Otite média em bebês e crianças: o que é e como é tratada?

As infecções de ouvido causam sintomas incômodos e, em geral, acompanham os quadros respiratórios das vias aéreas superiores. Saiba como prevenir e tratar essa patologia em bebês e crianças.
Otite média em bebês e crianças: o que é e como é tratada?

Última atualização: 20 junho, 2022

A otite média é uma das doenças mais comuns da infância. Estima-se que entre 70 e 80% das crianças saudáveis desenvolvam pelo menos uma otite média nos primeiros 5 anos de vida.

Essa condição causa muita dor no ouvido e um desconforto característico, e embora seja aconselhável oferecer medidas de alívio, nem sempre é necessário recorrer a antibióticos.

A seguir, contamos tudo o que você precisa saber sobre essa patologia para cuidar melhor de seus filhos. Não perca!

O que é otite média em bebês e crianças?

A otite média (OM) é a inflamação do ouvido médio, geralmente causada por um agente infeccioso (um vírus ou bactéria). Esses microrganismos costumam vir de alguma estrutura adjacente da via aérea.

A orelha tem três cavidades bem definidas. Chamamos de ouvido médio aquele que está localizado atrás do tímpano e que, por sua vez, se comunica com o nariz (e garganta) através da trompa de Eustáquio.

Bebês e crianças pequenas têm maior predisposição a desenvolver otite do que pessoas mais velhas, e isso ocorre devido a fatores imunológicos e anatômicos. Por isso, essa estrutura é um dos principais motivos de consulta com o pediatra durante a infância, tanto no verão quanto no inverno.

Qual é a causa da otite média na infância?

A principal causa de OM na infância são as infecções respiratórias, pois, como dissemos, são a porta de entrada dos germes para o ouvido médio. Assim, as bactérias causadoras mais frequentes são Streptococcus pneumoniae e Haemophilus influenzae.

Em bebês e crianças pequenas, a trompa de Eustáquio é mais curta, mais larga e mais horizontal do que a dos adultos. Essa anatomia particular do ducto favorece a entrada de muco (e germes) do nariz e faz com que ele fique parcialmente obstruído. Esse fenômeno proporciona um ambiente favorável para que os microrganismos se desenvolvam e infectem órgãos próximos, como o ouvido médio.

Quando as bactérias atingem o ouvido médio, há um aumento de secreções e pus que pressionam o tímpano, empurrando-o para fora. Isso causa uma dor considerável no bebê e limita sua capacidade de ouvir desse lado.

Se a otite se tornar frequente ou prolongada, o quadro deixa de ser agudo para ser considerado recorrente ou crônico, respectivamente. Isso é bastante comum na infância, devido à imaturidade do sistema de defesa. Por isso, o que se espera é que a partir dos 5 anos de idade a otite média ocorra cada vez menos.

anatomia da orelha
O ouvido médio é a cavidade localizada atrás do tímpano e se comunica com as vias aéreas através da trompa de Eustáquio. Essa conexão é o que favorece o fluxo de germes de um lugar para outro.

Outras causas de otite média

Devemos ter em mente que existem outras condições não infecciosas que também podem gerar esse desconforto. Entre elas, destacamos os seguintes:

  • Alergias respiratórias.
  • Irritação direta da membrana timpânica (contato direto com agentes químicos, como cloro em piscinas).
  • Mudanças repentinas na pressão do ar.
  • Obstrução da trompa de Eustáquio devido a outras causas.

Sintomas de otite média em bebês e crianças

Encontrar a fonte da dor em bebês e crianças pequenas pode ser uma tarefa difícil. No entanto, se você suspeitar que seu filho está com otite, pode se guiar por suas manifestações.

Um sinal crucial que com certeza você vai notar é que o bebê chora muito e coloca a mão no ouvido afetado.

Além da otalgia (dor de ouvido), seu filho pode apresentar alguns dos seguintes sinais e sintomas:

  • Febre.
  • Irritabilidade e choro constante, especialmente à noite.
  • Perda de apetite
  • Vermelhidão do ouvido externo e dor à palpação da orelha (nem sempre).
  • Vazamento de líquido claro ou pus pelo canal auditivo.
  • Perda de equilíbrio.

Na presença desses sintomas, é melhor procurar o pediatra para que o profissional examine a criança e determine o melhor curso de ação a seguir.

Como a otite média é tratada em bebês e crianças?

O tratamento da otite média em lactentes e crianças se baseia nos sintomas, na causa e na condição básica de saúde do lactente. Ou seja, na sua idade e no seu histórico médico.

Na maioria dos casos, a otite média se resolve sozinha em poucos dias e, de fato, até 90% das crianças resolvem a condição na primeira semana. Especialmente quando é causada por germes comuns, como Haemophilus influenzae.

No entanto, em outros casos é necessário considerar o tratamento com antibióticos para evitar complicações, especialmente em bebês e crianças com menos de 2 anos de idade, pois seu sistema imunológico não está totalmente maduro.

