Meu filho não gosta de vegetais: o que fazer?

16 de novembro de 2019
Se o seu filho não gosta de vegetais, tome nota de todas as dicas que vamos dar a seguir.

De acordo com diversos estudos, os legumes e as hortaliças constituem o grupo alimentar menos amado pelas crianças. Contudo, as crianças que não gostam desse grupo de alimentos acabam consumindo opções menos saudáveis. Por isso, vamos dar uma série de dicas para que você saiba o que fazer se o seu filho não gosta de vegetais.

A importância dos vegetais para as crianças

Os vegetais são uma fonte essencial de muitas vitaminas (A, C e B9), sais minerais (magnésio, potássio, cálcio, sódio e ferro), fibras e compostos antioxidantes, essenciais na dieta tanto de crianças quanto de adultos.

Para as crianças, a ingestão de frutas, legumes e hortaliças será essencial não só para garantir um estado nutricional ideal, mas também para determinar os hábitos saudáveis ​​que serão mantidos durante a vida adulta, para ajudar a evitar deficiências nutricionais e para prevenir doenças, que podem surgir tanto a curto quanto em longo prazo, tais como aterosclerose, intestino irritável, diverticulite, anemia, osteoporose, câncer, etc.

Como fazer para que os nossos filhos comam vegetais?

Introduzir os vegetais o mais rápido possível

É importante saber que os sabores aos quais a criança é exposta nos primeiros meses de vida são melhor aceitos do que se a exposição ocorrer no final da infância.

Entre os 5 e os 6 meses de vida do bebê, podemos começar a incluir vegetais (cenoura, vagem e batata). Nessa fase, eles devem ser cozidos e triturados.

Introduzir os vegetais

Por volta do oitavo mês, podemos introduzir o tomate (sempre cozido e sem casca ou sementes). Dos 10 aos 12 meses, já podemos dar legumes cozidos sem triturar. Dos 12 aos 18 meses, podemos incluir saladas cruas, porém evitando as que mais causam flatulência, tais como a família do repolho e da alcachofra.

Faça várias tentativas se o seu filho não gosta de vegetais

É normal que, a princípio, eles possam ser rejeitados, mas devemos introduzi-los pouco a pouco e nunca forçar, desafiar ou dar castigos para que não seja criada uma rejeição psicológica aos vegetais, nem uma má associação entre o sabor e o alimento.

Apresente pratos atraentes

Um estudo realizado em 2012 constatou que as crianças preferem pratos feitos com muitos ingredientes e cores e que, além disso, também formem alguma figura com os seus elementos.

Algumas ideias seriam fazer desenhos sobre o purê, fazer animais ou figuras com os vegetais, tais como um rosto sorridente feito com diversos vegetais ou ainda criar uma floresta com o brócolis.

Ofereça diversas opções caso a criança não goste de vegetais

Se o seu filho não gosta de vegetais, é recomendável que ele possa escolher entre diversas opções, em vez de oferecer uma alternativa única, pois assim a criança também vai participar e consumi-los com maior facilidade.

Além disso, você também vai conhecer melhor o gosto do seu filho. Outra recomendação é levá-lo para fazer as compras, a fim de que ele possa escolher os vegetais que preferir.

As crianças também podem cozinhar

Em geral, envolver as crianças no processo de preparação das refeições ajuda a reduzir o comportamento aversivo em relação aos alimentos.

É possível preparar pratos simples, como saladas. Nesse caso, as crianças podem, por exemplo, picar a alface com as mãos ou adicionar ingredientes originais. Ou, então, podem aquecer a refeição no micro-ondas.

Meu filho não gosta de vegetais

Devemos introduzir os vegetais pouco a pouco e nunca forçar.

A família toda deve comer vegetais

As crianças geralmente copiam o que veem dos pais. Por isso, é importante que a família consuma vegetais, que eles sempre estejam disponíveis na geladeira para que a criança possa vê-los e que a família toda coma os mesmos vegetais para que, dessa forma, elas se sintam importantes ao comer a mesma coisa que os adultos.

Disfarçar os vegetais, caso não gostem deles

As crianças geralmente gostam de uma série de pratos, tais como macarrão, croquetes, omelete, pizzas, etc., nos quais pode ser fácil esconder os vegetais. Outra opção poderia ser a mistura com molhos saudáveis.

Algumas formas de preparo certamente farão mais sucesso do que outras. Por exemplo, couve-flor ou brócolis com queijo gratinado, em vez de um simples brócolis cozido.

Outras ideias são fazer espetinhos ou cortar em forma de palito, preparar como um tempurá e oferecer em caixinhas de papel, como se fossem batatas fritas. Faça uma refeição divertida à base de palitos de vegetais crus para mergulhar no homus ou no fondue de queijo.

  • Fundación Española de Nutrición. (2018). Informe de estado de situación sobre “Frutas y Hortalizas: Nutrición y salud en la España del S.XXI”.
  • Villaresa, JM Moreno, and MJ Galiano Segoviab. (2006). “El desarrollo de los hábitos alimentarios en el lactante y el niño pequeño. Sentido y sensibilidad.” Revista Pediatría de Atención Primaria 8.Suplemento 1.
  • Zampollo F, Kniffin KM, Wansink B, Shimizu M. (2012). Food plating preferences of children: The importance of presentation on desire for diversity. Acta Paediatr. Wiley Online Library; 2012;101(1):61–6.