Nós às vezes percebemos que não tratamos bem nosso filho

02 Abril, 2017
 

Às vezes nos escapa um “Cale a boca!” ou um “Você só enche a minha paciência!”. Palavras que nos escapam em um grito e que, imediatamente, deixam nossa alma em pedaços. Porque sabemos que não agimos corretamente, que os nervos venceram a paciência

Ninguém está imune de erros na criação e na educação de uma criança. A supermãe e o superpai não existem. Os pais e as mães são somente pessoas que de vez em quando falam e fazem o que não devem. Às vezes acontece por puro cansaço, por estresse ou devido à inexperiência dos primeiros anos.

Não devemos nos culpar por isso. No momento em que percebemos que não tratamos nosso filho ou nossa filha da forma correta resta somente uma solução: pedir perdão e corrigir nosso erro. Arrumar a confusão, remediar o choro, e colocar um curativo no coração da criança, mostrando-lhe que às vezes a mamãe e o papai também erram.

Propomos que você reflita sobre isso em “Sou Mamãe”. Temos certeza de que este artigo vai ajudá-lo.

Aqueles momentos em que não agimos “muito bem”

Frequentemente, costuma-se dizer na criação que tentamos antes de tudo evitar cometer os mesmos erros que nossos pais cometeram conosco. Desejamos que cada detalhe seja perfeito. Que nossos filhos e filhas consigam o que nós não conseguimos, que tenham o que nós não tivemos.

Tudo isso é muito louvável. No entanto, é preciso ter consciência de uma coisa. Educar não é ficar obcecado com o que nós “queremos”. Mas com o que a criança precisa. Cada dia com elas é novo, e é um desafio. Elas vão se tornar indagadoras, curiosas, insistentes e, inclusive, desafiantes.

 

É normal, às vezes, cometer erros com elas. Ninguém possui o manual perfeito da educação. No entanto, existem eixos principais dos quais não podemos nos descuidar.

bem

O que o seu filho precisa é de PACIÊNCIA

Se você não tem paciência, reconsidere se realmente deseja ter filhos. Porque nada nesse mundo vai exigir de você tanto afeto, consideração, empatia, amor e tolerância do que uma criança. Não se aprende paciência em um livro. Ou se tem paciência ou não se tem.

  • As mães e os pais que não têm uma atitude paciente se tornam exigentes demais.
  • O excesso de exigência abre espaço para o estresse e a insegurança pessoal nas crianças. É preciso levar em consideração que cada ser tem seu próprio ritmo de amadurecimento, seu tempo e suas necessidades. Se exigimos coisas que, simplesmente, não podemos dar, vamos frustrar ainda mais seu crescimento.

Quando você não faz algo da forma correta, seu filho vai demonstrar com o olhar

Você vai perceber no mesmo momento. O impacto emocional de uma criança quando se sente sem cuidados, quando ouve gritos, ou se sente desiludida, fica marcado na sua expressão.

 
  • Como boa mãe que você é, vai conseguir perceber imediatamente. Esse vínculo íntimo e sólido que os une é o que faz com que você perceba que não agiu corretamente. Que você falhou. Que os nervos do momento venceram, ou que a estratégia que você aplicou não era a adequada.
  • Às vezes, fazemos coisas pensando que é para o bem das crianças. No entanto, aos poucos percebemos que não é exatamente assim. Se seu filho tem medo do escuro, não é preciso ironizar dizendo que ele já é muito velho para essas besteiras. Se ele faz xixi à noite, você não precisa censurar.

Tudo isso são pequenos exemplos dessas falhas que nós, pais e as mães, cometemos sem querer.

bem

A importância de pedir perdão a nossos filhos

Ensinamos a nossos filhos a dizer bom dia, agradecer, e pedir perdão quando devem. Mas você pensa talvez que nós adultos também não temos a obrigação de pedir perdão a nossos filhos quando erramos? Nós temos sim.

Nós adultos devemos pedir perdão quando não agimos corretamente. É uma obrigação e um direito para com nossos filhos. Isso não nos tornará mais suscetíveis ao erro com nossos filhos, vai nos tornar “pessoas”, mães e pais que colocam o bem-estar dos filhos em primeiro lugar para fazer com que eles vejam que nós os amamos. E que cada dia desejamos nos tornar pessoas melhores para eles.

 

Agora leve em consideração todos esses aspectos nos quais falhamos de vez em quando. Comportamentos e erros que são comuns na criação e na educação dos filhos.

  • Você não age corretamente quando promete algo e não cumpre.
  • Decepciona seus filhos quando não serve de modelo para o que prega.
  • Você não age corretamente quando grita.
  • Nunca compare seu filho com outras crianças.
  • Nunca ridicularize, corrija, ou critique seu filho em público.
  • Não diga que seu filho é lerdo, que “ele não consegue” ou que “ele não sabe”. Ensine você mesmo para que ele consiga.
  • Nunca diga “você está enchendo minha paciência”. O melhor é dizer algo simples como “mamãe está ocupada agora, espere um momento que eu já vou aí com você”.
  • Você não vai agir corretamente quando deixar de responder apenas uma das perguntas dele. Não importa quantas sejam, que sejam estranhas ou sem sentido. Para seu filho, sua opinião conta e é disso que ele precisa: que você seja um guia. Uma voz para todas as dúvidas…
bem

Seja paciente e não se culpe por errar de vez em quando. O importante é que cada dia você se esforce por agir de maneira melhor.