Tratamento do lábio leporino

Saiba como o lábio leporino é resolvido em bebês, para melhor ajudar seu filho a lidar com esse problema.
Tratamento do lábio leporino

Última atualização: 02 Novembro, 2021

Você provavelmente já ouviu falar em lábio leporino, mas hoje queremos contar como esse caso é tratado. Embora seja uma condição de saúde inevitável, há muitas maneiras de ajudar os bebês que nascem com ele.

A fissura labiopalatina não é um problema puramente estético. Também interfere na alimentação, na linguagem e na dentição do bebê. Além disso, o deixa predisposto a alguns problemas de ouvido.

Cuidar da situação em tempo hábil faz a diferença na qualidade de vida da criança e de sua família. Continue lendo este artigo e descubra como proceder nesses casos.

O que é o lábio leporino?

O lábio leporino e o palato fendido são duas malformações craniofaciais congênitas. Ou seja, ocorrem no útero materno, quando os ossos e as partes moles do nariz e da boca do bebê se fundem para formar o palato e o lábio superior. Se eles falharem em se juntar completamente, surge uma fenda no lábio, no palato ou em ambos.

Esse defeito pode se manifestar de várias maneiras, dependendo dos tecidos afetados:

  • Uma pequena fenda no lábio.
  • Uma fenda mais ampla, estendendo-se do lábio ao nariz.
  • Uma fenda no palato, anterior (palato duro), posterior (palato mole) ou completa, em um ou ambos os lados.

A causa específica que gera esse problema é desconhecida, embora vários fatores associados tenham sido identificados. Por exemplo, o consumo de certas drogas e fármacos pelos pais, a exposição a toxinas, o contato com alguns vírus e, claro, a predisposição genética.

Bebê com lábio leporino.

Como o lábio leporino é tratado?

O diagnóstico de fissura labiopalatina é feito no momento do nascimento do bebê, por meio do exame físico da boca, do nariz e do palato.

Graças aos avanços tecnológicos da ultrassonografia obstétrica, o diagnóstico pré-natal é frequentemente realizado. Isso significa uma grande vantagem para a criança, pois permite planejar com antecedência a abordagem do seu problema.

Um aspecto importante dessa condição é que ela requer cuidados interdisciplinares, pois envolve vários aspectos e funções do corpo da criança. Por isso, a experiência das diferentes disciplinas é necessária para lhe garantir o melhor prognóstico de saúde.

Em geral, a equipe terapêutica é composta por pediatras, cirurgiões bucomaxilofaciais, otorrinolaringologistas, odontopediatras, fonoaudiólogos e psicólogos. Em alguns casos, a intervenção de geneticistas e assistentes sociais também pode ser necessária.

O tratamento do lábio leporino pode ser dividido em duas etapas principais. A primeira é caracterizada pelas intervenções cirúrgicas necessárias para o fechamento das fissuras. A segunda inclui o resto dos tratamentos e terapias de reabilitação das diferentes funções da criança.

Tratamento cirúrgico

O objetivo da cirurgia é o fechamento das fissuras e, em geral, é realizada em várias etapas ou momentos cirúrgicos:

  1. A primeira operação consiste na resolução da fenda labial e é chamada de queiloplastia. Geralmente é realizada antes do primeiro aniversário e requer anestesia geral na sala de cirurgia. O fechamento do lábio leporino melhora o formato do lábio superior e do nariz e geralmente deixa uma pequena cicatriz.
  2. Se a criança também tiver palato fendido, uma segunda cirurgia chamada palatoplastia é realizada. Ela é feita entre os 12 e 18 meses de idade, antes que o pequeno comece a falar. Nesse procedimento, o defeito do palato é fechado para evitar que o alimento vá para o nariz.
  3. Em alguns casos, novas intervenções de retoque dos tecidos são necessárias, seja para melhorar certas funções ou a aparência do paciente.

Outros tratamentos

Embora o tratamento cirúrgico seja fundamental para a correção do defeito, não é suficiente para restaurar as funções normais da boca da criança. Por isso, é importante complementá-lo com a abordagem de outras disciplinas especializadas no assunto. Aqui estão algumas delas:

  • Fonoaudiologia: devido ao defeito no palato e no lábio, alguns pacientes têm dificuldade para falar. Tratamentos e exercícios fonoaudiológicos serão necessários para resolver essas complicações.
  • Testes auditivos: as infecções de ouvido são muito comuns em crianças com fissura palatina e, portanto, é necessário fazer consultas regulares com o fonoaudiólogo ou otorrinolaringologista.
  • Psicologia: assumir e aceitar esse tipo de malformação visível pode ser difícil, tanto para a criança quanto para sua família. O apoio psicológico pode fornecer ferramentas úteis para lidar com essa condição.
seqüência de correção de tempos cirúrgicos cirurgia de reparo corretivo fenda lábio fenda palato bebê

Os benefícios virão com o tempo

Uma abordagem precoce com uma equipe de profissionais experientes é fundamental para proporcionar as melhores condições de saúde para essas crianças. A maioria delas responde com sucesso aos tratamentos, embora estes exijam tempo, intervenções e paciência.

Vale a pena ser consistente! Porque depois de alguns anos, o lábio leporino será apenas mais uma história da infância do nosso filho.

Pode interessar a você...
Duas celebridades com lábio leporino
Sou Mamãe
Leia em Sou Mamãe
Duas celebridades com lábio leporino

Neste artigo, vamos falar sobre algumas celebridades com lábio leporino, uma das malformações congênitas mais frequentes. Veja mais aqui!



  • Plasencia-Dueñas, E. A., Díaz-Vélez, C. & Dueñas-Roque, M. M. (2020). Factores asociados a la presencia de fisura labiopalatina en recién nacidos en un hospital peruano de tercer nivel de atención. Un estudio de casos y controles. Acta Médica Peruana, 37(3), 304-311.
  • Leiva, N., Stange, C., Ayala, F. & Fuentes, V. (2018). Clasificación anatómica: una propuesta para categorizar las fisuras labiopalatinas. Odontología sanmarquina, 22(3), 245-249.
  • Cabello Gómez, E. (2021). Alimentación en los niños con fisura labiopalatina. Estudio de 31 casos.
  • Gamarra Esteban, P. (2021). Protocolo del paciente con fisura labio-palatina congénita.
  • Mogrovejo, E. (2017). La importancia de las placas palatinas en recién nacidos con labio y paladar hendido. Revista científica digital INSPILIP Código ISSN, 2588, 0551.
  • Villagra, N. L., Layera, L. S. & Parada, R. P. (2017). Tratamiento odontológico multidisciplinario de un paciente complejo con fisura labiopalatina bilateral. Odontología sanmarquina, 20(2), 95-100.
  • Worley, M. L., Patel, K. G. & Kilpatrick, L. A. (2018). Cleft lip and palate. Clinics in perinatology, 45(4), 661-678.
  • Gatti, G. L., Freda, N., Giacomina, A., Montemagni, M. & Sisti, A. (2017). Cleft lip and palate repair. Journal of craniofacial surgery, 28(8), 1918-1924.
  • Dogan, E., Dogan, E. I. & Dogan, S. (2019). Interdisciplinary treatment approaches for cleft lip and palate patients to obtain esthetic and functional results. Journal of Dentistry and Oral Hygiene, 11(1), 1-5.