Lidando com a gravidez após a depressão pós-parto

A depressão pós-parto pode ser tratada e superada, desde que a mulher receba atenção a tempo e conte com a ajuda necessária.
Lidando com a gravidez após a depressão pós-parto

Última atualização: 23 Setembro, 2021

Para muitas pessoas, a maternidade é um estado em que a mulher se sente plena, já que a chegada de um filho costuma ser algo maravilhoso. Porém, as experiências são muito diferentes entre as mães e às vezes esse momento é vivido com medo, angústia e desconforto. Se essa situação persistir com o tempo, pode levar à depressão pós-parto.

A depressão pós-parto pode ressurgir em uma nova gravidez?

Sim, isso é possível. O fato de já ter tido depressão pós-parto é fator de risco para sua repetição. Mas não é algo decisivo, já que cada gravidez e cada parto são experiências diferentes, até para a mesma mulher. Por esse motivo, o contexto e as circunstâncias são fundamentais para que essa doença se manifeste.

Se houver histórico de depressão pós-parto, é importante procurar ajuda com antecedência. Dessa forma, a futura mãe poderá enfrentar a nova gravidez com maior tranquilidade.

Algumas estratégias úteis são:

  • Aprender técnicas de relaxamento e gerenciamento de emoções.
  • Pedir ajuda do seu círculo íntimo para ter tempo suficiente para dormir e descansar. Isso ocorre porque o estado de excitação excessiva favorece o aparecimento de sintomas.
  • Delegar algumas responsabilidades a outras pessoas, especialmente se houver mais crianças na casa.

Hormônios desencadeadores

As mudanças corporais da gravidez e do pós-parto são vividas como um tsunami. Após o parto, a queda da progesterona, do estrogênio e dos hormônios tireoidianos são responsáveis por sensações de exaustão, opressão e cansaço físico.

Ressalta-se que esses sintomas não ocorrem apenas devido às alterações hormonais, mas também influenciam o aspecto psicológico, social e genético da mulher.

O pós-parto é um período delicado, durante o qual muitos processos ocorrem simultaneamente. Por isso, é bom atentar para a presença de alguns sintomas desagradáveis para a mulher e intervir no momento oportuno. Entre eles, destacamos os seguintes:

  • Sentimento permanente de vazio e tristeza.
  • Incapacidade de se conectar com diversão ou prazer.
  • Dificuldade para se concentrar em diferentes tarefas.
  • Inquietação permanente.
  • Problemas que dificultam o vínculo com o recém-nascido.
  • Ideias ou pensamentos suicidas e de morte, sobre si mesma ou sobre o bebê.

 

Ajuda para cuidar da depressão pós-parto

Fatores de risco para a depressão pós-parto

Aqui estão alguns dos fatores de risco para o desencadeamento da depressão pós-parto:

  • Estar ou ter passado por um episódio estressante durante a gravidez. Por exemplo, perda de um ente querido ou alguma complicação obstétrica.
  • Ter histórico de quadros depressivos ou ansiosos.
  • Ser vítima de violência doméstica ou de gênero.
  • Uso impróprio de substâncias tóxicas ou drogas ilícitas.

A gravidez indesejada e o fato de com baixos recursos socioeconômicos não estão incluídos na lista porque seu grau de associação é muito menor.

Tipos de depressão na gravidez e no pós-parto

Para entender um pouco mais sobre o assunto, é importante distinguir os possíveis tipos de depressão da fase perinatológica. Ou seja, aqueles que podem ocorrer durante a gravidez, o parto ou o pós-parto.

Tristeza pós-parto

A tristeza pós-parto, também conhecida como maternity blues ou baby blues, é um estado completamente normal de desânimo e opressão.

Em geral, ocorre dentro de 10 dias após o nascimento do bebê. Costuma-se dizer que é algo esperado, pois coincide com as mudanças corporais, hormonais, sociais e pessoais que caracterizam o processo de adaptação ao novo papel de mãe.

Geralmente, a mãe tem medo de não ser capaz de fornecer proteção adequada para seu bebê ou fica irritada com a falta de descanso.

Essas sensações provavelmente desaparecerão após duas semanas de forma espontânea. Embora não seja necessário oferecer tratamento médico, a contenção e o apoio familiar são fatores fundamentais para a resolução adequada do conflito.

Depressão perinatal

A depressão perinatal é uma condição de saúde que pode ocorrer desde a gravidez até o primeiro ano após o nascimento do bebê.

Segundo dados da Organização Pan-Americana da Saúde, o risco de ocorrência durante a gravidez é de 6 a 20%, enquanto após o parto varia de 10 a 15% dos casos.

Alguns dos sintomas característicos dessa patologia são ansiedade, irritabilidade, perda de interesse e a capacidade de aproveitar a vida. Também foram descritas mudanças nos padrões de sono.

Os aspectos que estabelecem a diferença entre a depressão e a tristeza são o tempo e a intensidade dos sintomas.

Psicose pós-parto

Esse é um quadro muito mais complexo do que os anteriores e requer ajuda médica imediata. Isso ocorre porque há um perigo iminente de a pessoa causar danos a si mesma ou a outra pessoa.

Nesses quadros, as mulheres podem ter delírios, alucinações ou episódios maníacos e de excitação.

A depressão pós-parto pode ser superada?

Com suporte e tratamento adequados, a depressão pós-parto pode ser superada. Na verdade, o mais importante não é resolver individualmente a situação, e sim através de uma rede de contenção e apoio do núcleo próximo da mulher.

Lidar com a depressão pós-parto significa apoiar a mãe e o recém-nascido para que possam estabelecer esse vínculo fundamental.

É importante lembrar que muitas vezes o casal em conjunto pode ser afetado. Por isso, também é necessário proporcionar um espaço para a expressão das emoções e das angústias. Principalmente quando há histórico prévio de depressão perinatal em casa.

O apoio na depressão pós-parto

Sobre a importância de cuidar da depressão pós-parto

Devido à importância da depressão pós-parto no bem-estar da mulher e de seu bebê, é importante educar a população para detectar os sinais de alerta em tempo hábil.

Essa condição é subdiagnosticada e provavelmente ocorre devido ao duplo estigma que causa. Por um lado, porque é entendido como um problema exclusivo da mãe que “não consegue aproveitar o momento mais feliz de sua vida”. E, por outro, porque se questiona sua capacidade de ser mãe, de cuidar e até de amar seu filho ou sua filha.

É importante entender que se trata de uma doença mental e não de uma escolha pessoal. Por isso, é importante educar a sociedade para deixar de lado o preconceito e a crítica e passar a ter mais empatia com as puérperas.

Dessa forma , poderemos ajudar as mães a viverem uma maternidade real e única, em vez de condená-las a sofrer por não alcançar aquele protótipo idealizado de maternidade.

Pode interessar a você...
Como a depressão dos pais afeta os filhos
Sou Mamãe
Leia em Sou Mamãe
Como a depressão dos pais afeta os filhos

Saber como a depressão dos pais afeta os filhos é algo necessário para prevenir problemas sociais, emocionais e comportamentais em crianças e adole...



  • Caparros-Gonzalez R, Romero-Gonzalez B, Peralta-Ramirez MI Depresión posparto, un problema de salud pública mundial. Rev Panam Salud Publica. 2018;42:97 doi: https://doi.org/10.26633/RPSP.2018.97
  • Dois Castellón, Angelina. (2012). Actualizaciones en depresión posparto. Revista Cubana de Obstetricia y Ginecología38(4) Recuperado en 13 de julio de 2021, de http://scielo.sld.cu/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0138-600X2012000400016&lng=es&tlng=es.