Tabagismo passivo, um risco para as crianças

O tabagismo passivo é um problema diário que afeta a saúde de milhões de crianças e bebês em todo o mundo. Descubra por que você deve evitá-lo.
Tabagismo passivo, um risco para as crianças

Última atualização: 21 março, 2022

São bem conhecidos os efeitos nocivos do cigarro à saúde, que vão além dos malefícios para quem o consome. Quando alguém fuma em casa, o tabagismo passivo se espalha para toda a família e é especialmente prejudicial para as crianças.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) estima que cerca de 8 milhões de pessoas morrem anualmente por doenças relacionadas ao tabaco, das quais 1,2 milhão de mortes são decorrentes do tabagismo passivo.

Quanto aos pequenos, mais de 60 mil crianças menores de 5 anos morrem de infecções do trato respiratório inferior causadas pelo tabagismo passivo, além de outras doenças decorrentes da exposição constante a essas substâncias nocivas.

O que é conhecido como tabagismo passivo?

O tabagismo passivo é a inalação de substâncias tóxicas emitidas pela boca de um fumante e daquelas produzidas pela combustão da ponta do cigarro.

Essa fumaça ambiental propagado por um fumante é muito nociva, quase tão perigosa quanto a fumaça inalada pelo fumante, causando problemas de saúde nas pessoas que a inalam, principalmente em crianças.

Isso ocorre porque as toxinas nocivas dessa fumaça são transmitidas diretamente ou permanecem no ambiente onde as pessoas fumaram anteriormente, como as paredes da casa, os móveis, os estofados de carros e até na pele ou no cabelo de pessoas que ficam no mesmo ambiente de quem fuma.

O que o tabagismo passivo faz em crianças?

O principal fator predisponente para que o tabagismo passivo seja prejudicial em crianças é a imaturidade de seus tecidos e seu desenvolvimento funcional deficiente, o que faz com que sejam ainda mais afetadas pela ação das substâncias presentes na fumaça do cigarro.

A fumaça exalada por um fumante contém mais de 4 mil poluentes tóxicos, como alcatrão, gases tóxicos, metais pesados e muitas substâncias irritantes, que podem estar presentes em fases sólidas (macromoléculas ou partículas) e na forma gasosa. Do total dessas substâncias, pelo menos 250 são prejudiciais à saúde e mais de 50 são cancerígenas.

Isso obviamente se torna uma complicação para a saúde da criança, ainda mais quando a exposição à fumaça do tabaco ocorre desde os primeiros meses de vida. Vamos ver as consequências do tabagismo passivo em crianças.

Síndrome de morte súbita infantil

A síndrome da morte súbita infantil é a principal causa de morte infantil entre um mês e um ano de idade. Uma das muitas razões que podem desencadeá-la é o tabagismo passivo.

Produtos químicos tóxicos, como nicotina e cotinina, podem afetar o cérebro e os pulmões subdesenvolvidos de um bebê, alterando seu processo de respiração.

No entanto, durante a gravidez, as consequências do tabagismo passivo no feto podem ser bastante graves. Aborto espontâneo, parto prematuro, baixo peso ao nascer, alterações na função pulmonar do bebê são exemplos dessa exposição. Isso é ainda mais grave quando é a mãe que fuma, pois pelo menos mil óbitos infantis por ano ocorrem por essa causa.

Doenças pulmonares

As crianças que inalam passivamente a fumaça do tabaco geralmente sofrem de sintomas respiratórios, como alergias, coriza, dor de garganta, tosse e chiado no peito. Da mesma forma, elas são mais propensas a desenvolver infecções respiratórias recorrentes, como bronquiolite, bronquite e pneumonia.

Outra patologia comum nessas crianças é o aumento do risco de ataques de asma frequentes e graves.

