Qual é a importância da placenta na gravidez?

15 de março de 2017

Durante o processo de gestação o médico sempre destaca as funções da placenta. Vamos explicar a importância deste órgão na gravidez.

Quando uma mulher está grávida existe uma quantidade de órgãos em nosso corpo que intervém para garantir a vida e o crescimento adequado do bebê. Um deles é a placenta.

Este órgão é o principal responsável junto com o cordão umbilical por manter a conexão direta entre a mãe e o feto. A placenta se encontra na primeira capa do útero, ou atrás e vai crescendo durante os nove meses de gestação.

Este tecido interno nasce, cresce e morre. O mesmo tem sua origem na fecundação, especificamente à partir do sexto dia. A seguir te explicamos 5 funções da placenta.

Garante a nutrição do bebê na gestaçãoplacenta-2

Graças à placenta a criança pode se alimentar de forma correta e sem interrupção.

Sua principal função é transmitir os nutrientes indispensáveis para o crescimento e desenvolvimento do pequeno durante a gravidez.

A realidade é que o contato entre a mãe e o embrião nunca é direto. A placenta trabalha como um tubo que facilita o intercâmbio. O bebê extrai do sangue materno tudo o que necessita para se desenvolver no ventre: carboidratos, oxigênio, gorduras, entre outros.

Estudos recentes assinalam que através deste canal se produz o trânsito das células-mãe, usando como meio a corrente sanguínea. Há que lembrar que essas células são regeneradoras de tecidos danificados e células mortas.

Contribui para proteger o sistema imunológico e biológico

As mulheres em estado de gestação costumam se perguntar se é possível que a criança fique doente enquanto está no corpo da mãe. A resposta a esta pergunta é não. Isto porque a placenta trabalha de forma muito similar a um filtro.

Ela se encarrega de evitar que passem os vírus, parasitas ou bactérias que pudem gerar um dano ao nosso filho. Ao mesmo tempo impede que o sistema de defesa da mãe ataque o bebê.

Este aspecto é fundamental já que sem a placenta, o organismo da mãe notaria a presença do embrião e os anticorpos atuariam contra o feto. A placenta não pode proteger o pequeno de doenças como a sífilis, a AIDS e outros agentes prejudiciais como as drogas.

A placenta como escudo protetor

placenta-1

Este tecido interno oferece maior defesa do feto. Isto é graças ao líquido amniótico que vai mudando durante a gravidez e as membranas da bolsa. Estes fatores resguardam o bebê, sobretudo de possíveis impactos externos.

Devemos destacar que se a placenta não cumpre seu papel durante a gravidez seu médico deve entrar em alerta. Esta bolsa de líquido é a que garante a vida de seu bebê. Por isso é tão importante o check-up mensal.

Além disso, este órgão é responsável por manter a temperatura adequada para o feto, assim como para manter fechado o espaço onde cresce o embrião. Por tudo isso, seguir uma dieta saudável e manter um calendário com visitas ao obstetra é algo vital.

Facilita a excreção de dejetos e promove as funções endócrinas

A placenta possui uma variedade de benefícios que garantem a vida da futura criança. De acordo com algumas pesquisas é demonstrado a tarefa de purificar e transmitir para a mãe todos os dejetos produzidos pelo embrião, para ela depois expulsa da melhor forma.

Isso se deve ao fato que os órgãos do embrião não estão 100% desenvolvidos. Por isso, esta bolsa promove a produção de hormônios que contribuem para deixar o feto livre de resíduos.

Nosso organismo precisa de ajuda para tolerar o corpo do ser vivo que está se desenvolvendo. É aqui onde este tecido interno tem um papel relevante, já que proporciona todos os elementos extras que farão falta para que a mãe e o pequeno possam subsistir da forma mais saudável.

Complementa perfeitamente a gravidez

Está provado que a melhor aliada do processo de gestação é a placenta. Além disso, ela evolui de acordo com o andamento da gravidez. Alguns pesquisadores assinalam que ao dar a luz a placenta pode chegar a medir entre 2 e 3 cm de grossura e 20 centímetros de diâmetro.

A placenta irá lhe acompanhar durante nove meses e envelhecerá lá pelas quarenta semanas, até morrer quando seu filho chega ao mundo. Sua razão de existir é manter as condições propícias para a vida. Agora você já sabe quão importante ela é durante sua gravidez.