Como orientação geral, o tratamento da otite média geralmente começa com a prescrição de analgésicos e redutores de febre, como paracetamol e ibuprofeno.

Se após 2 ou 3 dias os sintomas não diminuírem ou se o pediatra confirmar que a otite é bilateral ou supurativa (saindo pus do ouvido), ele pode indicar o tratamento com antibióticos, seja com colírio ou via oral.

É importante que, uma vez iniciado o esquema antibiótico, ele seja concluído, independentemente de os sintomas melhorarem rapidamente. Isso é fundamental para evitar recorrências e resistência dos germes ao referido medicamento.

A otite média pode ser prevenida em bebês e crianças?

A otite média é uma condição que pode se tornar comum em crianças pequenas. Por isso, vale a pena implementar algumas medidas de prevenção em casa:

  • Ofereça ao seu filho o aleitamento materno durante pelo menos o primeiro ano de vida. Esse leite também fornecerá anticorpos que o protegerão de infecções comuns.
  • Ao oferecer a mamadeira, certifique-se de que o bebê não esteja deitado. Se a garrafa permanecer na vertical, ela predispõe que parte de seu conteúdo atinja a trompa de Eustáquio devido ao efeito da gravidade.
  • Evite resfriados e gripes na criança. No caso de desenvolver problemas respiratórios, uma boa técnica para ajudar a eliminar o muco é através de lavagens nasais.
  • Mantenha as orelhas do bebê secas. Durante o banho, evite despejar água com sabão diretamente nessa cavidade e, ao sair da água, seque tudo o que conseguir alcançar com a toalha. Nunca insira cotonetes nos ouvidos, pois você pode danificar acidentalmente o tímpano.
  • Certifique-se de que o pequeno seja mantido em ambientes ventilados e livres da fumaça do cigarro.
  • Cumprir rigorosamente o calendário de vacinação. Há vacinas que ajudam a prevenir infecções por vários dos germes envolvidos na otite.
  • Lave as suas mãos e as do seu filho com água e sabão com frequência. Além disso, mantenha bem limpas as superfícies usadas com frequência.
Mulher amamentando seu bebê sentada no sofá.
O aleitamento materno é a melhor estratégia de prevenção de doenças infecciosas na primeira infância. Ofereça o peito ao seu filho o máximo que puder e você o ajudará a fortalecer suas defesas.

Sobre a otite média na primeira infância

A otite média é uma condição bastante comum em crianças pequenas e uma das principais causas de absenteísmo escolar e profissional no mundo todo. Felizmente, pode ser evitada e, em geral, seu curso é leve e autolimitado. No entanto, quando você suspeitar que seu bebê possa estar com esse problema, procure o pediatra para obter orientações adequadas ao caso.

Pode interessar a você...
Dor de ouvido na piscina
Sou Mamãe
Leia em Sou Mamãe
Dor de ouvido na piscina

A dor de ouvido na piscina é um dos problemas mais comuns após um dia de diversão na água. A água pode entrar no ouvido causar desconforto. Veja as...



  • De la flor, J. (2017). Infecciones de vías respiratorias altas-2: otitis media aguda (etiología, clínica y diagnóstico; complicaciones y tratamiento); otitis media aguda de repetición y otitis media crónica; otitis externa. Pediatría Integral 2017; XXI (6): 399–417.
  • National institute on deafness and other communication disorders (2017). Infecciones del oído en los niños. Recuperado de: https://www.nidcd.nih.gov/es/espanol/infecciones-del-oido-en-los-ninos
  • Yolik, J. (2017). Otitis media aguda.  Revista de la Facultad de Medicina de la UNAM. Vol. 60, Nº 1, Enero-Febrero 2017. Páginas 50-58.
  • Venekamp RP, Sanders SL, Glasziou PP, Del Mar CB, Rovers MM. (2015) Antibiotics for acute otitis media in children. Cochrane Database Syst Rev. 2015 Jun 23;2015(6):CD000219. doi: 10.1002/14651858.CD000219.pub4. PMID: 26099233; PMCID: PMC7043305. Disponible en: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/26099233/
  • Muñoz, J. (2013). Otitis media aguda Revista pediatría en atención primaria. Vol. 15 – Num. 22. Recuperado de: https://pap.es/articulo/11815/otitis-media-aguda
  • López, G. et al. (2008). Guía-ABE. Infecciones en Pediatría. Guía rápida para la selección del tratamiento antimicrobiano empírico. Otitis media aguda. Recuperado de: https://www.guia-abe.es/temas-clinicos-otitis-media-aguda
  • Hijano, F. (2003). Otitis media aguda. Anales de pediatría. Vol. 01. Núm. S1. páginas 3-9 (Junio 2003).
  • Richardson, V. et al (1998). Otitis media aguda en pediatría. Revista de salud pública de México Vol.40, N°.5. Recuperado de: https://www.scielosp.org/pdf/spm/1998.v40n5/450-455/es