Paroníquia em bebês e crianças: como tratar?

A paroníquia geralmente ocorre na infância devido ao hábito de chupar ou morder os dedos. A seguir, explicamos como tratá-la.
Paroníquia em bebês e crianças: como tratar?

Última atualização: 14 maio, 2022

A paroníquia em bebês e crianças é um distúrbio inflamatório das dobras ungueais, tanto dos dedos das mãos quanto dos pés, manifestado como vermelhidão, sensibilidade e inchaço.

Embora ocorra com mais frequência em adultos, também podem se apresentar em crianças e bebês. Portanto, é necessário saber lidar com isso.

O que causa a paroníquia em bebês e crianças?

O trauma oral por chupar o dedo predispõe bebês e crianças a infecções por germes muito diferentes dos adultos. A contaminação da lesão com saliva pode levar a vários tipos de sintomas e até mesmo à formação de abscessos na prega ungueal.

De acordo com um estudo publicado no American Journal of Surgery, na população pediátrica, as unhas dos pés são causadas por bactérias anaeróbicas e aeróbicas mistas em 46% dos casos. E estas geralmente vêm da cavidade oral.

Menino colocando as mãos na boca.
O hábito de levar as mãos à boca aumenta as chances de desenvolver paroníquia, especialmente se a criança morder os dedos ou as unhas.

Nesse sentido, bebês com comportamentos de chupar o dedo para se acalmar podem ter maior risco de desenvolver paroníquia.

Sinais e sintomas de paroníquia em bebês e crianças

A paroníquia em bebês e crianças não é uma condição comum. No entanto, é um motivo para consulta médica nos primeiros dias devido à dor.

Em suma, a paroníquia é um processo inflamatório caracterizado pelos seguintes sintomas locais:

  • Vermelhidão
  • Inflamação.
  • Sensibilidade aumentada.
  • Dor.

Opções terapêuticas para paroníquia em bebês e crianças

A paroníquia geralmente desaparece após alguns dias. Caso contrário, existem diferentes opções terapêuticas para tratá-la. De fato, a maneira de gerenciá-la depende da gravidade da condição, da duração e da idade da pessoa afetada.

Medidas de higiene

O tratamento inicial para se estabelecer são banhos de água morna e sal nos dedos afetados. Em alguns casos, também é recomendado o uso de soluções antissépticas (iodopovidona ou clorexidina) ou água de Burow a 1%.

Banhos contínuos em salmoura ajudam a reduzir a inflamação e a dor na área afetada. Recomenda-se fazer isso várias vezes ao dia por pelo menos 10 a 15 minutos. Em geral, os banhos costumam ser uma medida bastante eficaz.

Ao mesmo tempo, não é recomendado cortar as unhas de forma arredondada, nem cortar as cutículas ou as peles. Na verdade, o corte inadequado das unhas é uma das causas mais comuns de unhas encravadas.

Tratamento com antibióticos orais

O tratamento com medicação oral acompanha as medidas de higiene. Antibióticos com cobertura para germes comuns da pele (como cefalexina) ou que ampliem o espectro para bactérias da boca da criança (como trimetoprima sulfametoxazol) são recomendados.

Na maioria dos casos, os antibióticos orais devem ser prescritos por 7 a 10 dias. Siga as instruções do médico e não deixe de tomar a medicação mesmo que a criança relate se sentir melhor.

Medicamentos tópicos

Caso os banhos de salmoura não controlem a inflamação, os corticosteroides tópicos podem ser necessários. Estes ajudam a aliviar a dor e diminuir a inflamação. Vários antibióticos tópicos (como mupirocina, ácido fusídico e bacitracina) são listados como pomadas antibióticas triplas ou “creme triplo”.

O ideal é aplicar o creme antibiótico entre 4 a 5 vezes ao dia nas áreas afetadas, sobre a pele recém-hidratada. Existem diferentes apresentações, como as seguintes:

  • Pomada.
  • Creme.
  • Unguento.
  • Gel.

