Quando a carne esponjosa deve ser removida?

12 Abril, 2020
A carne esponjosa constitui uma defesa contra os agentes agressores, em particular os micróbios. Mas, às vezes, elas abrigam mais germes do que tecidos saudáveis e precisam ser removidas. Tome nota sobre tudo o que você precisa saber sobre esse assunto!

A carne esponjosa – nome popular das adenoides – consiste em gânglios localizados na parte superior e traseira das narinas. A sua função é defender o organismo contra infecções.

Caso seja detectado que um bebê ou criança tenha dificuldade para respirar ou engolir, mau hálito, secreções abundantes, ou durma com a boca aberta e até mesmo ronque, esses podem ser sintomas que indicam que algo não está certo com as adenoides. Para esclarecer as dúvidas, o melhor a fazer é consultar o médico.

A carne esponjosa e as infecções de ouvido

É necessário ter em mente que as crianças são mais vulneráveis ​​a infecções, pois ainda possuem um organismo imaturo. E embora a carne esponjosa deva atuar como uma barreira contra as doenças, ela nem sempre consegue detê-las quando elas ocorrem de forma sucessiva, entre outros aspectos.

Médica analisando carne esponjosa de paciente

As crianças são um alvo fácil para as doenças. O nariz e a boca estão na linha de frente quando se trata de contaminação.

Quando infectada, a carne esponjosa passa por um processo inflamatório, que pode ser agudo ou crônico, e que pode ser acompanhado de excesso de muco na área nasal, podendo, assim, impedir a respiração e também causar dor de ouvido.

Portanto, isso deve ser tratado o mais rápido possível para evitar maiores complicações, tais como otite, rinite, bronquite crônica, entre outras.

Tratamentos

O tratamento para combater a infecção consiste principalmente em antibióticos. No entanto, quando o problema persiste apesar dos medicamentos e o desconforto se torna recorrente, é necessário consultar um médico. Possivelmente, o profissional recomendará que as adenoides sejam removidas por meio de uma cirurgia.

Possível carne esponjosa em criança

A adenoidectomia, ou seja, a remoção da carne esponjosa, geralmente é feita quando a criança ou o bebê tem amigdalite de forma recorrente e pode ser praticada em qualquer fase da vida.

Cabe destacar que a idade das crianças não é um fator para que a cirurgia seja contraindicada. No entanto, quando realizada em crianças menores de 3 anos, é considerada uma cirurgia de alto risco devido à possível perda de sangue.

Após a cirurgia, o paciente respirará melhor pelo nariz, terá menos infecções de ouvido e, além disso, também terá menos dores de garganta ou então desconfortos mais leves.

  • Cervera, J., Del Castillo, F., Gómez, J. A., Gras, J. R., Pérez, B., & Villafruela, M. A. (2006). Indicaciones de Adenoidectomía y Amigdalectomía : Documento de Consenso entre la Sociedad Española de Otorrinolaringología y Patología Cervicofacial y la Asociación Española de Pediatría. Acta Otorrinolaringologica Espanola, 59–65. https://doi.org/10.1016/S0001-6519(06)78665-4
  • Macaya Martínez, A., Arruti González, I., & Quer Canut, S. (2014). Amigdalectomía y adenoidectomía. Indicaciones, técnicas y complicaciones. Libro Virtual de Formación En ORL, 1–15. https://doi.org/10.1007/978-1-4020-3166-3_19
  • Martins Carvalho, C., Clodic, C., Rogez, F., Delahaye, L., & Marianowski, R. (2013). Adenoidectomía y amigdalectomía. EMC – Cirugía General13(1), 1–14. https://doi.org/10.1016/S1634-7080(13)64179-8