Tenho autismo, mas posso aprender

14 Julho, 2020
O autismo é uma condição que afeta a interação social e a flexibilidade psicológica das crianças. No entanto, com cuidados precoces e adaptados, esses pequenos podem aprender e se desenvolver plenamente.
 

Todo dia 2 de abril, é comemorado o Dia Mundial da Conscientização do Autismo, a fim de tornar essa condição visível e lutar pelos direitos daqueles que sofrem com ela. Em 2020, sob o lema “Posso aprender, posso trabalhar”, o objetivo foi buscar um melhor acesso dessas pessoas a uma educação de qualidade e empregos dignos, pois o estigma ainda continua a limitar seu desenvolvimento. Por isso, sejamos a voz de todos esses pequenos: “Tenho autismo, mas posso aprender”.

Muitas vezes, devido à falta de conhecimento, temos uma ideia equivocada desse distúrbio. Os testes de inteligência que geralmente são utilizados não conseguem apreender totalmente as habilidades latentes dessas pessoas.

Além disso, devemos considerar que essa condição é muito heterogênea, ou seja, não é possível generalizar. No entanto, todas as crianças com autismo têm virtudes e habilidades, e sem dúvida, podem aprender.

O Transtorno do Espectro Autista

O autismo é uma condição neurológica e de desenvolvimento que começa a se manifestar na infância e acompanha a pessoa durante toda a vida. Afeta principalmente a interação social e a flexibilidade de pensamento e comportamento.

No entanto, existe uma enorme variabilidade entre as pessoas que apresentam essa condição. É por isso que se adota o termo ‘Transtorno do Espectro Autista’, pois sugere um contínuo em vez de uma categoria.

Tenho autismo, mas posso aprender
 

Em maior ou menor grau, as principais características do autismo são conhecidas por todos:

  • Desinteresse pelas interações sociais e dificuldade para iniciá-las e mantê-las. Pouco contato visual e problemas para perceber e compreender os estados mentais dos outros.
  • Comportamentos repetitivos, interesses restritos e rigidez excessivabem como apego às rotinas.
  • Problemas de integração sensorial, sofrendo com a exposição a ruídos altos, luzes brilhantes ou multidões.

Por causa de todos esses fatores, as crianças com autismo têm grandes problemas de integração nas salas de aula e na sociedade. Pode parecer que elas não são capazes de aprender apenas porque não aprendem da mesma maneira que os outros, mas essas crianças têm grandes virtudes:

  • Elas prestam muita atenção aos detalhes e utilizam um pensamento muito lógico.
  • Geralmente, mostram grande interesse por uma área específica, que estudam profundamente e sobre a qual acumulam grande conhecimento, tornando-se muito capacitados nela.
  • Têm um pensamento independente que lhes permite contribuir com perspectivas diferentes e inovadoras.
  • Experimentam dificuldades para processar informações verbais ou auditivas, mas apresentam um bom funcionamento com o processamento visual (a partir de imagens ou vídeos).

Tenho autismo, mas posso aprender

As crianças com autismo são capazes de aprender, se divertir e levar uma vida digna e plena. Para isso, é essencial estabelecer o diagnóstico o mais rápido possívelIsso nos permitirá dar à criança acesso a cuidados precoces de qualidade.

Os pequenos que estão envolvidos com esse trabalho desde cedo conseguem experimentar grandes avanços. As intervenções geralmente têm como objetivo melhorar suas capacidades e habilidades sociais, bem como facilitar sua adaptação ao ambiente escolar.

 

Para isso, é necessário fazer uma avaliação individualizada a fim de conhecer os pontos fortes da criança.

Tenho autismo, mas posso aprender

Intervenção

Se a criança lidar melhor com o processamento visual, será muito benéfico acompanhar as instruções com imagens.

Da mesma forma, se ela mostrar um claro interesse pela leitura, isso pode servir como ponto de partida para estabelecer um vínculo de confiança e para promover uma aproximação com seus colegas de classe por meio de uma atividade de que ela goste e na qual se saia bem.

Devemos proporcionar um ambiente no qual elas se sintam confortáveis, que seja adequado às suas prioridades e necessidades. É importante que não sejam grupos muito grandes para que possam receber atenção suficiente dos professores. Além disso, é necessário oferecer desafios que estejam de acordo com suas habilidades.

Se exigirmos um desempenho padrão, elas podem se sentir sobrecarregadas e frustradas, mas, se fornecermos suporte excessivo, podemos limitar o desenvolvimento de sua autonomia. Assim, a ideia é encontrar um equilíbrio.

A empatia, o reforço positivo, a perseverança e a intervenção precoce vão favorecer bastante o aprendizado desses pequenos. As famílias e os profissionais da saúde e da educação devem unir forças para oferecer a essas crianças acesso a uma educação diversificada e adaptada que lhes permita desenvolver todo seu potencial.

 
  • Dawson, M., Soulières, I., Ann Gernsbacher, M., & Mottron, L. (2007). The level and nature of autistic intelligence. Psychological science18(8), 657-662.
  • Millá, M. G., & Mulas, F. (2009). Atención temprana y programas de intervención específica en el trastorno del espectro autista. Rev neurol48(Supl 2), S47-52.