a criança sofrerá com os sintomas tão desconfortáveis.