Doenças no ouvido

O tabagismo passivo em crianças aumenta o risco de desenvolver infecções de ouvido frequentes devido a danos na trompa de Eustáquio, um tubo que conecta o ouvido à faringe. Essas infecções, por sua vez, podem trazer outras consequências no futuro, como a perda auditiva.

Transtorno de déficit de atenção e hiperatividade

A inalação passiva da fumaça do tabaco desde a gravidez ou nos primeiros anos de vida aumenta o risco de a criança sofrer de déficit de atenção, hiperatividade, problemas de aprendizagem e outros distúrbios neurológicos.

Hipertensão arterial

Uma pesquisa publicada na revista Circulation, da American Heart Association, realizou um estudo com um total de 4.236 crianças pré-escolares e avaliou sua pressão sistólica comparando crianças com pais fumantes e não fumantes, além de outros fatores de saúde.

Esse estudo concluiu que filhos de pais fumantes têm 21% mais chances de apresentar pressão arterial sistólica elevada (15% acima do normal), mesmo após relacionar outros fatores predisponentes como peso ao nascer, índice de massa corporal, doenças cardíacas e hipertensão nos pais.

No entanto, há também um risco aumentado de que crianças expostas a essa fumaça desenvolvam cardiopatia isquêmica, devido a danos no endotélio dos vasos sanguíneos.

Efeito do tabagismo passivo a longo prazo em crianças

As crianças que foram expostas ao tabagismo passivo desde cedo até a adolescência têm maior risco de sofrer destes distúrbios de saúde no futuro:

  • Ataques graves de asma.
  • Cárie dentária.
  • Desenvolvimento deficiente dos pulmões com diminuição da capacidade pulmonar.
  • Desenvolver câncer de pulmão e outros tipos de câncer: quando uma criança é exposta à fumaça do cigarro, o risco de desenvolver câncer de pulmão é 20% maior em mulheres e 35% em homens, em comparação com pessoas que não foram expostas a essa fumaça desde a infância.
  • Doença cardíaca: as pessoas que foram expostas à fumaça do tabaco por longos períodos de tempo têm um risco 25% a 35% maior de sofrer um infarto do miocárdio devido a doenças coronarianas.
  • Distúrbios oculares, como catarata.
  • Crianças expostas à fumaça do tabaco têm mais dias de faltas à escola e menor desempenho físico.

Da mesma forma, estima-se que filhos de pais fumantes tenham duas vezes mais chances de também se tornarem fumantes no futuro, como resultado da estimulação da nicotina no cérebro, aumentando assim o risco de sofrer dessas patologias.

Como evitar o tabagismo passivo?

90% da exposição das crianças à fumaça do tabaco é de pais fumantes e parentes próximos que fumam. É por isso que as seguintes precauções devem ser levadas em consideração para evitar que essa condição afete a vida da criança no futuro:

  • Evite fumar dentro de casa ou perto da janela, da mesma forma proíba outras pessoas de fumar dentro de casa. Se for fumar, fume ao ar livre, longe de crianças e gestantes. Se possível, pare de fumar.
  • Não fume dentro do carro. Exalar fumaça pela janela do carro não reduz a exposição à fumaça dentro do carro.
  • Se alguém começar a fumar perto do seu filho, peça para parar.
  • Ensine seus filhos a evitar o tabagismo passivo.
  • Impedir as crianças de irem a locais públicos onde é permitido fumar, mesmo que não haja fumantes no momento, pois os produtos químicos permanecem no ambiente.

Embora o tabagismo passivo seja arriscado para todos, são os bebês e as crianças que sofrem as maiores consequências para a saúde dessa exposição. Um ambiente totalmente livre de fumaça é a única coisa que os protege desses riscos.

This might interest you...
5 dicas para prevenir o tabagismo entre os jovens
Sou Mamãe
Leia em Sou Mamãe
5 dicas para prevenir o tabagismo entre os jovens

Apesar das fortes e reiteradas campanhas que se realizam, prevenir o tabagismo entre os jovens continua sendo um dos maiores desafios da sociedade ...