Sensibilidade ao glúten não celíaca

17 Maio, 2020
Você sabia que a sensibilidade ao glúten não celíaca afeta 7 pessoas para cada pessoa com doença celíaca? Descubra tudo o que você precisa saber sobre essa patologia.
 

A sensibilidade ao glúten não celíaca é uma reação do sistema imunológico diante da ingestão do glúten. Difere da doença celíaca por haver pouco ou nenhum dano às vilosidades intestinais. No entanto, ambas envolvem sintomas digestivos e extras digestivos e afetam principalmente as mulheres.

Além disso, é uma patologia diagnosticada por exclusão, uma vez que os marcadores sanguíneos são negativos e os genes envolvidos são desconhecidos. Até agora, retira-se todos os cereais com glúten da dieta durante um período de 4 a 6 semanas.

Após esse período, ele é reintroduzido para avaliar se há um agravamento dos sintomas. Esse protocolo é realizado após a execução de um estudo exaustivo para descartar a doença celíaca e a alergia ao trigo.

E se o glúten não fosse a única causa…

De acordo com diferentes pesquisas, o mais provável é que os inibidores das enzimas amilase-tripsina e os frutanos também estejam envolvidos. Eles são encontrados no trigo e em alguns vegetais.

Portanto, dificultam a digestão, causando enfraquecimento da barreira intestinal e sendo fermentados pela microbiota, dando origem a diversos sintomas, conforme veremos a seguir.

Sensibilidade ao glúten não celíaca
 

Como se manifesta?

Geralmente, afeta o sistema digestivo, causando náusea, vômito, gases, dor e inchaço abdominal, refluxo, diarreia ou constipação. Também se destacam:

  • Perda de peso.
  • Má absorção dos nutrientes, levando ao aparecimento de anemia e esteatorreia (presença de gordura nas fezes).
  • Cansaço.
  • Dor de cabeça.
  • Eczema na pele e coceira.
  • Dor nas articulações.
  • Alterações menstruais e de humor.
  • Déficit no crescimento.

Apesar de se manifestar apenas mediante a ingestão do glúten, a inflamação é generalizada, pois são secretados todos os tipos de substâncias que estimulam a liberação de histamina pelos tecidos.

Tratamento dietético da sensibilidade ao glúten não celíaca

Tanto na doença celíaca quanto na sensibilidade, o único tratamento eficaz é manter uma dieta sem glúten por toda a vida. Ou seja, evitar todos os cereais, tais como trigo, centeio, cevada, kamut, bulgur e triticale.

Até mesmo a aveia deve ser excluída, apesar de não conter glúten, mas sim avenina, de estrutura semelhante, à qual apenas 3% das pessoas reagem negativamente. No entanto, quando os campos estão localizados perto dos campos de trigo ou quando a mesma fábrica usa glúten, pode haver contaminação.

Sensibilidade ao glúten não celíaca
 

Lembre-se de que o glúten é uma proteína amplamente utilizada como aditivo cuja função é aglomerar e conferir elasticidade e maciez. Assim, molhos, chocolates, frios, salsichas, hambúrgueres ou geleias podem contê-lo.

E, embora alguns considerem que podem tolerar uma certa quantidade, ainda é cedo para fazer essa afirmação tendo em vista a falta de estudos a respeito. Também é recomendável evitar o consumo de:

  • Alho, cebola e alho-poró. Lembre-se de que você pode usá-los para dar sabor e removê-los depois.
  • Aspargos e alcachofras.
  • Cogumelos.
  • Repolho, couve-flor e todas as crucíferas (brócolis, couve de Bruxelas, etc.).
  • Chicória.
  • Ervilhas e abacate.

Em conclusão, a sensibilidade ao glúten não celíaca aumentou nos últimos anos, por isso é necessário ir ao gastroenterologista em caso de desconforto a longo prazo (pelo menos 2 a 3 meses) para descartar a alergia e a doença celíaca. Dessa forma, você poderá começar a excluir os alimentos que causam problemas e se sentir muito melhor.

 
  • Ministerio de sanidad, servicios sociales e igualdad. (2018) Protocolo para el diagnóstico precoz de la enfermedad celiaca.
  • Catassi, C; Bai, J; Bonaz B; Bouma, G; Calabrò, A; Carroccio, A et al. (2013). Non-Celiac Gluten Sensitivity: The New Frontier of Gluten Related Disorders. Nutrients, 5:3839-53
  • Catassi, C; Elli, L; Bonaz B; Bouma, G; Carroccio, A; Castillejo, G et al. (2015). Diagnosis of Non-Celiac Gluten Sensitivity (NCGS): The Salerno Experts’ Criteria. Nutrients, 7: 4966-77.
  • Reig-Otero, Y; Mañes, J; Manyes, L (2017) Amylase–Trypsin Inhibitors in Wheat and Other Cereals as Potential Activators of the Effects of Nonceliac Gluten Sensitivity. J Med Food, 1-8.
  • Skodje,G;  Sarna, V; Minelle, I;  Rolfsen, K; Muir, J; Gibson, P et al (2018). Fructan, Rather Than Gluten, Induces Symptoms in Patients With Self-Reported Non-Celiac Gluten Sensitivity. Gastroenterology, 154:529-39.