Pressão arterial baixa na gravidez: sintomas e tratamento

Se você está grávida, é provável que tenha experimentado sintomas de hipotensão. Aqui contamos tudo sobre essa condição para que você saiba como se cuidar.
Pressão arterial baixa na gravidez: sintomas e tratamento

Última atualização: 08 Novembro, 2021

A pressão arterial da gestante é um dos parâmetros mais controlados durante a gravidez. Normalmente, esse sinal vital sofre variações como consequência das alterações no sistema circulatório da mulher. Todos favorecem a tendência natural de baixa pressão nas primeiras semanas, que tende a se normalizar a partir da 20ª semana.

Você quer saber mais sobre o que se trata? Então, não deixe de ler!

Pressão arterial, o que ela representa?

A pressão arterial é um parâmetro ou sinal vital que traduz a força com que o coração bombeia o sangue para o resto do corpo. Seus valores são obtidos a partir de uma medida da pressão exercida nas paredes arteriais, por meio de dois parâmetros diferentes.

Pressão arterial sistólica (ou máxima)

Reflete a pressão exercida pelo sangue ao ser ejetado pelo coração, ou seja, durante a sístole cardíaca. É considerada normal durante a gravidez quando varia entre 90 e 120 milímetros de mercúrio.

Pressão arterial diastólica (ou mínima)

Esse valor representa a pressão mínima exercida pelo sangue nas paredes arteriais e coincide com o momento de relaxamento cardíaco (ou diástole). Seus valores normais na gravidez variam entre 60 e 80 milímetros de mercúrio.

Pressão baixa em grávidas

Grávida sentada na poltrona dor de cabeça.

A hipotensão é a condição definida quando os registros da pressão arterial estão abaixo dos limites normais. Pode ocorrer tanto para a pressão sistólica, quanto para a diastólica ou ambas. Mas, em geral, ocorre uma diminuição da pressão arterial mínima.

Ao contrário da hipertensão, a pressão arterial baixa não é uma doença. Na verdade, em mulheres grávidas é uma condição esperada que ocorre como consequência das alterações fisiológicas desse estado.

No início da gravidez, todas essas mudanças fisiológicas visam aumentar o fluxo de sangue para o novo órgão da mãe: a placenta. Isso favorece a diminuição da quantidade de sangue que retorna ao coração e se traduz em diminuição da pressão arterial diastólica.

Perto do final da gravidez, o útero adquire um tamanho considerável, e isso causa compressão dos grandes vasos sanguíneos abdominais (veia cava inferior e aorta), especialmente na posição em pé ou quando a mãe deita de costas. Esse fenômeno também afeta o retorno do sangue ao coração e favorece a hipotensão. 

Sintomas associados à pressão arterial baixa na gravidez

Embora a hipotensão seja uma condição fisiológica da gravidez, algumas mulheres apresentam sintomas incômodos. A intensidade desses sintomas depende de muitos fatores, entre os quais estão os níveis usuais de pressão arterial.

Entre as manifestações clínicas mais comuns de hipotensão na gravidez, podemos citar as seguintes:

  • Palpitações.
  • Tontura.
  • Náuseas e vômitos.
  • Desmaios.
  • Cansaço.

Em geral, nenhum desses sintomas é grave, mas o contexto pode favorecer o surgimento de complicações na gravidez. Por exemplo, se a mãe desmaiar em via pública e sofrer um forte golpe.

Da mesma forma, a condição básica da mãe também é um fator determinante de risco. Nesse sentido, uma mãe que não se hidrata bem e sofre de hiperêmese gravídica (vômitos intensos) pode desidratar com mais facilidade e necessitar de internação.

A pressão arterial baixa durante a gravidez coloca em risco a saúde do bebê?

A hipotensão não deve produzir complicações na saúde do feto se a mulher for atendida corretamente. No entanto, essa questão gera algumas controvérsias entre os especialistas, pois alguns argumentam que essa condição pode estar associada ao baixo peso do bebê ao nascer.

Além desse fato, o nível de pressão arterial da mãe pode influenciar o fluxo de sangue para o bebê através da placenta.

Nesse sentido, uma diminuição repentina da pressão, como pode ocorrer após a aplicação da anestesia pré-parto, pode causar problemas de saúde para a mãe ou para o bebê. E quando isso acontecer, deve ser resolvido com urgência.



Como evitar a pressão arterial baixa durante a gravidez?

