Transtornos alimentares na gravidez e amamentação

A gravidez e a amamentação são períodos especialmente vulneráveis em que os distúrbios alimentares podem ser desencadeados. Descubra por que isso acontece e em quais sintomas você deve prestar atenção.
Transtornos alimentares na gravidez e amamentação

Última atualização: 25 junho, 2022

Peso, imagem corporal e nutrição tornam-se questões altamente relevantes para as mulheres durante o período de gravidez e amamentação. Não só porque o seu próprio bem-estar e o do seu bebê dependem delas, mas também pelo impacto na imagem, na estética e no julgamento social. As mudanças físicas e emocionais que ocorrem durante a gravidez e o pós-parto são tão drásticas e intensas que não surpreende a alta frequência de aparecimento de transtornos alimentares nessas fases.

Muitas futuras mães enfrentam as consultas ginecológicas com medo porque ganharam muito peso. Outras sofrem ao se olhar no espelho e contemplar a nova forma de seu corpo depois de ter abrigado uma vida. Não é fácil processar essas transformações, muito menos se somadas às incertezas e responsabilidades que a estreia da maternidade acarreta.

Portanto, é possível que o manejo emocional inadequado, somado a uma certa vulnerabilidade pessoal, acabe desencadeando um transtorno alimentar (TA). Se deseja conhecer os sinais de alerta, as possíveis consequências e as formas de agir, convidamos você a continuar lendo.

Transtornos alimentares na gravidez e amamentação: uma realidade muito presente

Existem certas condições mentais associadas à maternidade das quais estamos muito conscientes, como a depressão pós-parto. No entanto, não temos tanta consciência da alta frequência de aparecimento de outros tipos de distúrbios. Apesar disso, os dados epidemiológicos são reveladores.

Estima-se que mais de 5% das gestantes e cerca de 12% das puérperas sofram de algum transtorno do comportamento alimentar. Além disso, se já houver histórico de transtornos alimentares, é muito provável que ocorra uma recaída durante esses períodos.

Apesar de conhecer esses números, nem sempre é fácil detectar que você está passando por um transtorno alimentar. Em primeiro lugar, porque as preocupações com o peso e a imagem corporal, e até mesmo a adoção de dietas e rotinas de exercícios intensos, são muito normalizadas socialmente. Assim, nos parece natural que uma gestante ou uma mãe que está amamentando se sinta insatisfeita com seu corpo e tente retornar aos padrões de beleza estabelecidos o quanto antes.

Em segundo lugar, os transtornos do comportamento alimentar são diversos e de expressão variável. Nem todos têm os mesmos sintomas e manifestações. E se não os conhecermos, poderemos ignorar certos pensamentos e comportamentos arriscados.

Mulher cobrindo o rosto segurando fita métrica.
A obsessão por perder peso rapidamente ou as mudanças de humor causadas pelos quilos a mais devem nos alertar para a possibilidade de a puérpera estar passando por um transtorno alimentar.

Principais TAs na gravidez e puerpério

A seguir, mostramos os transtornos alimentares que ocorrem com mais frequência em gestantes e puérperas. Conhecê-los ajudará você a identificar seus sintomas rapidamente.

  • Anorexia nervosa: nesse transtorno há uma grande preocupação com a imagem e uma forte associação entre aparência e valor pessoal. Pela mesma razão, surge um grande medo de ganhar peso, que leva a pessoa a restringir sua ingestão alimentar e calórica e ficar abaixo do peso recomendado.
  • Bulimia: nesse caso, a imagem também está fortemente associada à autoestima. No entanto, o padrão típico inclui compulsão alimentar, seguida de comportamentos purgativos. Estes últimos são feitos para prevenir o ganho de peso e podem incluir o uso de laxantes, exercícios excessivos ou vômitos autoinduzidos.
  • Transtorno da compulsão alimentar: um transtorno da compulsão alimentar é uma ingestão excessiva de alimentos que ocorre em um curto período de tempo. A pessoa come sem estar com fome e não consegue parar até que esteja desconfortavelmente cheia. Geralmente, são escolhidos alimentos gordurosos e pouco nutritivos e é comum que essa ingestão ocorra sozinha e às escondidas, devido à vergonha gerada por não conseguir controlar os impulsos. Ao contrário dos casos anteriores, aqui não são realizadas condutas purgativas ou compensatórias para manter o peso.
  • Alotriofagia: é um distúrbio que gera um desejo irresistível de ingerir substâncias sem valor nutricional, como areia, giz, sabão, cabelo ou gelo. Apesar de saber o quão inútil e até prejudicial é o consumo desses elementos, a mulher não consegue evitá-lo.

Por que os distúrbios alimentares ocorrem na gravidez e amamentação?

Os transtornos alimentares não são transtornos exclusivos da gravidez e do puerpério, longe disso. No entanto, esses períodos têm certas características que contribuem para aumentar o risco de seu aparecimento. Entre eles, o ganho de peso, a mudança da figura e da forma corporal, a ansiedade e a incerteza em relação ao parto e à maternidade, a mudança de papéis e prioridades que o processo de se tornar mãe implica.

Em suma, fatores físicos, emocionais e sociais se unem e transformam a gravidez e a amamentação em fases particularmente vulneráveis da vida. Portanto, é fundamental que as mulheres recebam o apoio e o acompanhamento que necessitam, tanto do seu ambiente quanto dos profissionais de saúde.

Sofrer de qualquer um dos distúrbios alimentares durante a gravidez e a amamentação coloca em risco o bem-estar da mãe e do bebê. Podem ocorrer abortos espontâneos, cesarianas não planejadas e complicações durante o parto. Além disso, é possível sofrer de diabetes gestacional e afetar o desenvolvimento correto do feto. Finalmente, há também um risco aumentado de depressão pós-parto e dificuldades de vínculo com o bebê.

Conceito de transtorno alimentar e transtorno da imagem corporal.
A distorção da imagem corporal é um dos principais aspectos dos transtornos alimentares. Portanto, as alterações gestacionais e pós-parto predispõem ao aparecimento de certas dificuldades.

Se você tem esses sintomas, peça ajuda!

Por tudo isso, se você sentir que a preocupação com a sua imagem é excessiva, se tiver comportamentos restritivos ou purgativos ou se tiver padrões alimentares pouco comuns, não hesite em procurar ajuda. Um psicólogo perinatal pode acompanhar e orientar você para garantir o seu bem-estar e o do seu bebê.

Pode interessar a você...
Transtornos alimentares em adolescentes: consequências na saúde
Sou Mamãe
Leia em Sou Mamãe
Transtornos alimentares em adolescentes: consequências na saúde

Os transtornos alimentares em adolescentes têm aumentado dia após dia, o que tem contribuído para torná-lo um problema grave.



  • Makino, M., Yasushi, M., & Tsutsui, S. (2020). The risk of eating disorder relapse during pregnancy and after delivery and postpartum depression among women recovered from eating disorders. BMC pregnancy and childbirth20(1), 1-7
  • Pettersson, C. B., Zandian, M., & Clinton, D. (2016). Eating disorder symptoms pre-and postpartum. Archives of women’s mental health19(4), 675-680.
  • The National Eating Disorders Collaboration. (2015). Pregnancy and Eating Disorders: A Professional’s Guide to Assessment and Referral. https://nedc.com.au/assets/NEDC-Resources/NEDC-Resource-Pregnancy.pdf