10 dicas para tratar a dermatite de contato

A dermatite de contato é uma condição da pele mais comum do que se acredita. Embora não seja grave, é necessário saber como evitá-la e como tratá-la.
10 dicas para tratar a dermatite de contato

Última atualização: 20 maio, 2022

A dermatite de contato é uma doença comum, mas muito pouco diagnosticada. É uma reação exagerada da pele ao estímulo causado por certas substâncias quando tocam sua superfície.

Embora eliminar o fator desencadeante seja a principal estratégia para evitá-lo, existem outras recomendações para melhor manejar essa condição. Você quer saber? A seguir, contamos tudo sobre esse tema.

O que é a dermatite de contato?

Como já antecipamos, esse tipo de dermatite começa a partir do contato da pele com certos produtos químicos ou naturais aos quais é sensível. Na maioria das vezes, essas reações não são graves, mas podem ser desconfortáveis e desagradáveis devido à intensa coceira que causam.

Os sintomas e sinais da dermatite de contato dependem da causa e da sensibilidade da criança a essa substância. De acordo com uma publicação da American Academy of Dermatology Association, as principais manifestações são as seguintes:

  • Vermelhidão da pele (eritema).
  • Pele seca ou escamosa.
  • Coceira intensa.
  • Rachaduras na superfície da pele.

Existem três tipos de dermatite de contato: alérgica, irritante e de fotocontato. No entanto, esta última é uma das menos frequentes.

Pediatra dermatologista analisando lesão com lupa.
A aparência da pele da dermatite de contato é semelhante à de muitas condições atópicas. No entanto, fica melhor quando você se afasta da substância que a desencadeia.

Dicas para tratar a dermatite de contato em crianças

A maioria dos casos de dermatite de contato geralmente desaparece por conta própria quando a pele se afasta da substância irritante. No entanto, existem algumas recomendações a serem colocadas em prática caso os sintomas e sinais se perpetuem.

1. Evite coçar

O American College of Allergy, Asthma & Immunology recomenda evitar coçar a pele irritada e lesionada, pois pode piorar a situação. Seja com maior irritação ou com uma infecção adicional na superfície da pele que requer tratamento com antibióticos.

Além disso, o coçar crônico pode causar ainda mais coceira devido à liberação de histamina, que é uma substância que aumenta no contexto da inflamação.

2. Elimine o gatilho

Recomenda-se parar de usar o produto que causa a condição da pele ou ficar longe da substância que desencadeia os sintomas.

De fato, em peles sensíveis é aconselhável fazer um teste pontual em uma área exposta da pele toda vez que um novo produto for usado.

3. Aplique anti-histamínicos tópicos

Uma das medidas eficazes para reduzir a coceira é a aplicação de loções calmantes contendo calamina ou glicocorticoides de baixa potência, como a hidrocortisona. Se o quadro clínico não melhorar, o médico pode prescrever cremes esteroides mais potentes.

A hidratação da pele com emolientes também ajuda a reduzir o ressecamento e a coceira da pele irritada.

4. Considere anti-histamínicos orais

Em algumas ocasiões, as medidas higiênicas propostas não são suficientes para reduzir a coceira e são necessários anti-histamínicos orais, como difenidramina ou cetirizina.

Os esteroides sistêmicos são reservados para casos graves, mas devem ser reduzidos gradualmente para evitar recorrências ou outros efeitos indesejados.

5. Escolha roupas adequadas

Outra estratégia bastante adequada é a escolha de roupas neutras, que ofereçam proteção contra elementos irritantes em casa ou no ambiente de trabalho. Nesse sentido, roupas feitas com fibras 100% algodão são uma das melhores recomendações. Além disso, roupas com tecidos sintéticos ou tingidos com anilina devem ser evitadas.

6. Use produtos cosméticos corretos

Deve-se evitar o atrito ao secar ou lavar, bem como o uso de perfumes, sabonetes e corantes. Por sua vez, ao escolher produtos de higiene, é importante que sejam hipoalergênicos e não contenham agentes químicos capazes de causar maior irritação.

Os sabonetes cremosos ou syndet são ideais para manter o pH da pele próximo aos níveis normais na superfície da pele.

7. Incluir medicamentos imunomoduladores nos casos em que for necessário

A pomada de tacrolimus e o creme de pimecrolimus são medicamentos que regulam a resposta do sistema imunológico e são bastante úteis no tratamento da dermatite de contato.

Ambos os fármacos são de uso tópico e proporcionam os mesmos benefícios dermatológicos que os corticosteroides, mas sem causar seus efeitos adversos.

8. Hidrate a pele todos os dias

A hidratação é um dos pilares mais importantes do cuidado da pele para mantê-la sempre funcional e saudável. É aconselhável optar por cremes que contenham vitamina E, vitamina A, karité e alantoína, entre outros componentes.

Mãe aplicando protetor solar no filho.
Para melhor cuidar da pele sensível, os emolientes devem ser aplicados todos os dias e várias vezes ao dia.

9. Use antibióticos tópicos ou orais

Em algumas ocasiões, a dermatite de contato evolui para formas mais graves. Por exemplo, com infecções em lesões existentes. Portanto, nessas ocasiões, o uso de antibióticos orais ou tópicos é uma estratégia necessária.

10. Aplique compressas frias

A aplicação de compressas frias e úmidas várias vezes ao dia nas áreas da lesão pode ajudar a aliviar a irritação e a coceira. Umedeça um pano macio com água fria e coloque-o por alguns minutos.

A dermatite de contato e sua evolução

Embora na maioria das vezes a dermatite de contato não seja motivo de preocupação, ela deve ser tratada rapidamente para evitar uma evolução desfavorável.

No entanto, o prognóstico da patologia depende, em última análise, da causa e do estilo de vida de cada pessoa. Em casos isolados, resolve-se até mesmo quando a exposição ao agente desencadeante é interrompida.

Pode interessar a você...
3 alimentos proibidos em crianças com dermatite atópica
Sou Mamãe
Leia em Sou Mamãe
3 alimentos proibidos em crianças com dermatite atópica

As crianças com dermatite atópica devem considerar uma série de alimentos proibidos que podem intensificar os sintomas. Descubra quais são!