Acantose pigmentar em crianças: características, causas e tratamento

A acantose pigmentar é a manifestação cutânea de diversas doenças que talvez ainda não tenham sido diagnosticadas. Neste artigo, vamos falar mais sobre esse sintoma.
Acantose pigmentar em crianças: características, causas e tratamento

Última atualização: 25 Julho, 2021

A acantose pigmentar em crianças é um sinal cutâneo de uma patologia subjacente, não é uma doença em si. Apesar de sua aparência, não é uma lesão perigosa ou contagiosa.

Não é uma manifestação muito frequente, mas, quando surge, o diagnóstico da causa que a gera costuma ser difícil. Atualmente, há um aumento dos casos de acantose pigmentar em crianças devido à alta prevalência de diabetes e obesidade nessa faixa etária.

O que é a acantose pigmentar?

A acantose pigmentar é um sinal cutâneo relacionado a alterações hormonais produzidas em certas doenças como obesidade, hipotireoidismo, acromegalia, doença ovariana policística, doenças de Cushing e Addison ou diabetes resistente à insulina.

Existem diferentes variedades de acantose pigmentar em crianças e incluem:

  • Acantose nigricans benigna
  • Associada à obesidade
  • Sindrômica
  • Maligna
  • Acral
  • Induzida por medicamentos
  • Unilateral
  • Mista

Como a acantose pigmentar se manifesta?

A acantose pigmentar geralmente se desenvolve em dobras cutâneas, como a axila, a nuca e a virilha. Seu aspecto é o de uma placa escura (hiperpigmentada), aveludada e com bordas pouco definidas. Em crianças, o pescoço é a localização mais frequente (99%), seguido pelas axilas (73%).

 

A acantose pigmentar no pescoço

As origens dessas áreas hiperpigmentadas são espessamento da pele, coceira e máculas aveludadas que evoluem para placas fáceis de palpar.

É incomum que surjam acompanhadas de sintomas, embora em raras ocasiões possa aparecer coceira na região afetada.

É importante saber que a acantose pigmentar pode ser um indicador da presença de tumores malignos, como tumores de estômago ou fígado, embora isso seja raro em crianças.

Causas da acantose pigmentar em crianças

Em crianças, a acantose pigmentar está associada, na maioria dos casos, ao diabetes e à síndrome metabólica. Raramente representa um sinal de malignidade.

Outras causas são os distúrbios hormonais ou o uso de certos medicamentos, como anticoncepcionais orais e glicocorticóides sistêmicos.

Os fatores envolvidos no aparecimento da acantose pigmentar são descritos a seguir:

  • Aumento da insulina na circulação sanguínea, no caso da diabetes.
  • Defeitos do Fator de Crescimento de Fibroblastos, principalmente em variáveis hereditárias.
  • O Fator de Crescimento Transformante (TGF) é considerado o mecanismo da acantose nigricans vinculado à malignidade.

Diagnóstico e tratamento

Existem diferentes formas de aparecimento da doença. Algumas com variáveis familiares e outras vezes fazendo parte de síndromes, como obesidade, craniossinostose e hiperinsulinemia.

A acantose pigmentar em crianças é diagnosticada clinicamente e pode ser confirmada por biópsia de pele. Além disso, é possível recorrer a diferentes exames de sangue, raios-x ou endoscopias, a fim de descartar algumas causas, como câncer ou diabetes.

Você pode estar interessado: O que é diabetes gestacional?

Diagnóstico diferencial

  • Seborreia
  • Micose
  • Candidíase
  • Ictiose
  • Eritrasma
  • Pelagra

Em crianças, o diagnóstico diferencial da acantose pigmentar inclui dermatoses inflamatórias e micoses superficiais. Isso requer diferentes exames laboratoriais ou estudos agregados.

Acantose pigmentar na pele

 

Manejo da acantose nigricans em crianças

Embora a acantose pigmentar possa ser tratada, ela desaparece com o tempo ao tratar a causa que a desencadeia, como a resistência à insulina.

Portanto, a alimentação correta e a prática de exercícios frequentes contribuirão para o controle da glicose no sangue e, dessa forma, também melhorarão os sinais e sintomas. Em algumas crianças, a perda de peso por si só melhora a resistência à insulina e reduz as lesões hiperpigmentadas.

O objetivo do tratamento é gerenciar e controlar a doença de base. Na verdade, na maioria das vezes, o tratamento é realizado por motivos estéticos.

Tratamentos tópicos

Um dos tratamentos de primeira linha para a acantose pigmentar em crianças é o retinoide tópico, que causa uma diminuição no tempo de substituição do estrato córneo da pele. Além disso, contribui para a correção da hiperceratose e ajuda a pele a voltar ao estado normal.

O ácido tricloroacético é um agente esfoliante químico superficial que causa a destruição da epiderme com consequente reparo e rejuvenescimento.

Outra opção terapêutica benéfica para a acantose pigmentar em crianças é o calcipotriol.

Tratamentos orais

Os retinoides orais (acitretina, isotretinoína) podem ser eficazes. No entanto, para observar melhorias, é necessário o uso em ciclos prolongados e em grandes doses. Além disso, seus efeitos são limitados e causa uma recorrência precoce devido à meia-vida mais curta da acitretina.

Tratamento cosmético

Existe a possibilidade do uso do laser alexandrite para tratar o escurecimento das áreas afetadas na acantose pigmentar em crianças. Pode ser um tratamento seguro e eficaz para a hiperpigmentação das axilas após sete sessões.

Acantose pigmentar em crianças

As crianças que apresentam a forma benigna da acantose nigricans poderão de resolver essa condição com um tratamento adequado e terão baixo risco de apresentar complicações cutâneas. Essa lesão tem um bom prognóstico futuro.


  • Higgins SP, Freemark M, Prose NS. Acanthosis nigricans: a practical approach to evaluation and management. Dermatol Online J. 2008 Sep 15;14(9):2. PMID: 19061584.
  • Katz RA. Treatment of acanthosis nigricans with oral isotretinoin. Arch Dermatol. 1980 Jan;116(1):110-1. PMID: 7352756.
  • Rosenbach A, Ram R. Treatment of Acanthosis nigricans of the axillae using a long-pulsed (5-msec) alexandrite laser. Dermatol Surg. 2004 Aug;30(8):1158-60. doi: 10.1111/j.1524-4725.2004.30346.x. PMID: 15274711.
  • Sinha S, Schwartz RA. Juvenile acanthosis nigricans. J Am Acad Dermatol. 2007 Sep;57(3):502-8. doi: 10.1016/j.jaad.2006.08.016. Epub 2007 Jun 25. PMID: 17592743.