As pomadas tendem a permanecer por mais tempo na área a ser tratada em comparação com os cremes.

Tratamento cirúrgico

Embora medidas higiênicas e medicações tópicas ou orais sejam a terapia inicial, a incisão e drenagem no ambiente perinatal é um complemento útil para a cicatrização.

Mãe cortando as unhas do filho para evitar paroníquia em bebês e crianças.
As unhas devem ser cortadas logo após o banho para evitar que encravem na pele.

Esse procedimento é reservado para abscessos, nos quais é pertinente evacuar o pus e aliviar a pressão da inflamação na área afetada. É realizado com bisturi e anestesia local e não necessariamente requer internação.

Além disso, o tratamento inclui o corte e a remoção da espícula encravada para permitir o crescimento normal da unha.

Diagnóstico diferencial de paroníquia

O diagnóstico diferencial das unhas dos pés pode abranger diferentes patologias da pele e tecidos moles. Alguns deles são os seguintes:

  • Celulite: é uma infecção superficial que se apresenta com vermelhidão e inflamação, mas sem flutuação do tecido devido à presença de pus ou líquidos.
  • Panarício herpético: é uma infecção viral do dedo causada pelo vírus herpes simplex (HSV).
  • Onicomicose: é uma infecção fúngica que causa descoloração amarelada-esbranquiçada.
  • Psoríase ungueal: são unhas espessas, com áreas de pitting, sulcos e contornos irregulares.
  • Carcinoma de células escamosas: na maioria dos casos ocorre na pele, mas também pode ocorrer no leito ungueal.

Paroníquia em bebês e crianças

A paroníquia em bebês e crianças geralmente têm um bom prognóstico e, na maioria dos casos, desaparece em poucos dias.

Existem inúmeros remédios caseiros que são compartilhados nas redes sociais, mas a automedicação não é recomendada para crianças, nem mesmo para a paroníquia. Em caso de dúvida, procure seu médico.

This might interest you...
Como tratar as unhas encravadas?
Sou Mamãe
Leia em Sou Mamãe
Como tratar as unhas encravadas?

No artigo a seguir vamos contar como tratar as unhas encravadas pois elas podem ser muito doloridas se não forem cuidadas de maneira adequada.



  • Brook I. (1981) Bacteriologic study of paronychia in children. Am J Surg;141(6):703-5. doi: 10.1016/0002-9610(81)90082-9. PMID: 6972709.
  • Ritting AW, O’Malley MP, Rodner CM. (2012) Acute paronychia. J Hand Surg Am;37(5):1068-70; quiz page 1070. doi: 10.1016/j.jhsa.2011.11.021. Epub 2012 Feb 3. PMID: 22305431.
  • Lomax A, Thornton J, Singh D. (2016) Toenail paronychia. Foot Ankle Surg;22(4):219-223. doi: 10.1016/j.fas.2015.09.003. Epub 2015 Sep 21. PMID: 27810017.
  • Shafritz AB, Coppage JM. (2014) Acute and chronic paronychia of the hand. J Am Acad Orthop Surg;22(3):165-74. doi: 10.5435/JAAOS-22-03-165. PMID: 24603826.
  • Leggit JC. (2017) Acute and Chronic Paronychia. Am Fam Physician 1;96(1):44-51. PMID: 28671378.
  • Lorenzo Ramírez, M.D., Navarro Torres, M., Cases Jordán, C., et al. (2021). Propiedades del agua de burow. Revista sanitaria de investigación. [Internet] Recuperado el 12-04-2022 de: https://revistasanitariadeinvestigacion.com/propiedades-del-agua-de-burow/
  • Comité de Medicamentos de la Asociación Española de Pediatría (2020). Cefalexina. Pediamecum. Disponible en: https://www.aeped.es/comite-medicamentos/pediamecum/cefalexina