Mitos sobre o trabalho de força física em crianças e adolescentes

Os exercícios de resistência em crianças preocupam alguns pais, por causa de crenças populares. Mas será que elas são totalmente verdadeiras? Descubra abaixo.
Mitos sobre o trabalho de força física em crianças e adolescentes

Última atualização: 03 fevereiro, 2022

O treinamento de crianças e adolescentes é repleta de mitos, principalmente no que diz respeito aos exercícios de força física. Mas não se trata de culpar as pessoas por isso, já que até há poucos anos atrás as informações a esse respeito eram muito limitadas.

No entanto, ao longo do tempo foi possível esclarecer vários aspectos relacionados ao trabalho de força física em menores de idade. É por isso que algumas declarações deixaram de ser uma ‘verdade irrefutável’ para se tornarem um simples mito popular.

Apesar de haver respaldo científico, em alguns casos essas falsas afirmações ainda são aplicadas e há quem se oponha ao treinamento de força em crianças e adolescentes. Isso é realmente necessário? Descubra no seguinte artigo.

Trabalho de força física em crianças e adolescentes

O treinamento físico em crianças e adolescentes é marcado por pensamentos errôneos, que são alimentados pela falta de informação, pela teimosia dos pais ou pela falta de formação de alguns professores.

Dentro dessa série de afirmações falsas, destacam-se aquelas relacionadas à estimulação da força em crianças. Esse tipo de exercício é visto pelos adultos com muita apreensão, principalmente quando se trabalha com cargas externas, como pesos, barras ou outros elementos semelhantes.

Porém, o treinamento de todas as capacidades físicas é essencial para o adequado desenvolvimento psicomotor do ser humano. Na verdade, a estimulação física desde cedo constrói as bases para a vida esportiva na idade adulta. Por isso, é necessário incluir o trabalho de força no treinamento desde a infância.

Menino mostrando sua força.

Mitos do trabalho de força funcionam em crianças e adolescentes

Conforme mencionado acima, a falta de informação e o desconhecimento sobre o assunto contribuem para a construção de mitos populares em torno do esporte. Isso está associado aos aspectos negativos dessa disciplina e ao medo dos pais de prejudicar seus filhos se incentivarem essa prática.

A seguir, apresentaremos os mitos mais comuns associados aos exercícios de força física em crianças, para que você possa identificá-los e entender por que deve bani-los hoje mesmo.

Favorece o aparecimento de lesões físicas

O pensamento negativo mais comum em torno do treinamento de força física em crianças diz respeito a lesões. Em geral, os pais consideram que esse tipo de exercício aumenta a probabilidade de lesionar estruturas ósseas ou musculares das crianças.

Com base nessa crença, muitos adultos se opõem à inclusão do treinamento de força física nas rotinas esportivas de seus filhos.

A verdade é que a probabilidade de sofrer uma lesão está sempre latente, em qualquer atividade e em qualquer idade. Mas, felizmente, o risco de sofrer isso é reduzido quando há planejamento e acompanhamento adequado na execução dessa rotina.

Dificulta o crescimento

Outro dos mitos mais difundidos relacionado ao trabalho de força física em crianças faz referência à interferência no processo de crescimento.

Normalmente, afirma-se que menores de 15 anos que praticam esse tipo de treinamento alteram seu tamanho final. Principalmente ao usar cargas externas, como halteres ou barras de levantamento de peso.

No entanto, o treinamento de força planejado e executado adequadamente não deve influenciar negativamente o desenvolvimento físico da criança.

De fato, o treinamento de força em crianças e adolescentes favorece o desenvolvimento integral da pessoa. Além disso, contribui para o fortalecimento das estruturas ósseas, musculares e articulares, fatores fundamentais no processo de crescimento.

Acelera a perda de flexibilidade

A flexibilidade é outra das capacidades físicas do ser humano e, como tal, deve ser trabalhada e estimulada juntamente com as outras. Isso não quer dizer que, se a força for treinada, a flexibilidade será afetada. Na verdade, é o contrário, já que a combinação de exercícios de força e flexibilidade melhora as duas capacidades físicas ao mesmo tempo.

O treinamento de força pode ser feito em qualquer ambiente

Outro mito comum relacionado ao trabalho de força física em crianças e adolescentes refere-se ao contexto em que esse treinamento é realizado.

Em geral, os adultos que defendem essa prática acreditam que o ambiente e os elementos utilizados são fatores secundários e não influenciam no resultado. Mas essa crença está errada, uma vez que a experiência de um organismo maduro não pode ser extrapolada para a de uma criança em pleno desenvolvimento.

O objetivo principal desse tipo de treinamento em crianças é o desenvolvimento da força física. E para isso, é obrigatório que seja realizado em ambientes controlados, com os elementos adequados e, sobretudo, com o planejamento adequado, de acordo com a idade e as aptidões de cada um.

Meninas puxando corda em um jogo que envolve força física em crianças.

Tudo isso são mitos relacionados ao treinamento de força física?

A ideia deste artigo é esclarecer os pensamentos errôneos que se têm sobre o treinamento físico de crianças e adolescentes. Acima de tudo, no que diz respeito à estimulação da força.

Além do que é recomendado para implementar esse tipo de treinamento desde a infância, isso não significa que os devidos cuidados não devam ser tomados ou que as recomendações dos profissionais não devam ser seguidas.

O ideal é não usar cargas externas com pesos exagerados, nem fazer exercícios que possam causar lesões discais.

Aconselhamos você a recorrer a um grupo de profissionais para planejar o treinamento de força adequado para seus filhos.

Pode interessar a você...
Escalada para crianças: resistência e força
Sou Mamãe
Leia em Sou Mamãe
Escalada para crianças: resistência e força

Se o seu pequeno gosta de correr, pular e subir em árvores, a escalada para crianças pode ser uma boa opção que combina exercício e diversão.