Este vídeo mostra que o amor fortalece os bebês prematuros

2 de janeiro de 2017

Ver Lyndsey, a mãe de Ward Miles Miller, abraçar seu bebê cheio de fios e conexões me estremeceu. Os primeiros minutos do vídeo que revolucionaram as redes pareciam dolorosos e bonitos ao mesmo tempo. Para poder abraçar seu filho que nasceu 15 semanas antes do esperado com a ajuda de pelo menos duas enfermeiras que seguravam parte dos tubos e fios que conectavam o minúsculo corpo do recém-nascido a dispositivos que o mantinham com vida.

O rosto de Lyndsey parece preocupado no início, mas transmite amor, ternura; e até mesmo sem saber como agir, pois se trata de algo muito mais que apenas uma expressão. Em uma cena, quando ela vai para casa diz que está pensando em seu filho… que está sempre pensando nele.

Ela o ama e nunca perde a fé em Deus e nunca deixa de acreditar que o bebê irá se salvar, contra todo o prognóstico e as adversidades. E ele o faz. “Ele é um lutador”, diz ela em algum momento.

O vídeo que se chama “o primeiro ano de Ward Miles Miller” e foi gravado por seu pai, Benjamin Scot, fotógrafo profissional, é uma história de amor que resume 107 dias de hospitalização em seis minutos.

Um vídeo de amor

“O vídeo resume o primeiro ano de meu filho. Ele nasceu muito cedo e teve que superar muitos e grandes obstáculos, mas não maiores do que o nosso Deus. Esta é uma história de amor de uma mãe por seu filho”, escreveu Benjamin.

É bonito e mostra o amor incondicional de uma mãe que nunca perde a fé, que fala todos os dias com seu bebê e mostra a sua ternura, embora ela saiba que ele está enfrentando situações difíceis sendo tão pequeno.

As possibilidades de Ward Miles Miller sobreviver eram pequenas, e também é para muitos bebês prematuros no mundo, mas eles também têm o cuidado de muitas mães que nunca param de acreditar neles.

Em uma das fotografias que Benjamin Scot postou em seu Instagram ele diz algo como: Hoje é um grande dia para ele, pois lhe colocaram uma linha de PICC que se estende desde uma veia do braço ou da perna até todo o caminho para o seu coração. É um procedimento delicado, mas será um grande passo para ele. Por favor, continuem orando por meu novo melhor amigo.

As imagens também mostram a luta constante que o bebê prematuro teve em uma incubadora. “Eu quero agradecer aos médicos, enfermeiras e funcionários de todo o mundo cuja missão é fazer com que os bebês melhorem. É graças a vocês que meu filho sempre teve a chance de ir para casa!”, Disse Benjamin.

Testemunho viral do pai de Ward Miles Miller

“O primeiro ano de Ward Miller” é um vídeo viral, mas não é o único relato de uma bonita luta, sei que existem centenas de mães em todo o mundo que têm histórias incríveis para contar.

No ano passado, entrevistei a senhora Elba Herrera de Encinas. Ela é a mãe de Jorge Andrés Encinas, que nasceu com cinco meses de gestação, pesando 500 gramas e os médicos que trataram dele não acreditavam que iria sobreviver. Mas ele sobreviveu.

As enfermeiras me diziam: “Esse não vai ao baile.” Esta expressão indica que elas acreditavam que o bebê não sobreviveria. Elba nunca se importou com isso. Tanto Ward como George nasceram mais cedo do que deveriam, seus órgãos não estavam prontos, mas além dos avanços tecnológicos, ambas as mães se dedicaram em dar amor aos seus filhos.

Ambas falaram com eles enquanto ainda estavam na incubadora, e a fé delas jamais diminuiu apesar das previsões serem desanimadoras, e ambas estão convencidas de que o seu amor e ajuda de Deus salvou seus filhos.

Após 14 paradas respiratórias, meses de internação na Unidade de Terapia Intensiva do Hospital Infantil, intervenções cirúrgicas, transferências de urgência por parada cardíaca… noites sem dormir, sacrifícios financeiros de seus pais e anos de terapia, Jorge Andrés não apenas sobreviveu: está com seus 9 anos de idade e é uma criança saudável e talentosa, conta a senhora Elba Herrera.

A dela foi uma gravidez múltipla em que aos cinco meses os bebês se desintegraram por problemas de pressão arterial, teve tensão crônica e pré-eclâmpsia, então eles fizeram um aborto terapêutico, foi salvo um bebê de meio quilo que pesava 500 gramas e, depois, 400 gramas.

“Tudo o que aconteceu com Jorge deveria ser bom para alguma coisa. Começamos a trabalhar nisso, e a espalhar o nosso testemunho, porque isso é uma obra de Deus; o trabalho feito pelos pais, parentes, professores e outras pessoas que estão ao redor do prematuro é valioso“, diz Herrera, que também viu o vídeo de Ward Miles.