Eritema nodoso em crianças: sintomas, causas e tratamento

O eritema nodoso não é contagioso e a sua origem está intimamente ligada a infecções causadas por estreptococos beta-hemolíticos do grupo A.
Eritema nodoso em crianças: sintomas, causas e tratamento

Última atualização: 10 Março, 2021

O eritema nodoso não é uma patologia em si, e sim a manifestação de uma doença que leva ao seu surgimento. Dessa forma, surgem nódulos na pele, há dores nas articulações e a temperatura fica elevada.

Não é contagioso e, se a sua causa não for descoberta, seu tratamento é sintomático e evolui espontaneamente.

Quais são as causas do eritema nodoso em crianças?

As causas dessa síndrome podem ser múltiplas. Como consequência, de acordo com a Associação Espanhola de Pediatria, elas estão divididas em etiologia infecciosa, não infecciosa ou idiopática.

Causas infecciosas

  • Bacterianainfecções estreptocócicas, tuberculose, hanseníase, pneumonia causada por MycoplasmaYersinia, Salmonella, Campylobacter, Tularemia, Bartonella (doença da arranhadura do gato), leptospirose, psitacose, brucelose, linfogranuloma venéreo, rickettsiose e shigelose.
  • Viral: mononucleose infecciosa, hepatite B, hepatite C, HIV, vírus Epstein-Barr, vírus do herpes simples.
  • Fungos: Coccidioidomicose, Blastomicose, Histoplasmose, micose.
  • Parasitas: amebíase, giardíase.
Eritema nodoso em crianças.

A causa infecciosa é a mais relacionada aos casos que ocorrem durante a infância e, portanto, deve ser a primeira a ser descartada.

Causa idiopática

Esse tipo de origem é aquele em que não é possível identificar nenhuma causa aparente. Por sua vez, em torno de 50% dos casos são denominados como eritema nodoso idiopático ou primário de acordo com as revisões publicadas.

O tratamento dessa variante se baseia apenas na administração de anti-inflamatórios não esteroides para o alívio do desconforto.

Causas não infecciosas

  • Medicamentos diversos: contraceptivos orais, brometos, iodetos, inibidores do TNF-alfa.
  • Malignidade: leucemia, linfoma, neoplasias ocultas.
  • Doença inflamatória intestinal: doença de Crohn, colite ulcerativa.
  • Diversos: gravidez, doença de Behçet, doença de Whipple, síndrome de Löfgren (uma tríade de eritema nodoso, artrite aguda e linfadenopatia hilar).

Sintomas de eritema nodoso em crianças

O eritema nodoso é uma síndrome caracterizada por uma erupção cutânea aguda, eritematosa e nodular que ocorre mais frequentemente na face extensora das pernas. Pode até mesmo se manifestar nos antebraços, braços, coxas e outras partes do corpo.

Pode se desenvolver de forma idiopática ou estar associado a outras patologias sistêmicas. Os nódulos são firmes e aparecem repentinamente. Por sua vez, eles são dolorosos e profundos à palpação. Quando atinge a população pediátrica, não há predileção por sexo.

A evolução da doença

Embora o agente causador seja diferente, a doença sempre se desenvolve seguindo um padrão evolutivo. No entanto, nunca envolve processos de necrose, cicatrização ou ulceração.

Fase prodrômica

É um período de tempo não específico que pode durar entre 3 e 6 dias. Por sua vez, essa fase é caracterizada por altas temperaturas, dor nas grandes articulações dos membros inferiores ou dor abdominal. Geralmente se desenvolve uma infecção nasofaríngea, além de um estado geral ligeiramente alterado.

Fase de estádio

A fase de doença se consolida em apenas 1 ou 2 dias. Além disso, o sintoma predominante é a febre, juntamente com dores nas articulações que persistem ou aumentam desde a fase anterior.

Nódulos de 1 a 3 cm de diâmetro começam a se tornar aparentes na face extensora das pernas, nas coxas, nos joelhos e nos antebraços. Além disso, os nódulos se caracterizam por serem da seguinte forma:

  • Pequenos.
  • Bilaterais.
  • Simétricos.
  • Ruborizados.
  • Quentes.
  • Elevados.

Às vezes cursa com adenopatia hilar, edema no tornozelo e dor nas lesões que condicionam o indivíduo a se deitar e elevar as pernas para evitar o desconforto.

Fase regressiva

O eritema nodoso progride de forma espontânea, mas esse processo pode ser acelerado com o tratamento dos sintomas ou com o repouso.

Como é feito o diagnóstico?

O eritema nodoso é diagnosticado por meio dos achados clínicos na criança. Por sua vez, o médico pode solicitar exames complementares, tais como:

  • Exame de sangue completo.
  • Radiografia do tórax.
  • Teste rápido de estreptococos.
  • Exame de Mantoux.

A biópsia da lesão fica sujeita a situações em que o estado clínico da criança é atípico.

Eritema nodoso em crianças: braços.

Opções de tratamento para o eritema nodoso em crianças

O tratamento do eritema nodoso em crianças se resolve espontaneamente. No entanto, pode exigir medidas de repouso com a elevação dos membros inferiores ou medidas para minimizar os sintomas.

Ao contrário dos adultos, a compressão venosa não é indicada em crianças para reduzir a dor. Por sua vez, o tratamento etiológico é essencial em alguns casos. Os analgésicos do tipo AINE (anti-inflamatórios não esteroides) e o paracetamol fazem parte do tratamento de escolha para reduzir grande parte dos sintomas.

O eritema nodoso e a sua evolução

Na maioria dos casos, o prognóstico para o eritema nodoso em crianças é bom. No entanto, as lesões cutâneas geralmente levam meses para se resolverem de forma espontânea. Como consequência, não deixam cicatrizes ou máculas hiperpigmentadas.

A evolução dos quadros mais graves de eritema nodoso demora muito mais tempo para a sua resolução. Por sua vez, um terço dos pacientes pode apresentar recorrências.

Pode interessar a você...
Dermatite atópica em crianças: como prevenir os surtos
Sou MamãeLeia em Sou Mamãe
Dermatite atópica em crianças: como prevenir os surtos

A dermatite atópica em crianças é uma inflamação na pele que afeta cerca de 20% dos pequenos nos primeiros anos de vida. Saiba tudo sobre ela.



  • Leung AKC, Leong KF, Lam JM. Erythema nodosum. World J Pediatr. 2018 Dec;14(6):548-554. doi: 10.1007/s12519-018-0191-1. Epub 2018 Sep 29. PMID: 30269303.
  • Scarpa R, Scognamiglio A, Casaburo G, Oriente A, Biondi Oriente C, Oriente P. L’eritema nodoso: epidemiologia, etiologia, patogenesi, quadro clinico e terapia [Erythema nodosum: epidemiology, etiology, pathogenesis, clinical picture and therapy]. Recenti Prog Med. 1989 Nov;80(11):615-20. Italian. PMID: 2696021.
  • Requena L, Sánchez Yus E. Erythema nodosum. Semin Cutan Med Surg. 2007 Jun;26(2):114-25. doi: 10.1016/j.sder.2007.02.009. PMID: 17544964.
  • Faulkes RE. Upper limb erythema nodosum: the first presentation of Crohn’s disease. Clin Case Rep. 2014 Oct;2(5):183-5. doi: 10.1002/ccr3.87. Epub 2014 Jun 30. PMID: 25614807; PMCID: PMC4302621.