Dor lombar em crianças e adolescentes

A dor lombar é um dos sintomas mais comuns entre os adultos, mas também é frequente entre crianças e adolescentes. Neste espaço, vamos contar tudo o que você precisa saber se seu filho tem dor lombar. Descubra como ajudá-lo em casa.
Dor lombar em crianças e adolescentes

Última atualização: 16 Junho, 2021

A lombalgia, chamada também de dor lombar, é mais comum em adolescentes do que em crianças, embora na vida adulta seja cada vez mais frequente. É um sintoma comum a muitos quadros clínicos e doenças de todas as idades. Se nos referirmos à anatomia, a lombar é uma área de transição que suporta grande parte do peso do corpo.

As crianças são as que menos sofrem de dor lombar. No entanto, a incidência aumenta com a idade, pois à medida que os adolescentes se aproximam da idade adulta, eles passam a sentir dores lombares com mais frequência.

Causas de dor lombar em crianças e adolescentes

As atividades de trabalho, o estresse diário e a falta de hábitos saudáveis são as causas mais comuns de dor lombar em adultos. No entanto, quando se trata de crianças e adolescentes, as suspeitas estão mais relacionadas a distúrbios congênitos, traumatológicos ou secundários a algum traumatismo direto ou indireto. Além disso, existem outras causas comuns de dor lombar:

Menina com dor nos rins devido à retenção de urina.

  • Posterior a esforços excessivos: nesses casos, não há lesões graves. Essas dores tendem a melhorar espontaneamente, embora às vezes exijam tratamento conservador com fisioterapia.
  • Puberdade: algumas teorias falam da relação do início da puberdade com a dor na região lombar, o que demonstra a influência das alterações hormonais no aparelho locomotor.
  • Escolaridade: as mochilas escolares, com cargas superiores a 10% do peso corporal da criança, são um importante fator de risco para o desenvolvimento de lombalgia.
  • Falta de cuidados físicos: a falta de atividade física, assim como treinamentos excessivos e hábitos tóxicos como o tabagismo podem desencadear dores lombares.
  • Postura: a maneira de se sentar na carteira escolar é outro fator de extrema importância, pois é uma postura que se mantém por longos períodos nos anos de escolaridade. Portanto, sentar-se incorretamente é realmente um fator de risco para a saúde de crianças e adolescentes.
  • Fatores emocionais: é o caso do estresse ou de condições depressivas, por exemplo. O corpo expressa situações emocionais por meio de atitudes posturais, que podem desencadear dores lombares.

Como prevenir a dor lombar?

A prevenção da lombalgia abrange diversas áreas, entre elas, a alimentação saudável é uma das primeiras a se considerar, assim como a prática cuidadosa de atividade física, que inclui o fortalecimento abdominal para proteger a coluna.

A higiene postural deve ser ensinada a pais e mães, que devem ensiná-la aos filhos para que as atividades de vida diária e a postura na escola sejam realizadas de forma saudável.

Há cada vez mais programas preventivos no âmbito educacional que melhoram a consciência corporal de crianças e adolescentes. Estes incluem informações teóricas e exercícios físicos que melhoram a saúde dos alunos a curto e longo prazos. Esses programas são coordenados por professores em conjunto com profissionais de saúde.

Tratamento para dor lombar em crianças e adolescentes

Como acontece com qualquer problema de saúde, o tratamento dependerá da causa e do estado clínico de cada paciente. Em todo caso, podemos descrever de forma grosseira o tratamento conservador realizado a partir da fisioterapia para o tratamento da lombalgia em crianças e adolescentes.

A fisioterapia pediátrica inclui autoeducação e medidas preventivas, como higiene postural. Além disso, utiliza agentes físicos, como a eletroanalgesia, para reduzir a dor local. Também realiza técnicas manuais que, além de influenciar na redução da dor, trabalham a causa que produz a dor lombar. Esse processo é acompanhado por exercícios terapêuticos, alguns feitos em sessão e outros indicados para serem realizados em casa.

É fundamental que os cuidadores acompanhem a criança ou o adolescente, tanto na sessão quanto nas atividades indicadas para casa. O suporte físico e emocional contribui para a efetividade do tratamento e sua melhor incorporação, bem como para o incentivo à realização de atividade física recreativa como mais um hábito da vida diária.

 

Dor lombar em crianças e adolescentes.

O que posso fazer em casa se meu filho tiver dor lombar?

Depois de consultar o pediatra e descartar uma lombalgia grave, você pode ajudar seu filho em casa. A criança ou o adolescente pode se deitar de bruços, com um travesseiro sob o púbis. Usando um óleo essencial ou um creme suave como meio de deslizamento, massageie a região lombar.

As massagens devem ser feitas com a mão toda em contato com a pele da criança, evitando pressionar as áreas onde os ossos são mais proeminentes, como a coluna. O objetivo é “amassar” a região muscular, com movimentos alternados entre uma mão e a outra. As massagens também podem ser complementadas com aplicação de calor local utilizando compressas mornas ou moderadamente quentes. Porém, é preciso lembrar que essas dicas não substituem o tratamento realizado por um profissional.

É fundamental que os pais saibam da importância da prevenção nas fases de desenvolvimento, quando o corpo cresce rapidamente. E é muito fácil incorporar hábitos, tanto saudáveis quanto não saudáveis. Portanto, educação e observação em casa podem realmente fazer a diferença.

Em resumo, se seu filho sente dores na região lombar, primeiro deve consultar um médico. O pediatra determinará se será necessário tratamento médico com analgésicos ou complementado com fisioterapia. E, se for uma dor lombar leve, sem lesões ou outras complicações, você pode ajudá-lo em casa com massagens suaves.

It might interest you...
4 dicas para obter uma higiene postural adequada em crianças
Sou MamãeLeia em Sou Mamãe
4 dicas para obter uma higiene postural adequada em crianças

Desde muito cedo, podemos orientar as crianças a conhecerem o seu corpo para obter uma higiene postural adequada. Aqui apresentamos 4 dicas.