Problemas digestivos em bebês prematuros

30 Outubro, 2020
Os bebês prematuros podem ter diferentes problemas de saúde. Vamos contar quais são os problemas digestivos mais frequentes em bebês prematuros.

Os bebês prematuros, por não estarem totalmente desenvolvidos, têm maior probabilidade de apresentar certos problemas de saúde ao nascer. Embora, graças aos avanços científicos, muitos deles não apresentem grandes riscos, esses problemas ainda estão presentes e seu diagnóstico e tratamento adequados são muito importantes. Aqui, vamos nos concentrar em quais são os problemas digestivos mais comuns em bebês prematuros.

Problemas digestivos em bebês prematuros

Problemas digestivos em bebês prematuros

Refluxo gastroesofágico

O refluxo gastroesofágico é a passagem do conteúdo do estômago para o esôfago após a ingestão de alimentos. No caso dos prematuros ou de alguns recém-nascidos, isso ocorre devido à falta de maturidade do esfíncter gastroesofágico, um músculo responsável por gerar pressão na área onde o esôfago se encontra com o estômago. Assim, faz com que, uma vez que o alimento tenha passado para o estômago, ele não possa subir novamente.

Os bebês manifestam o refluxo na forma de golfadas do leite que ingeriram. O leite pode ser expelido em forma de vômito ou pode voltar à boca e ser engolido novamente sem percebermos. Às vezes, também pode acontecer que as crianças fiquem momentaneamente sem respirar. Isso faz com que elas não recebam oxigênio e, por causa dessa ausência, seus lábios ficam um pouco azulados.

O refluxo gastroesofágico normalmente é diagnosticado a partir dos sintomas clínicos do bebê e geralmente não são necessários outros exames complementares. Se não houver complicações, o tratamento medicamentoso não será necessário. No entanto, algumas outras medidas serão tomadas.

Pode ser que o bebê precise comer e permanecer sentado por um tempo após as refeições, ou que as mamadas precisem ser feitas com mais frequência, mas em quantidades menores. Se o problema não for controlado com essas medidas, pode ser iniciado um tratamento farmacológico com medicamentos antirrefluxo.

Íleo meconial em bebês prematuros

O mecônio é o primeiro cocô do recém-nascido. É composto de muco, bile e células mortas que revestem a parede do estômago e dos intestinos do bebê. O bebê geralmente expele o mecônio nas primeiras horas de vida.

O íleo meconial, no entanto, refere-se à ausência de expulsão do mecônio após um período razoável ​​desde o nascimento do bebê. Isso ocorre porque o intestino está bloqueado por uma quantidade mais espessa desse mecônio, o que impede sua expulsão. O diagnóstico é estabelecido quando, após algumas horas, o bebê permanece sem evacuar as primeiras fezes.

O íleo meconial pode aparecer isoladamente ou ser o primeiro sintoma de patologias mais graves, como, por exemplo, a fibrose cística. É por isso que, na maioria das ocasiões, quando um bebê apresenta íleo meconial, são feitos outros exames, tais como uma radiografia de abdômen. Isso é feito para descartar outras doenças associadas ou malformações no intestino que impeçam a expulsão do mecônio.

Uma vez que o diagnóstico tenha sido estabelecido e a sua relação com outras doenças possíveis tenha sido estudada, será preciso tratar o problema. Para isso, primeiramente, a área do ânus será estimulada. Se isso não fizer com que o bebê o expulse, também é possível recorrer a enemas ou sondas bem finas que são inseridas através do ânus do bebê para tentar remover o tampão. Por fim, se isso ainda não for o suficiente, será necessário fazer uma intervenção e extrair o mecônio.

Problemas digestivos em bebês prematuros

Enterocolite necrosante

Também devido à imaturidade e à falta de desenvolvimento dos intestinos dos bebês, eles são mais suscetíveis a certos danos e infecções. A enterocolite necrosante é a inflamação das paredes do intestino do bebê e pode ocorrer devido a malformações ou uma infecção por certos microrganismos, tais como vírus e bactérias.

O que acontece com essas paredes inflamadas é que elas são muito sensíveis, podendo até mesmo sofrer perfurações ou se tornar inviáveis ​​por falta de oxigênio. Nesse caso, os sintomas são variáveis ​​e dependem da gravidade da inflamação.

Esses sintomas podem variar desde a recusa para comer até vômitos ou abdômen inchado. Em casos mais graves, podemos encontrar fezes com sangue e até mesmo efeitos sobre o estado geral do bebê, uma maior irritação ou sonolência.

O diagnóstico será feito a partir dos sintomas do bebê. Além disso, exames analíticos e de imagem, tais como as radiografias, geralmente são realizados para verificar o estado do intestino. O tratamento começará com uma dieta absoluta. Ao deixar o intestino em repouso, esperamos que ele se regenere e melhore. Em casos complicados, pode ser necessário fazer uma cirurgia no bebê para intervir no intestino.

Quanto aos problemas digestivos em bebês prematuros, você deve saber que…

Muitos tipos de problemas de saúde serão mais comuns em bebês prematuros. É por isso que, quando um bebê nasce prematuro, ele precisa permanecer sob observação e vigilância por mais tempo do que um bebê totalmente desenvolvido.

Geralmente, quando um bebê nasce prematuro, os pais são orientados quanto às situações diante das quais devem ficar mais atentos a fim de agir rapidamente para evitar complicações.

  • Nutrición enteral en un recién nacido prematuro (Primera de dos partes) [Internet]. [cited 2020 Jun 9]. Available from: https://www.medigraphic.com/cgi-bin/new/resumen.cgi?IDARTICULO=37175
  • Rellan Rodríguez S, Garcia De Ribera C, Paz M, Garcia A. El recién nacido prematuro [Internet]. [cited 2020 Jun 9]. Available from: www.aeped.es/protocolos/
  • Martin CR, Brown YF, Ehrenkranz RA, O’Shea TM, Allred EN, Belfort MB, et al. (2009). Nutritional practices and growth velocity in the first month of life in extremely premature infants. Pediatrics. 2009 Aug;124(2):649–57.
  • Montaner Ramón A, Serrano Viñuales I, Jiménez Montañés L, Ruiz de la Cuesta Martín C, Samper Villagrasa MP, Rite Gracia S. (2019). Propéptido natriurético cerebral como marcador de evolución digestiva en el recién nacido prematuro. Nutr Hosp. 2019 Apr 10;36(2):261–6.