Embora seja um fenômeno esperado da gravidez, existem algumas medidas para prevenir os sintomas que acompanham a hipotensão.

Mantenha um estado adequado de hidratação

A gravidez produz no corpo da mulher algumas mudanças que favorecem o fornecimento de sangue ao bebê, como o aumento do volume sanguíneo.

Uma vez que a maior parte do sangue é composta por água, é essencial garantir uma ingestão suficiente todos os dias. Principalmente quando as perdas são aumentadas pelas altas temperaturas, exercícios ou vômitos frequentes.

Evite o jejum prolongado

Em consonância com o exposto acima, grande parte dos nutrientes que viajam pelo sangue materno se destinam a satisfazer das demandas do bebê. Por isso, é imprescindível manter uma alimentação completa, balanceada e suficiente, e evitar longas horas de jejum.

Cuidado com as altas temperaturas

Altas temperaturas e baixas pressões atmosféricas favorecem a hipotensão. Por esse motivo, nesse contexto é importante garantir uma boa hidratação, o uso de roupas leves e a permanência em ambientes bem ventilados.

Faça atividade física regularmente (caminhar e evitar ficar em pé por longos períodos de tempo)

Casal fazendo caminhadas em montanhas.

A atividade física favorece a adaptação do sistema cardiovascular à nova condição. Da mesma forma, produz mudanças benéficas no humor da mãe, e isso também tem um impacto positivo em seus sintomas e em sua saúde em geral.



Mude de posição com muita calma

Movimentos repentinos, como pular da cama ou curvar-se e levantar-se rapidamente, causam uma queda no nível de sangue que chega ao cérebro. E, momentaneamente, causam uma sensação de tontura ou podem levar a desmaios.

Por esse motivo, é recomendável evitar mudanças de posição em alta velocidade.

Descanse em decúbito lateral esquerdo

Para promover o retorno do sangue ao coração e, assim, evitar hipotensão, recomenda-se descansar deitada sobre o lado esquerdo, para liberar os grandes vasos.

Sobre a pressão arterial baixa na gravidez

A hipotensão na gravidez faz parte das muitas mudanças adaptativas do corpo materno a esse estado. Sem elas, uma vida não poderia se desenvolver dentro de nós.

Embora tenham uma razão de ser, às vezes podem ser bastante desconfortáveis ou irritantes. Por isso, é fundamental discutir essas alterações com seu obstetra para conhecê-las melhor e encontrar a melhor forma de enfrentá-las.



  • Bánhidy F, Acs N, Puhó EH, Czeizel AE. Hypotension in pregnant women: a population-based case-control study of pregnancy complications and birth outcomes. Hypertens Res. 2011 Jan;34(1):55-61. doi: 10.1038/hr.2010.172. Epub 2010 Sep 30. PMID: 20882028. Disponible en: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/20882028/
  • Hohmann M, Künzel W. Der niedrige Blutdruck in der Schwangerschaft–Ursachen, Folgen und Therapie [Low blood pressure in pregnancy]. Z Geburtshilfe Neonatol. 2007 Apr;211(2):45-53. German. doi: 10.1055/s-2006-933493. PMID: 17486524. Disponible en: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/17486524/
  • Warland J, McCutcheon H. Is there an association between maternal hypotension and poor pregnancy outcome?: a review of contemporary literature. Aust J Midwifery. 2002;15(4):22-6. doi: 10.1016/s1031-170x(02)80009-5. PMID: 12593245. Disponible en: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/12593245/
  • MSD MANUALS. Hipertensión en el embarazo. [Internet] Acceso septiembre 2021. Disponible en: https://www.msdmanuals.com/es-ar/professional/ginecolog%C3%ADa-y-obstetricia/complicaciones-no-obst%C3%A9tricas-durante-el-embarazo/hipertensi%C3%B3n-en-el-embarazo
  • Auron M, Castillo M. Auron M, & Castillo M Auron, Moisés, and Marina Y. Durán Castillo.Manejo perioperatorio de la paciente obstétrica. In: García O, Montoya J. García O, & Montoya J(Eds.), Omar Felipe Dueñas García, and Jesús Jorge Beltrán Montoya.eds.Manual de obstetricia y procedimientos medicoquirúrgicos. McGraw Hill; 2016.
  • Hawkins J, Bucklin B. Anestesia obstétrica. Capítulo 16. En: Gabbe, S. Obstetricia. Embarazos normales y de riesgo. Séptima edición. Elsevier España. 2019. P 361-386.