Transtorno de Déficit de Atenção, realidade ou ficção?

Após as últimas publicações sobre o TDAH, muitos pais se perguntam se os filhos foram diagnosticados equivocadamente. Será que o TDAH é diagnosticado em excesso?
Transtorno de Déficit de Atenção, realidade ou ficção?

Última atualização: 21 agosto, 2019

O transtorno de déficit de atenção com ou sem hiperatividade (TDAH) talvez seja um dos transtornos mais controversos do nosso tempo. É provável que a heterogeneidade da síndrome possa sugerir que se trate de um “pacote” para incluir crianças problemáticas.

A falta de um critério único por parte da comunidade científica também não ajuda a estabelecer um diagnóstico claro. O tratamento atual não garante a cura do paciente uma vez que a origem ou as causas desse distúrbio não são claras.

O tratamento é derivado de metanfetaminas ou dos chamados medicamentos estimulantes, como a Ritalina. Eles acabam sendo um paliativo para o tratamento dos sintomas. O TDAH, afinal, é uma realidade ou uma ficção?

Evolução histórica do Transtorno do Déficit de Atenção: da realidade ao mito

Origens do Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade

A fim de descobrir as origens do estudo da doença, devemos voltar à primeira metade do século XX. Naquela época, vários membros da comunidade científica tentaram descrever e classificar a doença.

A princípio, eles incluíram as crianças que tinham dificuldade de concentração, inquietação, irritabilidade e impulsividade. Eles chamavam de Disfunção Cerebral Mínima ou Síndrome Pós-Encefálica, mesmo sem nunca ter tido encefalite.

Primeira aparição do TDAH no DSM

Em 1968, o termo Transtorno do Déficit de Atenção apareceu no Manual Diagnóstico e Estatístico (DSM) como uma reação hipercinética da infância.

O distúrbio foi incluído graças a Leon Eisenberg, médico estadunidense especializado em psiquiatria infantil e adolescente. Ele foi responsável por convencer a comunidade científica e o mundo de que havia uma origem genética para os sintomas descritos.

Transtorno do Déficit de Atenção, realidade ou ficção?

Anos depois, em 2009, contrariou essa afirmação em uma entrevista para o periódico alemão Des Spiegel. Ele apontou um diagnóstico excessivo da doença, dado o alto número de casos detectados.

Mudanças no transtorno

Nos anos 80, o termo aparece no DSM-II como Transtorno de Déficit de Atenção com ou sem hiperatividade. Posteriormente, em meados da década de 90, foram classificadas as três subcategorias atuais: combinado, desatento e hiperativo-impulsivo.

Assim, durante quase um século de evolução, o conceito de TDAH passou por várias mudanças, que nem sempre ocorreram na mesma direção. Por exemplo, o sintoma de hiperatividade nem sempre foi associado ao Transtorno do Déficit de Atenção.

Isso faz que o TDAH seja um conceito que engloba diferentes doenças psiquiátricas de crianças, adolescentes e adultos, o que exige a perícia do pesquisador para obter o diagnóstico correto.

Evidência científica da existência do TDAH

O professor Marino Pérez Álvarez é especialista em Psicopatologia e Técnicas de Intervenção na Universidade de Oviedo e coautor de “Volviento a la Normalidad: la Invención del TDAH y del Trastorno Bipolar Infantil” (“Voltando à Normalidade: a Invenção do TDAH e do Transtorno Bipolar Infantil”, em tradução livre).

Nesse interessante livro, cheio de referências e evidências científicas, o autor desmantela o Transtorno de Déficit de Atenção. Ele afirma que uma dessas evidências é a ausência de um biomarcador cerebral que demonstre a existência do transtorno.

O autor destaca o que o próprio Eisenberg, inventor do TDAH, reconheceu o problema atual da “patologizacão” e o diagnóstico excessivo do comportamento infantil em uma entrevista pouco antes de sua morte.

Segundo o seu livro, o conjunto de sintomas que o TDAH apresenta está relacionado mais a um problema de comportamento do que a um quadro clínico.

Além disso, Mariano Pérez não ignora o fato de que as empresas farmacêuticas criaram um negócio muito lucrativo em torno das necessidades das famílias afetadas. Com efeito, somente em 2017, a principal indústria farmacêutica de medicamentos para o TDAH estimou um faturamento de cerca de 1.200 milhões de dólares.

Então, o TDAH é uma realidade?

É impossível responder a essa pergunta. Contudo, como pais, deveríamos pelo menos questionar sua existência, dada a alta incidência entre a população infantil. Atualmente, na Espanha, por exemplo, estima-se que 5 em cada 100 crianças são afetadas por esse distúrbio e esse número tem aumentado cada vez mais.

Déficit de atenção, realidade ou ficção?

A Federação Espanhola de Associações de Ajuda ao Déficit de Atenção e Hiperatividade, FEAADAH, argumenta que se trata de um distúrbio de origem neurológica, que é causado pelo desequilíbrio de dois neurotransmissores: a noradrenalina e a dopamina. Ambos afetariam diretamente as áreas do cérebro responsáveis pelo autocontrole e pela inibição do comportamento inadequado.

Talvez a comunidade científica precise de mais tempo para provar que é uma realidade e não uma ficção. Talvez seja um momento ruim para a paciência. Nossos ritmos de vida são estressantes e as dificuldades para conciliar o trabalho e a vida pessoal estão cada vez maiores.

Tudo isso faz com que o tempo que podemos dedicar aos filhos seja cada vez menor. Mas não hesite em procurar um bom profissional se suspeitar que o seu filho tenha algum tipo de problema.

Pode interessar a você...
Dúvidas sobre o TDAH que podem prejudicar a família
Sou Mamãe
Leia em Sou Mamãe
Dúvidas sobre o TDAH que podem prejudicar a família

Geralmente, o TDAH se manifesta na infância. Mas infelizmente uma grande porcentagem das crianças que padecem dessa síndrome não são diagnosticadas...


Todas as fontes citadas foram minuciosamente revisadas por nossa equipe para garantir sua qualidade, confiabilidade, atualidade e validade. A bibliografia deste artigo foi considerada confiável e precisa academicamente ou cientificamente.


  • Guerrero Tomás, Rafael. (2016). Trastorno por Déficit de Atención: entre la patología y la normalidad. Barcelona: Timun mas.
  • Pérez Álvarez, Mariano. (2014). Volviendo a la normalidad: la invención del TDAH y el trastorno bipolar infantil. Alianza Editorial.

Os conteúdos de Sou Mamãe servem apenas para fins educacionais e informativos. Em nenhum momento substituem o diagnóstico, o aconselhamento ou o tratamento de um profissional. Em caso de dúvida, é recomendável consultar um especialista de confiança.