Raquitismo: deficiência de vitamina D em crianças

11 Janeiro, 2020
Os casos de raquitismo por causa da falta de vitamina D diminuíram bastante graças às campanhas de prevenção, pelo menos nos países desenvolvidos.

O raquitismo é uma doença causada principalmente pela deficiência de vitamina D em crianças. É uma doença frequente em países subdesenvolvidos ou em países em desenvolvimento.

Caracteriza-se por um atraso no crescimento, acompanhado por deformações dos ossos e é mais comum em crianças entre 6 meses e 3 anos de idade, pois é a fase de crescimento mais rápido.

O que é o raquitismo?

O raquitismo é um distúrbio no processo de mineralização dos ossos e cartilagens que ainda estão em crescimento. Por isso, essa doença ocorre apenas em crianças. No caso de uma alteração em ossos maduros, estaríamos falando de outro distúrbio diferente, como a osteomalácia, por exemplo.

O processo de mineralização óssea depende de um equilíbrio entre o cálcio e o fósforo, e essa homeostase é regulada pela vitamina D. 99% do cálcio corporal é encontrado nos ossos. Quando os níveis de cálcio diminuem no organismo, há um aumento do hormônio da paratireoide, o que, por sua vez, causa uma diminuição nos níveis de fósforo.

Raquitismo: deficiência de vitamina D em crianças

Sintomas

O raquitismo, assim como vamos verificar, pode ocorrer devido a uma diminuição nos níveis desses minerais, bem como da vitamina D. Os principais sintomas são:

  • Atraso no crescimento.
  • Deformidades nos ossos, que se tornam moles: o mais comum é que surja um arqueamento dos ossos das pernas. No entanto, o desgaste também pode ocorrer nas extremidades de alguns ossos.

Também podem ocorrer outros sintomas, tais como as convulsões, devido aos níveis extremamente baixos de cálcio no sangue. Às vezes, também há alterações nos dentes, cãibras e fraqueza muscular.

Causas do raquitismo

A causa mais comum dessa doença, conforme já dissemos, é a deficiência de vitamina D. No entanto, existem outros fatores que também podem causar o aparecimento desse distúrbio. Entre eles, encontraremos causas genéticas e metabólicas.

Déficit de vitamina D

A vitamina D é uma vitamina lipossolúvel essencial para a absorção do cálcio. Quando há uma deficiência dela no organismo, o cálcio intestinalproveniente dos alimentos não pode ser incorporado ao organismo. O mesmo vale para o fósforo.

Assim, os níveis desses minerais no sangue diminuem e o corpo tenta restaurá-los, extraindo-os dos ossos. Por isso, os ossos ficam moles e se deformam facilmente.

Quando a doença se tornou conhecida e estudada, os casos de raquitismo devido à falta dessa vitamina diminuíram bastante, pelo menos nos países desenvolvidos. Isso se deve às campanhas de prevenção e administração da vitamina de forma sistemática para todas as crianças.

No entanto, a vitamina D também pode ser obtida por meio da dieta, principalmente com o consumo de certos peixesAlém disso, o nosso corpo pode sintetizá-la na pele graças à radiação solar.

Raquitismo: deficiência de vitamina D em crianças

Diagnóstico e tratamento do raquitismo

O diagnóstico de raquitismo é baseado na combinação dos resultados dos exames de laboratório e de imagem alterados, juntamente com a presença dos sintomas clínicos típicos que vimos anteriormente. 

Com um exame de sangue, é possível detectar baixos níveis de fósforo ou de cálcio, bem como a enzima fosfatase alcalina ou a própria vitamina D.

O tratamento geralmente consiste na administração de calciferol por via oral. No entanto, existem casos de raquitismo nos quais isso não é eficaz. Geralmente são casos em que os baixos níveis de fósforo no corpo ocorrem devido a perdas através dos rins, principalmente.

Como medida preventiva, atualmente, administra-se diariamente a todas as crianças, desde o nascimento até os 2 anos, aproximadamente 400 UI de vitamina D. Outras formas de obter a vitamina D são, como já dissemos, por meio da dieta e da exposição ao sol.

Em conclusão

O raquitismo é um distúrbio ósseo causado principalmente por uma deficiência de vitamina D em crianças. E pode ser evitado por meio da ingestão adequada de vitamina D, bem como da exposição à luz solar, embora de maneira controlada.

  • de la Calle Cabrera, T. (n.d.). Raquitismo carencial. Raquitismos resistentes. Pediatría Integral, 477.
  • Masip, T. C., Morell, N. A., & Serra, J. D. (2008). Nuevas recomendaciones diarias de ingesta de calcio y vitamina D: prevención del raquitismo nutricional. Acta Pediatr Esp66(5), 233-236.
  • Yeste, D., & Carrascosa, A. (2003). Raquitismo carencial en la infancia: análisis de 62 casos. Medicina clínica121(1), 23-27.