As pessoas me criticam porque eu ainda carrego meu filho no carrinho

· 21 de abril de 2017

Há pessoas, que na sua ânsia de intrometer-se em vidas alheias, julgam as mães por excesso de permissividade ou negligência, cada vez que vêem a uma criança maior de 3 anos que ainda vai no carrinho. Quase ninguém se pergunta se talvez, essa criança tem um problema maturacional ou uma doença que, simplesmente, a impede de ter a autonomia do resto das crianças.

Isto mesmo é o que sentem muitas mães e muitos pais com filhos com Síndrome de Down ou outros problemas de desenvolvimento, que os obriga a levar seus filhos em carrinhos mesmo em idades já muito avançadas. E mais, em ocasiões e para agilizar o transporte até a escolinha, por exemplo, muitas famílias decidem colocar a criança no carrinho para ir mais rápido. Porque de outro modo, a criança se cansaria e o trajeto seria muito mais difícil.

No entanto, o problema de base é sempre a facilidade com a qual se emite um julgamento e um agravo sem saber. Uma mãe que arrasta um carrinho com uma criança de 5 anos, não tem por que ser uma mãe muito permissiva. Nem “uma defensora inflexível da criação natural”. Talvez, seja a mãe de uma criatura com problemas articulares.

Temos de ser muito mais respeitosos e sensíveis. Assim mesmo, cada família é livre de aplicar as estratégias que deseje na criação de seus filhos, se sabe a todo o momento, quais são suas necessidades. Lhe propomos refletir sobre isso.

A menina de 5 anos que ainda vai num carrinho de bebê

Há uns meses saiu publicada na revista “Little Things” a história de uma menina chamada Madison. Ela tem um pouco mais de 5 anos, e sua família ainda a leva no carrinho. É, além disso, uma menina bastante alta para sua idade, e isso faz com que sempre seja apontada cada vez que seus pais a levam para passear.

“Ela é muito grande!”, lhe dizem nas suas costas entre risadas e provocações. Madison, escuta e abaixa a cabeça. Finalmente, Rachel, a mãe, viu-se obrigada a contar sua história em seu próprio blog “Life on my Family and me”. A criança sofre da “Síndrome de Hiperlaxitud Articular”. Ela pode andar como qualquer criança da sua idade, com a única diferença de que ela se cansa muito rápido. E quando o faz, sofre uma dor intensa nos pés, calcanhares e joelhos.

No verão a dor aumenta, e é aí que seus pais a levam sempre no carrinho. Ela toma anti-inflamatórios e tem épocas mais difíceis, embora haja meses em que pode levar uma  vida completamente normal.

Sua história colocou em relevância, faz pouco tempo, sobre essa facilidade com que as vezes se julga uma família de modo tão cruel, acusando de má criação, quando o que há em realidade, é um amor imenso.

Madison, 5 anos

Até que idade as crianças podem ir nos carrinhos?

Como já sabemos, as crianças maiores sempre vão chamar a atenção no caso de irem num carrinho.  Em média, uma criança deveria ser capaz de andar ao lado do pai e da mãe por volta dos dois anos e meio ou três anos.

No entanto, existem muitas nuances a considerar.

Caminhos longos até a escolinha ou para a casa dos avós

Se optamos por não usar o carrinho, e saímos com um menino ou uma menina de dois anos e meio para dar um passeio mais ou menos longo, a questão se complica. Nesta idade dificilmente eles farão um trajeto de mais de 10 ou 15 minutos.

Além disso, se vamos com pressa, o carrinho continuará sendo esse “porto seguro” onde levar nossos filhos de forma segura.

 

Aos 3 anos devemos começar a negociar com eles

Se nosso filho não tem nenhum problema de mobilidade esta é a idade perfeita para começar a negociar com eles os caminhos curtos que faremos de mãos dadas. É um momento ideal para ensinar-lhe normas cívicas, quando dar um passo de zebra, quando ficar parado, onde olhar ou a necessidade de nunca se soltar da mão do papai e da mamãe…

São estratégias simples que podemos fazer em passeios curtos de 20 minutos onde tudo seja estimulante para ele. A medida que crescem, eles vão ganhar força para caminhar por mais tempo sem se cansarem. No entanto, o melhor é começar com passeios curtos.

Meu filho(a) ainda demorará em ser autônomo(a)

Cada criança tem seus ritmos e seus tempos. Você não tem que ver como um problema se continuar passeando as crianças no carrinho, quando elas têm 4 ou 5 anos, se elas precisam. O que o resto das pessoas pense não tem nenhuma importância. O que é realmente essencial é que nosso filho saia, receba estímulos, escute, sinta e se envolva com tudo o que a vida tem preparado para ele ou ela.

Pode ser que ele demore um pouco mais em ser autônomo. Em colocar seus pés com segurança no chão para avançar sem cair, para que suas pernas sustentem seu peso e o equilíbrio para começar a correr.

Não importa quando seja esse dia. Como mães, como pais e pessoas que amamos a essa criança, estaremos junto a ele em cada passo para atender todas as suas necessidades.