Por que os embriões são reabsorvidos?

Embora seja muito comum, a razão pela qual os embriões são reabsorvidos é desconhecida. Pode ser devido a anormalidades cromossômicas no ovo fertilizado ou doenças endócrinas. Saiba mais.
Por que os embriões são reabsorvidos?

Última atualização: 20 março, 2022

Dentro do útero, são realizados outros processos que ainda não foram decifrados em detalhes pela ciência. Uma delas é a reabsorção embrionária. Junte-se a nós para descobrir o que é isso.

Para começar, é fundamental destacar que a reabsorção dos embriões consiste na interrupção ou evanescência do desenvolvimento embrionário diante de uma gravidez múltipla.

Quando isso acontece, um embrião desaparece sem causa aparente, enquanto outro consegue completar seu desenvolvimento sem dificuldade até o dia do nascimento de uma gravidez múltipla.

Em algumas ocasiões, uma única gravidez pode ser uma gestação múltipla durante o primeiro trimestre, mas se ocorrer a reabsorção de um dos embriões, apenas um feto se desenvolve.

Especialistas afirmam que mais gestações do que imaginamos poderiam ter começado com vários embriões.

Se a primeira ultrassonografia foi feita após a 12ª semana de gestação, é possível que a reabsorção de um embrião tenha passado despercebida tanto pelo médico quanto pela gestante.

Aproximadamente 60% dos casos de gestações gemelares apresentam reabsorção embrionária

Ricardo Gómez Betancourt, médico porto-riquenho especializado em obstetrícia, indica que em aproximadamente 60% das gestações gemelares diagnosticadas precocemente, um dos embriões pode ser reabsorvido antes de completar 12 semanas de gestação.

Esse número coloca o foco na possibilidade de que realmente haja mais casos em que a reabsorção dos embriões ocorra, mas isso é difícil de determinar porque muitas mulheres percebem que estão grávidas apenas após completar o primeiro trimestre.

No caso de gestações gemelares dizigóticas (que são produto da fertilização de dois óvulos em que cada embrião possui saco amniótico e placenta separados), a reabsorção do embrião ocorre em pelo menos 21% dos casos.

Esses altos números nunca deixam de surpreender a comunidade médica e os pais, porque as estatísticas mostram a frequência de ocorrência desse fenômeno, também conhecido como gêmeo desaparecido.

Quem reabsorve o embrião?

Bebês gêmeos

A verdade é que o embrião pode ser absorvido pela mãe, pela placenta ou por outro embrião que tenha mais força em seu desenvolvimento e seja aquele que, de fato, acaba concretizando o nascimento.

Os cientistas afirmam que muitos de nós compartilhamos o útero com um irmão que não terminou de se desenvolver, porque foi absorvido por nossa mãe ou por nós mesmos.

Há aqueles que ousam garantir que é possível que essa absorção ocorra em meio a um ambiente hostil dentro do útero, ameaçando a gravidez, razão pela qual a natureza sacrifica um dos embriões para garantir o desenvolvimento ideal do outro.

Quando é diagnosticada uma reabsorção embrionária?

Normalmente, as mulheres realizam um exame de ultrassom quando estão grávidas de três meses, ou seja, após a 12ª semana. Isso acontece para não criar falsas expectativas quanto ao desenvolvimento de uma gravidez múltipla.

É fundamental esclarecer que a reabsorção é considerada a evanescência de um embrião antes da 10ª semana. Após essa fase em que o embrião se torna feto, se seu desenvolvimento for interrompido, então devemos falar de morte fetal.

Antes da 10ª semana fala-se de reabsorção embrionária, após a qual a morte fetal deve ser considerada.

Os ultrassons 4D permitiram verificar o que antes era uma suspeita. Graças à tecnologia, os médicos testemunharam como em muitas ocasiões o número de fetos que se desenvolvem dentro do útero não corresponde ao número de espaços gestacionais.

Em outras palavras, após a absorção, o espaço em que o embrião desaparecido estava se desenvolvendo permanece vazio e encolherá à medida que os outros fetos crescem e esse espaço é completamente absorvido pelas paredes uterinas.

Possíveis causas de reabsorção embrionária

Bebês gêmeos: reabsorção de embriões

Os cientistas acreditam que esse fenômeno pode ser causado por uma irregularidade nos cromossomos. Também pode se dever à incapacidade da placenta de fornecer tudo o que os embriões precisam para se desenvolver em fetos.

A existência de mais de um embrião pode ser entendida pelo útero e pela placenta como uma sobrecarga difícil de lidar, por isso é que talvez apenas o embrião mais forte consiga se desenvolver e passar da fase da 8ª à 12ª semana, quando já se torna um feto.

Certamente nós, mães, ficamos surpresas ao saber das estatísticas e das possíveis causas da reabsorção embrionária, e é possível que nos perguntemos insistentemente se também fomos capazes de abrigar em nosso útero um embrião que desconhecíamos.

O importante é que, se você suspeitar que está grávida, vá ao médico desde o primeiro momento, só assim poderá ter uma visão mais clara de tudo o que acontece dentro do seu útero.

This might interest you...
Minha gravidez é múltipla. E agora, o que fazer?
Sou Mamãe
Leia em Sou Mamãe
Minha gravidez é múltipla. E agora, o que fazer?

As probabilidades de uma gravidez múltipla natural são muito baixas, mas se esse é seu caso, felicidades! Aqui você saberá tudo sobre esse tipo de ...