O esporte intenso prejudica a fertilidade?

Formar uma família com filhos é uma tarefa complexa, especialmente se os exercícios intensos atrapalharem os seus planos. Entenda como o esporte influencia a sua fertilidade e como você pode usá-lo a seu favor nesse caso.
O esporte intenso prejudica a fertilidade?

Última atualização: 09 Janeiro, 2022

A realização de atividades físicas faz parte dos pilares fundamentais para uma vida saudável e, por isso, deve estar incluída no seu dia a dia. No entanto, o esporte intenso prejudica a fertilidade ou pode afetá-la de alguma forma.

Se você é uma atleta e deseja ter filhos, deve prestar muita atenção a este assunto. Inclusive, caso o seu parceiro pratique esportes regularmente, é necessário que vocês dois adquiram mais conhecimentos sobre o assunto para compreender a que estão expostos.

O que é a fertilidade?

Em termos gerais, a fertilidade é a capacidade de gerar um ou mais filhos e é determinada por vários fatores. Por exemplo, sexo, ambiente, cultura, hábitos alimentares e atividade física são os mais associados a esta questão.

A influência do esporte na fertilidade

escalando montanhas ao ar livre

Você provavelmente cresceu com a certeza de que a atividade física tem uma extensa lista de benefícios, tanto físicos quanto psicológicos. Porém, você deve saber que o esporte não está centrado apenas em aspectos positivos e é aconselhável esclarecer todas as dúvidas relacionadas a essa atividade e aos cuidados com a saúde. Em particular, para saber se a intensidade dessa prática prejudica a fertilidade.

De uma forma ou de outra, o esporte influencia a fertilidade e isso pode ser para o bem ou para o mal.

Tanto para homens quanto para mulheres, é aconselhável praticar esportes para melhorar a saúde geral, o que também se traduz em uma maior capacidade de procriar. No entanto, isso está sujeito ao tipo de prática esportiva e sua intensidade.

Praticar esportes de intensidade moderada contribui para a saúde geral do organismo, pois ajuda a manter o peso ideal, favorece a circulação sanguínea e o fortalecimento muscular. Todos esses fatores otimizam a fertilidade e neutralizam alguns fatores negativos, como o estresse.

Porém, se o esporte for praticado em alta intensidade, todos esses benefícios podem desaparecer e até mesmo podem começar a surgir alguns danos à saúde e para a capacidade fértil.

O esporte intenso prejudica os homens

O esporte intenso prejudica a fertilidade masculina devido à alteração hormonal que ocorre, principalmente quando se trata de um atleta profissional.

Geralmente, as altas intensidades na prática esportiva impactam na qualidade do sêmen. Embora não diminua o número de espermatozoides, aumenta as chances de danos ao DNA e à capacidade móvel desses gametas.

Por outro lado, também é possível que os níveis de testosterona sejam alterados e os hormônios relacionados ao estresse aumentem. Isso foi revelado em uma pesquisa sobre a fertilidade masculina, que também faz referência ao consumo de substâncias e à intensidade do exercício.

Finalmente, certos esportes, tais como equitação e ciclismo, aumentam a probabilidade de disfunção erétil. Sem dúvida, outro aspecto que se relaciona de forma negativa com a capacidade de procriar.

O esporte intenso prejudica as mulheres

No que diz respeito a você e aos seus hábitos esportivos, tente reavaliá-los. Se você se concentrar em atividades esportivas intensas, é provável que também ocorram alterações hormonais.

Inclusive, o seu ciclo menstrual pode até mesmo ser interrompido ou modificado em termos de ritmo e regularidade. Esse problema influencia a produção de óvulos e a ovulação, que se torna intermitente.

Embora seja mais fácil avaliar a influência do esporte intenso na fertilidade masculina, pode-se dizer que ele afeta ambos os sexos. É por isso que, se  planejam formar uma família com filhos, os dois devem repensar tudo relacionado ao assunto.

O esporte intenso prejudica a fertilidade: controle a sua rotina

atividade física esporte esportes casal exercícios compartilhados gravidez

O esporte intenso prejudica a fertilidade tanto em homens quanto em mulheres. Isso significa que você ou o seu parceiro podem ser afetados negativamente. Porém, isso não significa que devam deixar de lado a prática esportiva, longe disso.

Conforme mencionado acima, o esporte moderado oferece grandes benefícios para o corpo. Além disso, é responsável pelo combate ao sedentarismo e às doenças não transmissíveis (DCNT), que também influenciam negativamente na fertilidade.

Nessa ordem de ideias, recomenda-se que a rotina esportiva tenha intensidade e frequência controladas. Portanto, busque que você e seu parceiro encontrem o equilíbrio adequado ao praticar qualquer esporte.

Procure aconselhamento e cuide da sua saúde

Para determinar a intensidade apropriada para a sua saúde e fertilidade, você pode recorrer a um treinador profissional focado no seu esporte. Lembre-se de que, neste ponto, é importante diagnosticar a sua condição e suas habilidades físicas.

O objetivo é que o aconselhamento seja realizado pelo casal, uma vez que a ideia de conceber uma nova vida deve ser assunto de ambos. Não se esqueça!

Pode interessar a você...
Cardápio semanal para melhorar a fertilidade do casal
Sou Mamãe
Leia em Sou Mamãe
Cardápio semanal para melhorar a fertilidade do casal

Neste artigo, vamos apresentar um cardápio semanal que você pode seguir para melhorar a fertilidade e a saúde do casal. Vamos lá?



  • Espinós-Ramírez, C., Mangrané, C., Boiso, I., Rives, N., Rius, M., Peón, S., Herrero, J., Marquès, L., & Espinós-Gómez, J. J. (2015). Influencia de la actividad física en los parámetros seminales y su relación con los resultados reproductivos de un ciclo de fertilización in vitro. Medicina Reproductiva y Embriología Clínica. https://doi.org/10.1016/j.medre.2014.12.001
  • Vaamonde, D., Garcia-Manso, J. M., & Hackney, A. C. (2017). Impacto de la actividad física y el ejercicio sobre el potencial reproductivo masculino: nuevo cuestionario de evaluación. In Revista Andaluza de Medicina del Deporte. https://doi.org/10.1016/j.ramd.2016.11.017
  • Aguilar Macías, A. S., Miranda, M. de los Á., & Quintana Díaz, A. (2017). La mujer, el ciclo menstrual y la actividad física. Revista Archivo Médico de Camagüey.
  • O ’brien, D. (1989). Efectos del ejercicio en el ciclo menstrual. Numero.